Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Bolsonaro promete abrir a caixa-preta do BNDES, mas ela já começou a ser esvaziada no governo Temer | Leo Pinheiro/Valor/Arquivo Gazeta do Povo
Bolsonaro promete abrir a caixa-preta do BNDES, mas ela já começou a ser esvaziada no governo Temer| Foto: Leo Pinheiro/Valor/Arquivo Gazeta do Povo

Uma caixa-preta, com dados sigilosos e que não permite à sociedade avaliar a eficácia dos empréstimos concedidos. Assim é visto o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que promete jogar luz nas informações de todas as operações feitas pelo banco. Mas antes mesmo de o capitão da reserva iniciar seu governo, a estatal está reformulando seu site e colocando à disposição mais dados das operações de crédito para tentar ser mais transparente e superar a má fama alcançada nos anos de governo do PT. 

Quando o ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy assumir a presidência do BNDES no ano que vem, as informações já estarão mais transparentes, um processo de mudança que começou em 2016 e continua até agora, com a reformulação do site. Isso é visto pelo corpo de funcionários do banco como uma forma de tentar virar a página e iniciar uma nova história para a entidade. A estatal ficou marcada como uma das peças da engrenagem de suporte a empresários e empreiteiras investigados em escândalos de corrupção, entre eles Joesley Batista, da JBS.

LEIA TAMBÉM: STF julga se indulto de Temer pode beneficiar presos da Lava Jato

Novo site

Em uma parceria com o Tribunal de Contas da União (TCU), o BNDES inaugurou na terça-feira (27) um site novo, que promete trazer as informações das operações financeiras de forma clara e com fácil acesso. Mas, na prática, a maior parte das informações já está disponível no site do banco desde 2016. Antes, havia sigilo de dados como taxa de juros do financiamento e o saldo das operações de crédito, mas, por pressão do próprio TCU e de parlamentares, o banco já vinha mudando essa postura.

Esse novo site, porém, ainda vai manter sigilosas informações estratégicas dos projetos financiados (como dados comerciais ou de engenharia dos projetos), a situação de pagamento do empréstimo (se em dia ou inadimplente) e ainda o enquadramento que o BNDES deu àquele empréstimo em sua carteira (o “rating”, ou a nota que aquele tomador do empréstimo tem quando ao seu risco de não arcar com o compromisso). 

“O banco está passando por um processo de evolução no seu grau de transparência. Esse adjetivo [de caixa-preta] que foi dado ao banco responde a um passado onde de fato havia uma percepção social, em alguns casos até excessiva, mas em outros não, em outros real, de que o banco não tinha esse nível de transparência. O nosso esforço agora de comunicação é divulgar para a sociedade que isso é uma página virada”, afirmou o diretor de Compliance do BNDES, Marcelo de Siqueira Freitas, à Gazeta do Povo. 

BNDES tem um passado marcado pela falta de transparência

Mas nem sempre se viu no BNDES essa disposição. Até mesmo para os órgãos de controle o BNDES chegou a negar o compartilhamento de dados. Em 2014, quando o TCU iniciou a auditoria sobre o caso JBS, o BNDES entrou com questionamento no Supremo Tribunal Federal (STF), tentando manter em sigilo parte dos dados solicitados. Porém, o STF avaliou que não há sigilo de dados do BNDES perante o TCU, obrigando o banco a disponibilizar os dados ao tribunal, no começo de 2016. 

LEIA MAIS: Petrobras terá novo comando, mas ainda tenta deixar para trás imagem de corrupção

Mesmo assim, ainda estão em andamento processos de auditoria sobre as operações do BNDES iniciadas pelo TCU em 2014. O ministro relator dos casos, Augusto Sherman, já se manifestou publicamente criticando autoridades do próprio TCU, que teriam remanejado auditores que trabalhavam nos processos do BNDES, atrasando o encerramento dos trabalhos. Procurado pela Gazeta do Povo, o TCU não respondeu até a publicação desta reportagem. 

O diretor do BNDES afirma que hoje as autoridades do TCU têm relatado que não há mais problemas de apresentação de dados pelo banco. A aproximação do tribunal e da estatal aconteceu no primeiro semestre deste ano e teve como resultado a reformulação do site, feita em parceria pelas duas instituições.

Nova taxa de juros do BNDES também tornou o processo mais transparente

Outra mudança para esvaziar – ou para parar de encher - a caixa-preta do BNDES foi a mudança na taxa de juros. Durante a gestão de Michel Temer, o Congresso aprovou no fim de 2017 uma nova taxa de juros de longo prazo na economia. A nova taxa, chamada de TLP, segue a variação do mercado financeiro e se equipara aos juros dos títulos públicos. Ela substitui a antiga taxa utilizada pelo BNDES em seus empréstimos, a TJLP, que era definida em uma canetada dos ministros da área econômica a cada trimestre e inferior ao custo dos títulos do Tesouro. 

OPINIÃO: Nova taxa de longo prazo vai ajudar a normalizar crédito

Ou seja, quando o BNDES emprestava dinheiro, usava taxas abaixo do custo de mercado, concedendo um benefício aos empresários tomadores de crédito com o banco. Hoje, o BNDES tem de competir com outros bancos para atrair clientes que queiram pegar empréstimos. Agora, sem o subsídio, a fila de interessados em empréstimos está vazia. 

Como o BNDES se tornou uma caixa-preta?

O BNDES recebeu em aportes do Tesouro Nacional quase R$ 700 bilhões, de 2009 a 2018. Desse total, R$ 391 bilhões já foram devolvidos desde 2016. Outros R$ 92,4 bilhões compõem a carteira da BNDESPAR. Esse é o braço de participações em investimentos do banco, que compra ações e se torna sócio das empresas, também como forma de fomentar investimentos. 

Com os recursos emprestados pelo Tesouro Nacional ao banco, havia ordem política para a definição da estratégia a ser seguida pelo banco em suas operações. Uma delas, por exemplo, foi o estímulo à internacionalização de empresas brasileiras, caso da JBS, com juros mais baixos que os de mercado.

A política desenvolvimentista empreendida pelos governo do PT tinha como premissa fazer a economia girar com ajuda das empresas públicas, principalmente do BNDES, dando empréstimos a taxas subsidiadas. Por exemplo, se estava nos planos do governo construir uma grande hidrelétrica, o financiamento às empreiteiras que participassem do negócio seria dado pelos bancos públicos, entre eles o BNDES, com juros menores do que os praticados em bancos privados. Se necessário, o BNDES também adquiria ações dessas empresas.

SAIBA MAIS: Venezuela, Cuba e Moçambique somam R$ 1,7 bilhão em dívidas atrasadas com o BNDES

“O banco funciona, sim, como um braço de operação do Estado. E o Estado representa em cada governo aquelas políticas que o eleitor entendeu que são as mais adequadas para aquele período. Desse ponto de vista, se isso é feito com transparência e com os instrumentos legais adequados, é legítimo”, afirma o diretor do BNDES Marcelo de Siqueira Freitas. 

Questionado se as informações concorrenciais ou de estratégia comercial dos tomadores de crédito do BNDES deveriam ser disponibilizadas à sociedade, por se tratarem de recursos públicos, Siqueira defende que nunca houve tal pedido ao banco.  “Nunca ninguém solicitou isso ao BNDES. O debate nunca chegou a esse ponto. O banco nunca foi demandado. Há total transparência. Dizemos que vamos dar o recurso para construção de uma máquina. A legislação não deixa eu divulgar os dados de propriedade intelectual, por exemplo. Se mudar a lei, o banco divulga”, disse Freitas. 

Ajuda às empreiteiras em países amigos 

O BNDES também foi a ferramenta utilizada pelo governo para ajudar a reduzir os riscos das empreiteiras em obras no exterior. De 2005 a 2014, R$ 50,54 bilhões foram emprestados pelo BNDES em 140 operações para as empreiteiras brasileiras construírem projetos de infraestrutura em 12 países: Angola, Argentina, Costa Rica, Cuba, Equador, Gana, Guatemala, Honduras, Moçambique, República Dominicana, Peru e Venezuela, segundo apuração do Tribunal de Contas da União (TCU). 

Nesses contratos, as empreiteiras brasileiras eram financiadas pelo BNDES. De acordo com o TCU, cinco construtoras nacionais receberam 99% dos financiamentos do tipo, sendo 81,8% ao Grupo Odebrecht, Andrade Gutierrez com 9,6%, Queiroz Galvão com 5%, Camargo Correa com 1,6% e OAS com 1%. 

Foram construídos com financiamento do BNDES o Porto de Mariel, em Cuba, e o estaleiro de Astialba, na Venezuela, duas obras questionadas pelo TCU. “Além de se tratar de financiamento de elevado valor, o percentual de itens exportados, em valor, é bastante significativo frente ao valor total da obra informado, o que aponta necessidade de uma análise mais acurada sobre a lista de itens exportados, seus valores, e sua representatividade no conjunto da obra”, afirma o tribunal sobre o porto cubano.

LEIA TAMBÉM: Pressão à Venezuela virá com Moro e Itamaraty, diz Eduardo Bolsonaro

Nesse período, impeachment de Dilma Rousseff (PT), o governo determinou que fossem mantidos em sigilo as informações das operações de crédito. Estava criada a caixa-preta. 

“No passado, as operações de exportações de serviço não podiam ser publicizadas. E isso não foi opção do BNDES. Em vários desses momentos em que o nível de transparência do banco foi questionado, o banco estava cumprindo uma determinação do ministério supervisor (ao qual o BNDES está vinculado). Não foi decisão autônoma”, afirmou o diretor do BNDES. 

BNDES deixa herança de dívida para o brasileiro pagar

As operações do BNDES com dinheiro do Tesouro causaram um passivo que o Brasil ainda terá de pagar por algum tempo. Para obter os recursos, o Tesouro emitiu títulos e prometeu remunerar os investidores pela taxa básica de juros aos investidores (a Selic, que chegou a 14,25% ao ano em 2015, durante o governo Dilma Rousseff), aumentando a dívida bruta do país.

Segundo a CPI do BNDES, encerrada em 2016, títulos emitidos para financiar as operações do BNDES correspondiam a 1,47% do total da dívida em junho de 2009. Em dezembro de 2014, 25,32% da dívida pública era composta de títulos emitidos para financiar as operações do BNDES. 

Além disso, o Tesouro ainda tinha de complementar a diferença entre a taxa que pagava para quem comprava títulos da dívida pública e a taxa praticada pelo BNDES nos financiamentos subsidiados. Segundo a CPI do BNDES, nessas linhas de crédito, o custo total ao tomador final em média, foi de 5,2% ao ano. A diferença entre o custo do Tesouro para pagar pela captação dos recursos e o retorno dos empréstimos foi coberto pelo dinheiro do contribuinte brasileiro, deixando de ser usado em serviços públicos e investimentos. 

Os funcionários do BNDES afirmam que as operações de crédito ou de compra de ações passavam por análises pormenorizadas, o que não justifica dizer que possa ter algo escondido. “Em relação ao ‘sigilo bancário’, o BNDES cumpre normas previstas em lei”, afirma a Associação dos Funcionários do BNDES (AFBNDES), em nota. “O BNDES divulga suas operações de forma ampla e transparente, sem paralelo com qualquer outro banco. Estão disponíveis no portal institucional informações sobre cliente, valor da operação, projeto apoiado, taxa de juros, prazos e garantias”, completa.

Os funcionários também afirmam prestar contas aos órgãos de controle e que mesmo em investigações que vem sendo realizadas há quadro anos, como as três CPIs no Congresso Nacional, além da operação Lava Jato e da operação Bullish, “não há nenhuma evidência que comprometa a atuação dos empregados do BNDES em qualquer esquema de corrupção”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]