Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Futuro secretário entrega cartão de visitas ao MST: “esse abril vermelho vai acabar”

Assuntos Fundiários

Futuro secretário entrega cartão de visitas ao MST: “esse abril vermelho vai acabar”

Presidente da UDR, Nabhan Garcia foi escolhido por Bolsonaro para ocupar pasta que cuidará da política de reforma agrária. Ele diz que sem terra agem a “reboque do crime”

  • Brasília
  • Evandro Éboli
 | Alessandro Dantas/Fotos Públicas
Alessandro Dantas/Fotos Públicas
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O governo Jair Bolsonaro promete jogar pesado contra as invasões de terra e reavaliar a política de reforma agrária no país. Para isso, o presidente eleito irá criar a Secretaria de Assuntos Fundiários, cujo titular será Nabhan Garcia, presidente da União Democrática Ruralista (UDR).

À Gazeta do Povo, Nabhan disse que a relação do governo com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) mudará: “chega de discutir com os invasores depois da terra ser invadida”. Nabhan criticou as ações do “abril vermelho”, mês em que as invasões de terra são incrementadas, e acusou o MST de atuar de forma criminosa. 

“O MST age a reboque do crime. Não tem sede própria, não tem nenhuma inscrição. Não vai funcionar, no governo Bolsonaro, essa história de pressão e ameaça. E não vai ter essa de abril vermelho também. Vamos agir”, disse Nabhan. 

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro anuncia filósofo colombiano para Ministério da Educação 

O abril vermelho acontece desde a década de 1990. Foi nesse mês que ocorreu o massacre de Eldorado de Carajás, quando 19 trabalhadores rurais foram mortos no Pará em confronto com a polícia.

Nabhan criticou a reforma agrária conduzida até hoje no país, incluída aí a política do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para essa área. Foi na gestão FHC que foi criado o Ministério do Desenvolvimento Agrário. Para ele, os assentamentos hoje são verdadeiras “favelas rurais” e esse ministério sempre agiu de forma ideológica. 

“A reforma agrária até agora sempre esteve ligada à questão ideológica. Foi desastrosa até agora. Os assentamentos viraram verdadeiras favelas rurais. Não se pode generalizar, eu sei. Mas é preciso reavaliar o programa. Tem lote que hoje já está na mão de um quinto proprietário. E não pode. É proibido vender terra destinada à reforma agrária”. 

LEIA TAMBÉM: MPT pede multa de R$ 100 milhões para Havan e Luciano Hang por coação de funcionários

O presidente da UDR disse que suas terras já foram alvo de invasões do MST e relatou a experiência. “Uma invasão de terra é um terror. Quem já viveu uma experiência dessa, como eu, sabe que cria um trauma na gente. É como você ter sua casa invadida. Isso não é movimento social. Por isso, é preciso leis mais fortes contra invasões. É ato criminoso sim. É preciso aumentar essas penas”. 

Ex-ministeriável

O futuro secretários de Assuntos Fundiários desejava, na verdade, ser ministro da Agricultura. Ele trabalhou para isso e esteve próximo de Bolsonaro desde o início da campanha. A indicação da deputada Tereza Cristina para comandar a pasta gerou críticas de Nabhan, que a acusou de apoiar Bolsonaro depois que seu candidato, o tucano Geraldo Alckmin (PSDB), estava fora do páreo. 

Cristina procurou o ainda candidato Bolsonaro uma semana antes do primeiro turno. A secretaria de Nabhan estará ligada à pasta da deputada, mas ele garantiu que terá status de ministério. 

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE