Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
 | Divulgação
| Foto: Divulgação

Em sua primeira audiência como juiz titular da Operação Lava Jato, o magistrado Luiz Antônio Bonat, 64 anos, que assumiu a vaga de Sergio Moro na 13ª Vara da Justiça Federal do Paraná, ouviu três testemunhas, em evento sem sobressaltos nesta quinta-feira (7).

O juiz, que assumiu o cargo no dia anterior, conduziu a audiência por cerca de três horas e meia, quando foram ouvidas testemunhas de acusação do processo que julga desvios na construção da sede da Petrobras em Salvador (BA).

Durante o procedimento, Bonat se dirigiu aos advogados presentes como “ilustres defesas” e “vossa excelência”, e à representante do Ministério Público Federal (MPF) como “douta procuradora da República” – deferências que normalmente não eram feitas por Moro.

LEIA TAMBÉM: Como pedido de suspeição reaquece duelo entre Gilmar Mendes e Lava Jato

O magistrado também fez jus à fama de discrição. Apesar de a audiência ter sido realizada numa sala especial, em função do grande número de réus do processo (são 42), ele não permitiu a entrada da imprensa nem de observadores externos.

Advogados ouvidos pela reportagem elogiaram o juiz e afirmaram que ele conduziu o ato com serenidade e educação e fez pouquíssimas intervenções. Bonat não interrompeu, nem uma vez, as perguntas da procuradora Isabel Groba Vieira, por exemplo, tampouco dos advogados. Não se manifestou nem mesmo quando caiu a conexão de uma videoconferência com uma das testemunhas – o que ocorreu por duas vezes.

O juiz também não quis fazer perguntas ao doleiro Alberto Youssef, primeira testemunha interrogada na audiência, nem à auditora fiscal Ana Paula Souza da Silva. Ele interpelou apenas o ex-executivo da Odebrecht Fernando Migliaccio da Silva, que era um dos responsáveis pelo setor de propinas da companhia.

LEIA TAMBÉM: Militares dão aval a Bolsonaro para fechar acordo com EUA sobre base de foguetes

Bonat fez três breves perguntas: quem eram os líderes empresariais do grupo que fizeram pedidos de pagamentos de propina a ele; com quem ele conversou para a realização desses pagamentos; e quais eram os recebedores da propina no caso específico de um réu, o publicitário Valdemir Garreta, que trabalhou em campanhas do PT.

O magistrado é juiz federal há 25 anos, e assumiu a titularidade da 13ª Vara Federal de Curitiba após um concurso interno, cujo critério de seleção era a antiguidade.

A próxima audiência de Bonat à frente da Lava Jato será nesta sexta-feira (8), no mesmo processo. Serão ouvidas quatro testemunhas, entre elas, o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco e o delator da Odebrecht Benedicto Barbosa Júnior.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]