i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
contra-ataque

Delação de Funaro foi “encomenda remunerada” de Janot, diz Moreira Franco

Ministro da Secretaria-Geral da Presidência disse que ex-procurador-geral estava empenhado em derrubar Michel Temer

    • Folhapress
    • 15/10/2017 16:26
     | Valter Campanato/Agência Brasil
    | Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

    Citado na delação do operador financeiro Lúcio Funaro, o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) foi às redes sociais neste domingo para desqualificar tanto o depoimento como Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República. Moreira é alvo da denúncia que tramita na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara por organização criminosa junto com o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) e o presidente Michel Temer, apontado também como tendo praticado obstrução de Justiça.

    O ministro diz que a delação de Funaro foi uma “encomenda remunerada” feita por Janot, que já havia denunciado Temer por corrupção passiva. A primeira denúncia baseou-se na delação de executivos do grupo J&F, como Joesley Batista. “Como o objetivo da dupla Joesley e Janot era derrubar @MichelTemer, após a derrota na 1.ª denúncia, só um fato novo justifica a segunda flecha”, tuitou Moreira. “Flechada que muito antes foi anunciada pelo PGR. Como faltava-lhe bambu, ocorreria a encomenda remunerada da delação de Funaro”, completou o ministro, que finalizou: “Seria um delivery de matéria-prima: Janot pedia e Joesley pagava. #Brasil #Justiça #Política.” As menções a “bambu” e “flecha” fazem alusão a uma fala de Janot. Segundo o ex-procurador-geral, “enquanto houver bambu, lá vai flecha”.

    Leia também:Cinco revelações do depoimento de Lúcio Funaro

    As declarações de Funaro, divulgadas em vídeo pelo jornal Folha de S.Paulo na sexta-feira, implicam o grupo denominado “quadrilhão do PMDB da Câmara”, do qual faziam parte o presidente Michel Temer e os ex-deputados Henrique Eduardo Alves, Eliseu Padilha, Moreira Franco e Eduardo Cunha.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.