i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
PROPOSTA

Líder da Bancada da Bala quer dividir ministério de Sergio Moro

Deputado Capitão Augusto (PR-SP) propõe separar o Ministério da Justiça e o Ministério da Segurança Pública

  • PorKelli Kadanus
  • Brasília
  • 11/02/2019 14:05
 | Valter Campanato    /    Agência Brasil
| Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O presidente da Frente Parlamentar de Segurança - a bancada da bala -, deputado federal Capitão Augusto (PR-SP) vai se reunir nesta terça-feira (12) com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para tratar de uma possível divisão do ministério. O deputado propõe que sejam separadas as atribuições de Justiça das de Segurança Pública. Com isso, Moro ficaria à frente do combate à corrupção e ao crime organizado, enquanto um novo ministério seria responsável por questões diretamente ligadas à segurança, como repressão à criminalidade.

 Na última sexta-feira (08), Capitão Augusto apresentou uma emenda para mudar a medida provisória que define a nova estrutura da Esplanada dos Ministérios. O Ministério da Segurança Pública foi criado pelo presidente Michel Temer (MDB) a partir de uma reivindicação da bancada da bala. Ao assumir o governo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) unificou as pastas de Justiça e Segurança - o novo ministério é comandado por Moro. 

 “Nós da frente parlamentar, boa parte da base que são os reeleitos, lutamos muito para a criação do Ministério da Segurança. Nós acreditamos realmente que tem que ser tratado de uma forma diferente o pessoal que está trabalhando diretamente com o policiamento ostensivo, preventivo e a repressão imediata”, defende o deputado federal. 

LEIA MAIS: Conheça os lobbies mais poderosos do Brasil 

A proposta de Augusto é que a Polícia Federal (PF) continue sob o guarda chuva do Ministério da Justiça. Já a pasta de Segurança Pública seria responsável pela integração com as instituições que estão ligadas diretamente à prevenção e apuração de crimes, englobando polícias Civil e Militar, agentes penitenciários, Polícia Técnico Científica e Guardas Municipais. 

“A questão é que [o Ministério da Justiça e Segurança Pública] fica grande demais. Não sei se vai ter uma estrutura para comportar duas frentes tão grandes quanto essas. São duas frentes enormes, então eu acho que seria melhor dividir”, diz o deputado. 

O líder da bancada da bala tem uma reunião com Moro nesta terça-feira (12), às 13h30. Augusto afirma que vai conversar com o ministro sobre a divisão da pasta, mas pode ser convencido a mudar de ideia. “A gente vai sair dali com certeza acordados, ou pela criação ou pela manutenção da forma como está”, garante o parlamentar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.