i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
PREVIDÊNCIA

No INSS, quase 70% se aposentaram antes das idades mínimas exigidas na reforma

Mais de 11 milhões de aposentados pelo INSS conseguiram o benefício antes das idades mínimas de aposentadoria que o governo pretende implantar – 65 anos para homens e 62 para mulheres

  • PorFernando Jasper
  • 15/02/2019 16:39
 | André Rodrigues/Gazeta do Povo
| Foto: André Rodrigues/Gazeta do Povo

Quase 70% dos aposentados pelo INSS conquistaram o benefício antes da idades mínimas que o governo de Jair Bolsonaro pretende exigir na reforma da Previdência. A proposta que será enviada ao Congresso na próxima semana prevê que, após um período de transição de 12 anos, os homens poderão se aposentar somente a partir dos 65 anos e as mulheres, dos 62 anos em diante.

No INSS, de um total de 8 milhões de aposentados do sexo masculino, pouco mais de 6,3 milhões – 79% do total – se aposentaram antes de completar 65 anos. Entre 8,5 milhões de aposentadas, pouco menos de 5 milhões – ou 59% – passaram a receber o benefício antes dos 60 anos.

LEIA AINDA: Bolsonaro dá sinal verde para reforma dura na Previdência. Mas faltam 10 pontos importantes

Ao todo, 11,3 milhões de brasileiros de ambos os sexos, ou 69% de um universo de 16,5 milhões de aposentados, se aposentaram antes do que será exigido caso a reforma seja aprovada. Os dados, publicados no mais recente Anuário Estatístico da Previdência Social, são de dezembro de 2017 e não incluem as aposentadorias por invalidez (3,2 milhões ao todo), que são concedidas independentemente da idade do segurado – e assim devem continuar após a reforma.

Os brasileiros que se aposentam mais tarde pelas regras atuais são, em geral, mais pobres e menos escolarizados. Por passarem a maior parte da vida na informalidade ou no desemprego, eles têm dificuldade em se aposentar por tempo de contribuição – modalidade que não exige idade mínima e permite a aposentadoria a mulheres e homens que contribuíram à Previdência por pelo menos 30 e 35 anos, respectivamente.

LEIA TAMBÉM:Três caminhos para a aposentadoria: como deve ser a transição na nova Previdência

A quem não somou todo esse tempo resta a aposentadoria por idade, concedida aos trabalhadores urbanos a partir dos 60 anos (mulheres) ou 65 anos (homens). Nesse caso, a exigência é de 15 anos de contribuição. Quem trabalha no campo pode se aposentar mais cedo, aos 55 e 60 anos, respectivamente, desde que comprove 15 anos de atividade rural.

Na soma de trabalhadores rurais e da cidade, 21% dos homens que recebem o benefício do INSS se aposentaram a partir dos 65 anos e 41% das mulheres, a partir dos 60. Em números absolutos, são 1,6 milhão e 3,5 milhões de pessoas, respectivamente.

Quem se aposenta mais tarde ganha menos

No modelo atual, quem se aposenta mais tarde também costuma ganhar menos. Dentre os urbanos, os aposentados por idade recebem em média R$ 1.143 por mês, conforme dados de dezembro de 2018. Enquanto isso, os que se aposentaram por tempo de contribuição – algo que as mulheres conseguem aos 52 anos de idade e os homens, aos 55 anos, em média – têm benefício médio de R$ 1.988. No campo, os valores são de R$ 854 e R$ 1.073, respectivamente.

LEIA TAMBÉM: A insustentável previdência militar – contribuições cobrem apenas 14% das pensões

Ao introduzir uma idade mínima de aposentadoria, portanto, a reforma tende a afetar mais as classes média e alta, que hoje se aposentam mais cedo.

Embora possam ingressar mais cedo no mercado de trabalho, muitos trabalhadores de renda mais baixa já se aposentam mais tarde, em idades próximas às que o governo pretende exigir. Eles podem ser prejudicados, no entanto, caso o governo eleve o tempo mínimo de contribuição da aposentadoria por idade. Em sua tentativa de reformar a Previdência, o governo Temer tentou elevar a exigência de 15 para 25 anos, mas, na negociação com o Congresso, acabou desistindo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.