Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Marisa Letícia: ex-primeira-dama morreu em fevereiro. | Nelson Almeida/AFP
Marisa Letícia: ex-primeira-dama morreu em fevereiro.| Foto: Nelson Almeida/AFP

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou, nesta segunda-feira (11), que a prefeitura da cidade batize um viaduto com o nome de Dona Marisa Letícia, mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A obra ainda não foi concluída e fica no bairro de Santo Amaro. Liga a Avenida Luiz Gushiken (outro expoente do PT, já falecido) à Estrada do M’ Boi Mirim.

O projeto da Câmara, apresentado pela bancada do PT, originalmente previa a adoção do nome de Dona Marisa, morta em fevereiro, para o prolongamento da Avenida Chucri Zaindan. Diante da resistência dos governistas, avalizados pelo prefeito João Dória, o PT não conseguiu reunir os 28 votos necessários. Mas, após negociações, o presidente da Câmara, Milton Leite (DEM), acabou concordando com a concessão do nome para o viaduto.

LEIA TAMBÉM: Lula insinua que Lava Jato ‘matou’ Marisa

Praça da Sé vira Praça da Sé-Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns

Reunida nesta segunda, a Câmara aprovou outras denominações para logradouros públicos, incluindo a troca do nome de Praça da Sé para “Praça da Sé-Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns” e a substituição do nome da Praça Salvador Allende para Praça Sagrado Coração de Jesus. Dom Paulo Evaristo Arns foi arcebispo de São Paulo e morreu em dezembro de 2016. Salvador Allende era o presidente chileno que foi deposto pelo golpe militar do ditador Augusto Pinochet, em 1973.

Os vereadores aprovaram também homenagens, como os dias da camareira, do cuidador de idosos, do profissional da educação física e do primeiro culto evangélico do Brasil.

O presidente da Câmara propôs a concessão de medalha Anchieta ao ministro do STF Alexandre de Moraes, honraria aprovada sem passagem pelas comissões.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]