Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | MARCOS CORREA/PR
| Foto: MARCOS CORREA/PR

Começou o toma lá, dá cá. Como fez na primeira denúncia de Janot, da qual foi alvo, o presidente Michel Temer vai abrir o Palácio do Planalto para ouvir as demandas e pedidos de deputados federais no dia em que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) começa a discutir a segunda acusação do ex-procurador-geral da República. Na agenda desta terça (3), estão marcados encontros com 44 deputados.

Tem de tudo entre esses nomes: bancada ruralista, de Roraima, de Mato Grosso, lideranças de partidos nanicos e até parlamentares que não votaram a favor de Temer na primeira acusação. Estes, talvez, o principal “objeto de desejo” do presidente e de sua turma.

Na relação das audiências desta terça, que começa às 10h e termina às 21h20, três deputados foram a favor de o Supremo Tribunal Federal (STF) prosseguir com a investigação contra Temer: Luiz Carlos Heinze (PP-RS), Luiz Lauro Filho (PSB-SP) e Carlos Andrade (PHS-RR). Dois que estavam ausentes na votação – Sheridan (PSDB-RR) e Ronaldo Carletto (PP-BA) – também vão ver o presidente hoje.

Às 18h40, Temer recebe a bancada ruralista em peso. Esse grupo, que se beneficiou de alívios de multas na primeira votação, quer mais. E deve conseguir. O coordenador da bancada, deputado Nilson Leitão (PSDB-MT) estará à frente do grupo, que levará ainda a deputada Tereza Crisina (PSB-MS), também uma liderança dessa turma e que esteve envolvida na polêmica de levar parlamentares de deu partido para o PMDB, após suposto acordo com o Democratas.

Tem deputado que terá dois encontros com Temer hoje: Alceu Moreira (PMDB-RS), que terá um encontro a portas fechadas, sozinho, com o presidente e estará na comitiva dos ruralistas; e Édio Lopes (PR-RR), que terá um encontro exclusivo com Temer e outro em conjunto com a bancada de Roraima.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]