Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Eduardo com o pai Jair Bolsonaro: ambição internacional. | Fabio Rodrigues Pozzebom/Agencia Brasil
Eduardo com o pai Jair Bolsonaro: ambição internacional.| Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agencia Brasil

Deputado federal mais bem votado da história, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ambiciona assumir o papel de uma liderança latino-americana de direita, ultrapassando as fronteiras do Brasil. O deputado federal fez questão de demonstrar seu papel na escolha do futuro chanceler, Ernesto Henrique Araújo.

Ele foi um dos responsáveis por levar ao pai, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), o nome do diplomata, seguindo indicação do autor conservador Olavo de Carvalho.

Eduardo Bolsonaro posicionou-se estrategicamente atrás do pai enquanto ele concedia uma entrevista ao lado de Araújo, nesta quarta-feira (14), em Brasília.

O deputado frequentemente faz postagens em línguas estrangeiras em suas redes sociais e dialoga com políticos de outros países da América Latina, dos Estados Unidos ou da Itália, por exemplo, sempre mostrando proximidade com políticos com quem compartilha a ideologia.

A ideia de Eduardo é manter proximidade com o Itamaraty e lançar-se um político com conhecimento em política externa. Ele esteve recentemente nos EUA, onde se reuniu com o estrategista de Donald Trump, Steve Bannon, que declarou apoio a seu pai.

LEIA MAIS: Governo Bolsonaro terá o Ministério da Cidadania, que pode englobar a atual pasta do Trabalho

E tenta agora nova investida no governo americano, buscando se aproximar do vice-presidente Mike Pence. Ele chegou a anunciar o encontro pelas redes sociais, o que foi negado pelo governo dos Estados Unidos.

A aproximação de Eduardo com Araújo se dá, além do alinhamento ideológico e influência de Carvalho, pelo cargo ocupado pelo diplomata. Na carreira há 29 anos, o embaixador de 51 anos é diretor do Departamento dos Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos.

Além de tentar se manter próximo dos EUA, Eduardo já mantém contato com um grupo venezuelano chamado Rumbo Libertad, que faz oposição ao ditador Nicolás Maduro no país.

No meio do ano, ele tentou organizar a Cúpula Conservadora das Américas. Eduardo teve a iniciativa frustrada e o evento foi adiado para dezembro. A ida de seu pai, o então candidato a presidente, foi cancelada de última hora para evitar problemas jurídicos com o financiamento do evento.

A escolha de Araújo foi a primeira escolha para composição dos ministérios em que a indicação dos filhos do presidente eleito prevaleceu.

VEJA TAMBÉM: Criar superministérios torna o Estado mais eficiente?

Eduardo Bolsonaro estava se mantendo mais à sombra desde que veio a público, durante a campanha, um vídeo em que dizia que para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF) bastava “um cabo e um soldado”. O deputado foi repreendido pelo pai publicamente, que o chamou de “garoto” e disse que “se alguém falou em fechar o STF, precisa de um psiquiatra”.

A indicação para chefia do Itamaraty contou também com a anuência de outro filho do presidente eleito, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). Os irmãos prontamente usaram as redes sociais referendar a escolha.

O núcleo de poder que cerca Bolsonaro é formado por ao menos três campos de forças distintas e que, frequentemente, colidem entre si. O familiar, formado pelos três filhos mais velhos do capitão reformado, até agora não tinha conquistado nenhuma vitória na escolha dos futuros ministros.

O terceiro filho, o senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) também busca influenciar as decisões do pai. Ele, contudo, ficou de fora da escolha de Araújo e já tinha viajado ao Rio de Janeiro quando o nome do próximo chanceler foi anunciado em Brasília.

O núcleo político em torno do presidente eleito é liderado pelo advogado Gustavo Bebianno (ex-presidente do PSL) e conta com o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, com o senador Magno Malta (PR-ES) e com o deputado federal eleito Julian Lemos (PSL-PB).

Há ainda a ala militar ao lado de Bolsonaro, liderada pelo general Augusto Heleno, que comandará o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), composta também pelo vice, o general Hamilton Mourão.

Paralelamente, atua o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, que tem autonomia para escolhas em sua área, mas faz concessões ou negociações com os políticos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]