i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tiros e morte

Em 2011, massacre de Realengo deixou 12 alunos mortos e chocou o país

Ex-aluno invadiu colégio no Rio de Janeiro e abriu fogo contra os estudantes por cerca de 20 minutos. Violência se assemelha à tragédia que ocorreu nesta sexta em Goiânia

  • PorDa Redação
  • 20/10/2017 15:38
 | Genilson Araujo /
Agência O Globo
| Foto: Genilson Araujo / Agência O Globo

O ataque a tiros ocorrido nesta sexta-feira (20) em uma escola particular de Goiânia (GO), que deixou pelo menos dois alunos mortos, é a mais grave ocorrência do tipo desde o assassinato de 12 estudantes em uma escola de Realengo, no Rio de Janeiro, em 7 de abril de 2011. O caso ficou conhecido como o Massacre de Realengo.

Naquele dia, o desempregado Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, invadiu a Escola Municipal Tasso da Silveira e atirou em 20 meninas e 4 meninos, matando a metade. Ele usou dois revólveres: um calibre 38 e outro calibre 32, e estava com muita munição num cinturão. Ele usava um equipamento chamado de “speedloader”, um dispositivo que ajudava a recarregar as armas rapidamente, de uma vez só.

O tiroteio durou em torno de 20 minutos e só não foi maior porque uma viatura da Polícia Militar que atendia uma ocorrência na região chegou rapidamente à escola. Um policial acertou um tiro no autor dos disparos no momento em que ele se preparava para atirar em mais estudantes. Wellington então se matou com um tiro na cabeça depois de ser atingido.

O atirador era ex-aluno da escola: cursou o ensino fundamental de 1999 a 2002. De acordo com a Secretaria de Educação, era bom estudante e nunca repetiu de ano. Não havia nos registros dele nenhuma ocorrência por mau comportamento na sala de aula.

Wellington era filho adotivo, caçula de cinco irmãos, e tinha perdido os pais poucos anos antes do ataque. Segundo colegas que trabalharam com ele em uma fábrica de salsichas, ele era um jovem de poucas palavras, mesma descrição feita pelos vizinhos da casa onde morava.

As investigações mostraram que o ataque foi premeditado. Wellington planejou o crime meticulosamente e tinha uma estranha predileção por assuntos como terrorismo islâmico e armas de fogo. Ele deixou vídeos gravados em que explicava suas motivações para o ataque, entre elas ter sofrido bullying na infância. Mas, para quem vivenciou o horror do tiroteio, está é uma explicação simples demais para um caso que se assemelhou mais a um surto psicótico.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.