i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
supremo

Novo recurso de Lula fica com Alexandre de Moraes; defesa quer outro ministro

Advogados do ex-presidente argumentam que um ministro da Segunda Turma do STF é quem tem de julgar a reclamação do petista contra decisão de Fachin de enviar seu pedido de liberdade ao plenário. Moraes é da Primeira Turma, que seria menos favorável aos réus

    • São Paulo
    • Estadão Conteúdo
    • 29/06/2018 15:09
    Alexandre de Moraes é ligado ao PSDB e integrou o governo Temer antes de entrar no STF. | Victoria Silva/AFP
    Alexandre de Moraes é ligado ao PSDB e integrou o governo Temer antes de entrar no STF.| Foto: Victoria Silva/AFP

    A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira (29), que sua reclamação deve ser julgada pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Alexandre de Moraes foi definido como relator do recurso apresentado pelo petista na quinta-feira (28) contra decisão do ministro Edson Fachin, que enviou um pedido de liberdade do ex-presidente para ser julgado pelo plenário, e não pela Segunda Turma, como queriam os advogados. Alexandre de Moraes não faz parte da Segunda Turma – que tem sido mais favorável aos réus envolvidos em casos de corrupção do que a Primeira e do que o plenário do Supremo.

    “A reclamação deve ser julgada dentro do órgão que teve a sua competência usurpada, que no caso é a Segunda Turma. A lei não deixa qualquer dúvida sobre esse critério de distribuição (CPC, art. 988, parágrafo único). Já pedimos a correção ao ministro Alexandre de Moraes para que novo relator seja sorteado dentro da Segunda Turma e possa apreciar o pedido de liminar com a brevidade que o caso requer”, afirma o advogado Cristiano Zanin Martins.

    LEIA TAMBÉM: Indignado com Fachin, Lula diz que seu caso no STF é “jogo de cartas marcadas”

    Por que tanta insistência da defesa de Lula para ser julgado pela Segunda Turma?

    Alexandre de Moraes é integrante da Primeira Turma do STF, e, em abril, votou para negar o habeas corpus de Lula no plenário do Supremo. Além disso, ele é ligado ao PSDB e integrou o governo Temer como ministro da Justiça.

    A defesa do ex-presidente tenta a todo custo que o caso seja julgado na Segunda Turma. Na terça-feira (26), a Segunda Turma analisou as reclamações do ex-ministro José Dirceu e do ex-assessor do PP João Genu e suspendeu a execução de pena de ambos – situação que a defesa de Lula esperava ver repetida no caso do ex-presidente.

    SAIBA MAIS: Cármen Lúcia deixa pedido de liberdade de Lula fora da pauta do STF

    A iniciativa para conceder liberdade provisória a Dirceu foi do relator do caso, Dias Toffoli, acompanhado por Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski. Ficou vencido o ministro relator da Lava Jato, Edson Fachin. O decano Celso de Mello não estava presente na sessão.

    Alegando problemas na dosimetria da pena do ex-ministro, Toffoli votou para rejeitar a reclamação, mas conceder uma habeas corpus “de ofício” para o ex-ministro, ou seja, libertar o petista através de um habeas corpus que nem havia sido requisitado pela defesa.

    FIQUE POR DENTRO: Lula preso em casa ou em lugar nenhum? Estratégia racha defesa do petista

    Na ocasião, Fachin afirmou que não via motivos para conceder liberdade ao ex-ministro, e que o plenário do Supremo não aceita que uma Reclamação (classe de processo apresentada por Dirceu) seja recebida com finalidade de habeas corpus.

    Lula está preso desde 7 de abril em Curitiba, base da Operação Lava Jato. O ex-presidente cumpre pena de 12 anos e um mês por corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex do Guarujá (SP).

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.