i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Hospital

Estudante baleada por atirador de Goiânia pode ficar paraplégica

Ela e mais dois sobreviventes do atentado em uma escola particular continuam internados. O quarto adolescente atingido e hospitalizado recebeu alta neste domingo

    • Folhapress
    • 22/10/2017 20:12
     | Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
    | Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

    Uma das alunas que teve dois pulmões perfurados no atentado em uma escola particular em Goiânia corre o risco de ficar paraplégica, segundo a família. “Existe essa possibilidade. Foram três balas, uma delas pegou na coluna, mas a gente está pedindo a Deus, porque não tem nada concluído ainda”, disse a mãe dela, na manhã deste domingo (22).

    Ela conversou, por telefone, com a reportagem, antes de ir visitar a filha, que está internada em uma UTI do Hospital de Urgências de Goiânia e respira com ajuda de aparelhos. “O estado (de saúde) dela é crítico, é grave, mas ela vai sair dessa. Todas as possibilidades existem, mas a gente será confiante em Deus”, afirmou.

    A mãe contou, ainda, que a adolescente já abriu os olhos e reage aos estímulos. “Ela retorna os comandos da gente. Abre o olho e aperta a mão da gente. Falo ‘eu te amo e ela responde que me ama: balança a cabeça”, disse, bastante emocionada.

    A aluna costumava se sentar na quarta fileira a partir da porta da sala de aula da turma do oitavo ano do ensino fundamental da escola particular Goyases, na região leste de Goiânia.

    O atirador, um adolescente de 14 anos, estava no penúltimo lugar da primeira fileira quando sacou a pistola ponto 40. Uma decisão da Justiça determinou a internação dele pelo prazo de 45 dias.

    Outras vítimas

    Outra aluna da sala atingida pelos disparos e que estava na fileira logo atrás de onde sentava o atirador também está internada no hospital. Ela respira com ajuda de aparelhos e já voltou a conversar e se alimenta.

    A terceira sobrevivente, que também foi atingida pelos disparos, está internada no Hospital dos Acidentados, na capital goiana.

    O quarto adolescente a ser atingido e hospitalizado, recebeu alta na manhã deste domingo. Ele está com um projétil alojado em uma das vértebras. Segundo os médicos, a bala não deve causar prejuízos ao garoto no futuro. A mãe conta que os médicos chegaram à conclusão de que seria mais arriscado retirar a bala do que deixá-la onde está.

    De acordo com a mãe do garoto, a bala passou a seis milímetros de uma região na coluna que, se atingida, poderia deixá-lo paraplégico. “Foi um milagre”, disse a mãe.

    À reportagem, o garoto relatou o instantes após ser atingido. “Eu pensei que não voltaria a andar. Quando levei o tiro, caí no chão e minha perna ficou formigando. Não dava conta de me levantar e alguns colegas passaram por cima de mim, no desespero”.

    Outros dois colegas da turma, João Pedro Calembo e João Vitor Gomes, 13 anos, morreram e foram sepultados no último sábado sob forte comoção de familiares, amigos e colegas da escola.

    “O que eu estou fazendo? Cadê o meu pai?”

    Na escola, segundo o conselheiro estadual de educação de Goiás e presidente do Sindicato de Estabelecimentos Particulares de Ensino de Goiânia, Flávio Roberto de Castro, o atirador teria sido acalmado por uma coordenadora de ensino.

    “Foi a coordenadora que conversou com o aluno [atirador] e conseguiu segurar a arma dele [que ficou descarregada após uma sequência de ao menos 11 tiros]”. A polícia nega que a educadora tenha segurado arma.

    Neste momento, segundo Castro, o garoto teria perguntado pelo pai, que é major da Polícia Militar goiana. “O que eu estou fazendo? Cadê o meu pai?”, disse o adolescente.

    Na ficha estudantil individual do atirador, de acordo com o conselheiro, não há qualquer registro de “anormalidade nem reclamação por parte dele ou da família de que era vítima de bullying”.

    Filho de policiais militares, o atirador usou uma arma da corporação para praticar os atos infracionais. Ele é aluno da escola há muitos anos e tem um irmão mais novo que também estuda na unidade de ensino.

    O colégio não tem previsão de quando retomará as aulas.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.