i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
APOSENTADORIA

O que não vai mudar na Previdência

O governo desistiu de alterar as regras para trabalhadores rurais e o amparo social a idosos e pessoas com deficiência

  • PorFernando Jasper
  • 23/11/2017 08:52
 | Aliocha Mauricio/SEDS
| Foto: Aliocha Mauricio/SEDS

Na tentativa de convencer deputados a aprovar a reforma da Previdência, o governo suavizou as mudanças na legislação. Em dois casos, desistiu completamente de mexer na lei.

Na versão original da reforma, o governo dificultava a aposentadoria dos agricultores familiares e tornava mais rígidas as regras de concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC), um amparo social pago a pessoas de baixa renda idosas ou com deficiência.

Essas alterações foram excluídas da versão enxuta da reforma, apresentada nesta quarta-feira (22).

Ou seja, nada muda para o BPC e os trabalhadores rurais. Serão mantidas as regras atuais:

AGRICULTORES FAMILIARES

Aposentadoria por idade aos 55 anos (mulheres) e 60 anos (homens), com mínimo de 15 anos de contribuição. A contribuição à Previdência equivale a 2,1% do valor da produção da família.

O que o governo desistiu de fazer: A reforma aprovada numa comissão especial da Câmara dos Deputados em maio mantinha a aposentadoria dos homens aos 60 anos e elevava a idade mínima das mulheres para 57. E cada segurado, após uma regulamentação em lei, passaria a contribuir à Previdência com até 5% do salário mínimo. Essas mudanças foram suprimidas na “nova reforma”.

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA (BPC)

Paga um salário mínimo mensal a pessoas deficientes (de qualquer idade) e idosos com 65 anos ou mais de famílias com renda familiar per capita de até 25% do salário mínimo.

O que o governo desistiu de fazer: A versão da reforma aprovada em comissão da Câmara elevava – após um período de transição – de 65 para 68 anos a idade mínima necessária para que um idoso recebesse o benefício. Isso não vai mais acontecer.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.