Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

suspeita de corrupção

Barroso mantém indiciamento de Temer no inquérito dos portos

Para ministro do Supremo, pedido da defesa do presidente não apresentou fundamento válido para vedar a possibilidade de a Polícia Federal indiciar autoridades com prerrogativa de foro

  • Brasília
  • Estadão Conteúdo
Presidente Michel Temer foi indiciado pela Polícia Federal por suspeita dos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e  organização criminosa. | Evaristo Sa/AFP
Presidente Michel Temer foi indiciado pela Polícia Federal por suspeita dos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Evaristo Sa/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta terça-feira (23) negar um pedido da defesa de Michel Temer para anular o indiciamento do presidente feito pela Polícia Federal no âmbito do inquérito dos portos. Para o ministro, não há fundamento válido para vedar a possibilidade de a Polícia Federal indiciar autoridades com prerrogativa de foro.

“O indiciamento é ato expressamente previsto em lei, que não ressalva de sua incidência os ocupantes de cargos públicos. Impedir o indiciamento apenas de uma classe de pessoas, sem fundamento constitucional ou legal, configuraria uma violação aos princípios da igualdade e da República, ao conferir um privilégio exclusivo e injustificado a determinadas autoridades”, avaliou Barroso.

A PF indiciou Temer pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa na investigação sobre o favorecimento a empresas do setor portuário na edição de um decreto de 2017.

A alegação dos advogados do presidente da República é a de que o ato da PF é ilegal, já que a corporação não teria competência para indiciar quem tem foro por prerrogativa, como é o caso de Temer. O presidente e mais dez pessoas foram indiciadas pela PF nas investigações. A corporação também pediu o bloqueio de bens de todos os indiciados, incluindo Temer, e a prisão preventiva de quatro deles: coronel Lima e sua mulher, além de Carlos Alberto Costa e Almir Martins Ferreira, que atuaram, respectivamente, como sócio e contador do coronel.

LEIA TAMBÉM: Exército pede investigação sobre vídeo em que coronel ofende e ameaça Rosa Weber

A defesa do presidente sustentava que a jurisprudência do STF é “pacífica” sobre a incompatibilidade de a PF indiciar quem tem foro perante o STF, argumento rechaçado por Barroso.

“A questão aqui versada, ao contrário do que alega a defesa, jamais foi objeto de deliberação pelo plenário desta Corte”, observou Barroso em sua decisão. Isso porque o plenário da Corte já decidiu que é nulo o indiciamento de autoridade com prerrogativa de foro quando a investigação não tenha sido previamente autorizada pelo STF. No caso do inquérito dos Portos, a apuração teve – desde o início – a supervisão da Suprema Corte.

Barroso frisou que a investigação de Temer foi “integralmente supervisionada” e todas as provas, incluindo a quebra dos sigilos bancários e fiscal e o interrogatório do presidente foram colhidas mediante autorização e controle judicial do Supremo.

LEIA TAMBÉM: Quem é Eduardo Leite, o jovem favorito ao governo do Rio Grande do Sul

“O indiciamento somente ocorreu quando completamente finalizada a investigação, por ocasião da apresentação do Relatório Conclusivo da Polícia Judiciária. Não há, portanto, risco algum à preservação da competência do Supremo Tribunal Federal relacionada às autoridades com prerrogativa de foro, nem houve qualquer diligência investigatória realizada sem o controle desta Corte”, sustentou o ministro.

Barroso ressaltou que cabe ao delegado de polícia fazer o indiciamento, ao Ministério Público apresentar denúncia e ao Poder Judiciário dar a sentença, “sendo vedada a interferência recíproca nas atribuições alheias, sob pena de subversão do modelo acusatório, baseado na separação entre as funções de investigar, acusar e julgar”.

Barroso lembrou ainda que neste ano o STF decidiu reduzir o alcance do foro privilegiado para os crimes cometidos no exercício do mandato e em função do cargo, no caso de deputados federais e senadores. “Com maior razão, deve esta Corte impedir a criação de novos privilégios que nem sequer possuem amparo constitucional ou legal”, concluiu o ministro.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE