i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
no 1.º turno

Agência ofereceu disparos de mensagens via Whats à campanha de Alckmin, que não aceitou

A oferta recusada incluía disparos para números de celulares obtidos pela própria empresa, o que seria ilegal, de acordo com a legislação eleitoral

  • PorDa Redação
  • 20/10/2018 19:22
 | Pixabay/
| Foto: Pixabay/

A empresa Croc Services teria oferecido à campanha do ex-presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) um pacote de disparo em massa de mensagens via WhatsApp, segundo matéria publicada neste sábado (20) pelo jornal Folha de São Paulo . A oferta incluiria disparos para números de celulares obtidos pela própria agência, o que é ilegal, de acordo com a legislação eleitoral. A campanha, porém, recusou a proposta, que custaria R$ 8,7 milhões, de acordo com a Folha.

Segundo relata a reportagem, a equipe do ex-candidato tucano comprou, apenas, os disparos para uma lista de telefones de militantes membros do PSDB e de apoiadores que fornecem dados nas redes do candidato, o que é legal. O custo total foi de R$ 495 mil, R$ 0,09 para cada um dos disparos, de acordo com Marcelo Vitorino, coordenador da área digital da campanha de Alckmin, entrevistado pela Folha.

LEIA TAMBÉM: WhatsApp baniu centenas de milhares de usuários para conter irregularidades na eleição

Paulo Freitas, sócio-diretor da Croc, afirmou à Folha não saber que a prática de disparos em massa de mensagens a celulares obtidos pela própria agência feria a legislação eleitoral. De qualquer forma, ele afirmou ter prestado serviço somente a campanha de Romeu Zema (Novo), candidato ao governo de Minas Gerais, e ao próprio Alckmin, em ambos os casos usando a base de dados dos próprios candidatos, o que é permitido pela Justiça Eleitoral.

Na prática, a reportagem da Folha deste sábado confirma a existência de ofertas de disparo de mensagens via WhatsApp, mas não traz o uso irregular por nenhum campanha.

Entenda o caso

Na quinta-feira (18), a Folha denunciou a suposta compra de pacotes de mensagem contra o PT por empresas que estariam apoiando o candidato Jair Bolsonaro (PSL). Contudo, a reportagem citou nominalmente somente uma única companhia, a Havan, de Luciano Hang, e não trouxe nenhuma prova, como cópia do contrato ou do pagamento.

A assessoria jurídica da campanha de Fernando Haddad (PT) entrou com uma ação de investigação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a chapa Jair Bolsonaro/Hamilton Mourão com base na matéria da Folha divulgada quinta. A alegação é abuso de poder econômico e uso indevido dos veículos e meios de comunicação digital com objetivo de causar desequilíbrio nas eleições.

DESEJOS PAR AO BRASIL: Formar cidadãos éticos para um mundo em transformação

Na noite de sexta-feira (19), o ministro Jorge Mussi abriu uma investigação para apurar a suspeita de compra de disparos em massa de mensagens anti-PT. Mussi mandou notificar Bolsonaro e abrir prazo de cinco dias para que ele se manifeste. Além disso, o PDT de Ciro Gomes ingressou com pedido de anulação do primeiro turno da campanha presidencial deste ano.

Já a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu à Polícia Federal a abertura de inquérito para apurar se empresas têm disseminado, de forma estruturada, mensagens em redes sociais contra ou a favor de Haddad e Bolsonaro, os dois candidatos que estão no 2.º turno da eleição presidencial.

Todos os casos ainda estão em investigação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.