i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
após 27 meses

Principal delator da Operação Publicano vai deixar a cadeia

Luiz Antônio de Souza vai migrar para o regime de prisão domiciliar, mas terá que usar tornozeleira eletrônica

  • PorFábio Silveira, especial para a Gazeta do Povo
  • Londrina
  • 04/04/2017 19:40
Luiz Antônio de Souza, no momento de sua prisão | Roberto Custodio/Gazeta do Povo
Luiz Antônio de Souza, no momento de sua prisão| Foto: Roberto Custodio/Gazeta do Povo

Vinte e sete meses depois de ser preso em flagrante, num motel de Londrina com uma adolescente, o auditor fiscal Luiz Antônio de Souza, que se tornou o principal delator da Operação Publicano, está para deixar a Penitenciária Estadual de Londrina (PEL), trocando a prisão preventiva pela prisão domiciliar. Souza deve responder aos processos preso em casa e monitorado por tornozeleira eletrônica. O pedido feito pela defesa para que o delator deixar a cadeia foi deferido na tarde desta terça-feira, pelo juiz da 3ª Vara Criminal de Londrina, Juliano Nanuncio, depois de o Ministério Público se manifestar favoravelmente à medida. Ele deve deixar a PEL na quarta-feira (5). Além da Publicano, Souza é réu em processos em que é acusado de abuso sexual contra adolescentes .

Principal delator da Publicano ainda não foi ouvido em inquérito contra Beto Richa

A Publicano investiga a denúncia de que auditores fiscais, empresários e contadores teriam formado uma organização criminosa para facilitar a sonegação fiscal mediante o pagamento de propina.

Restrições

Para não perder a prisão domiciliar, Souza tem que cumprir algumas restrições: não pode mudar de endereço sem avisar a Justiça, não pode sair de casa entre as 22 e as 6 horas e nem aos domingos, não pode deixar a comarca durante a fase de instrução dos processos e não retirar a tornozeleira eletrônica.

Souza poderia ter deixado o regime de prisão temporária em julho do ano passado, mas o MP considerou que ele rompeu o acordo de delação premiada, quando da deflagração da quinta fase da Publicano, em maio de 2016, porque teria extorquido um empresário para não citá-lo nos depoimentos. O acordo de colaboração foi retomado no final de fevereiro, condicionado à postura do delator nos reinterrogatórios a que foi submetido nas ações penais da Publicano III e da Publicano IV e que foram feitos na última sexta-feira (31) e na segunda-feira (3).

Requisitos

No despacho em que revoga a prisão preventiva de Souza, Nanuncio afirma que os requisitos para a medida não estão mais presentes nesse caso. “As práticas delitivas pelas quais [Souza] foi condenado na Publicano 1, bem como aquelas a ele imputadas no âmbito das demais fases dos feitos em comento, deram-se, a priori, no exercício de sua função de auditor da Receita Estadual, função da qual foi definitivamente afastado”, escreveu Nanúncio no despacho. O delator é o único dos mais de 70 auditores que perdeu a função pública, nos processos administrativos abertos pela Corregedoria da Receita Estadual no final de 2015. O juiz também ressaltou que Souza cumpriu a sua parte no acordo de delação premiada, porque “contribuiu com a instrução dos dois feitos [processos da Publicano III e IV], haja vista a ratificação do que declarara na fase extrajudicial”.

No seu parecer sobre o pedido da defesa do delator, o MP também se manifestou a favor da prisão domiciliar, porque Souza cumpriu a sua parte no acordo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
  • Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.