i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
ANÁLISE

“Deforma” da Previdência amplia sistema de castas das aposentadorias

Na terra do quebra-quebra premiado, a reforma anunciada como “igualitária” consegue a proeza de aumentar as desigualdades da Previdência

  • PorFernando Jasper
  • 19/04/2017 11:09
Depois de quebra-quebra na entrada do Congresso, policiais poderão se aposentar antes de professores, agricultores familiares e os demais trabalhadores. | Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Depois de quebra-quebra na entrada do Congresso, policiais poderão se aposentar antes de professores, agricultores familiares e os demais trabalhadores.| Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A proposta de Temer para a reforma da Previdência tinha alguns exageros e lacunas. Mas as concessões que o governo e o relator da PEC 287 na Câmara têm feito a transformaram numa maçaroca, que vai se emaranhando mais e mais conforme diferentes categorias vão chiando ou promovendo quebra-quebras em Brasília.

O que não falta é asterisco na nova legislação. Há regra para homem, mulher, segurado do INSS, servidor, parlamentar, agricultor familiar, professor, policial. Haverá para as Forças Armadas. E para quem mais der uma pressionada.

SAIBA MAIS: Como são e como ficam as regras para aposentadoria

A “deforma” da Previdência está tão confusa (ainda vai piorar) que o sujeito que olhar para a regra de transição e conseguir calcular de imediato a data de sua aposentadoria deveria ter direito a um benefício especial só para si. Mas é melhor não dar ideia.

Vem nova reforma aí

Do ponto de vista das contas públicas, o impacto da reforma já está muito menor que o projetado a partir do texto original e tende a diminuir conforme a proposta “avance” no Congresso.

É claro que ao longo do tempo essa fatura será cobrada dos pagadores de impostos. Mas, como até para isso há um limite, a cada dia cresce a chance de que o próximo governo tenha de fazer novas mudanças na legislação previdenciária, para conter o aumento explosivo dos gastos com aposentadorias.

Não importa se é de esquerda, direita ou centro: a história nos mostra que, tão logo assume, o presidente da República se dá conta de que o déficit da Previdência é muito real e a cada ano avança mais sobre recursos que antes iam para outras áreas essenciais, como saúde, assistência social, educação, investimentos. FHC fez reforma, Lula também e Dilma Rousseff já anunciava a sua quando foi tragada pelo impeachment. Temer está tentando e seu sucessor provavelmente fará o mesmo.

Mais desigualdade

Mas a questão vai além da ruína das contas públicas. Na terra do quebra-quebra premiado, a reforma anunciada como “igualitária” está conseguindo a proeza de ampliar o sistema de castas da Previdência.

Em meio ao amontoado de exceções abertas – inclusive à força – por diferentes corporações, o que era para ser regra geral valerá apenas para a maioria desorganizada. Ou seja, para o trabalhador comum, aquele que não tem direito a aposentadoria especial e que não vai a Brasília protestar porque não tem estabilidade de emprego nem quer perder o seu, ainda mais quando sabe que há 13,5 milhões de brasileiros à procura de um.

É verdade que a idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres também valerá para os servidores públicos federais, após a devida transição. Mas a tendência é de que os contratados antes de 2003 mantenham direitos inacessíveis à massa, como aposentadoria equivalente ao valor do último salário e reajuste idêntico ao concedido ao pessoal da ativa.

Quanto aos servidores estaduais e municipais, houve tanto vaivém que só após aprovada a reforma (se aprovada) saberemos se estarão sob as novas regras ou não.

Aposentadorias especiais

Importantes categorias profissionais passam a ter tratamento ainda mais especial em relação aos comuns.

Policiais e professores, por exemplo, já podem se aposentar cinco anos mais cedo que a maioria da população pelas regras atuais. Eles têm lá suas razões. De toda forma, essa vantagem, que desaparecia no texto original, será mantida – e com novidades.

Para professores, a idade mínima será de 60 anos. Os policiais federais e civis e os agentes penitenciários, por sua vez, conseguiram um regime especial dentro do especial: poderão se aposentar aos 55, até dez anos antes que os profissionais não especiais e cinco anos mais cedo que professores.

É muito provável que a idade mínima de 55 anos seja estendida a policiais militares, bombeiros e Forças Armadas, que terão regras debatidas só após a eventual aprovação da PEC 287.

Há outro detalhe. O relator propôs idades mínimas diferentes para homens e mulheres na regra geral e também para agricultores familiares – no campo, as trabalhadoras poderão se aposentar aos 57 e os trabalhadores, aos 60. Mas não há diferenciação por gênero no caso de policiais e professores. Com que argumento?

Mais pobres

O que sobra é que a regra que mais prejudica os trabalhadores pobres continua em pé. O relator manteve o tempo mínimo de contribuição à Previdência em 25 anos, dez a mais do que exige a lei atual. É algo difícil de alcançar por quem passa boa parte da vida na informalidade. Pelo visto, faltou sindicato para defender os mais vulneráveis.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.