231107

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Pai e madrasta são condenados pelo assassinato de Bernardo

Justiça

Pai e madrasta são condenados pelo assassinato de Bernardo

Maioria dos jurados considerou Leandro Boldrini e Graciele Ugulini culpados. Outros dois réus também foram sentenciados. Juíza destacou humilhações sofridas pelo garoto

  • Folhapress e Estadão Conteúdo
De camiseta branca, o pai de Bernardo, Leandro Boldrini, no último dia do julgamento no Fórum de Três Passos (RS). | Divulgação/Tribunal de Justiça do RS
De camiseta branca, o pai de Bernardo, Leandro Boldrini, no último dia do julgamento no Fórum de Três Passos (RS). Divulgação/Tribunal de Justiça do RS
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Após cinco anos do assassinato do menino Bernardo, morto aos 11 anos, quatro pessoas foram condenadas pelo crime. O julgamento durou cinco dias no Fórum de Três Passos, no interior do Rio Grande do Sul, cidade onde o garoto era conhecido por perambular com roupas velhas, com fome e passando dias fora de casa sem que fosse procurado.

Foram condenadoso pai do garoto, o médico Leandro Boldrini, e a madrasta, a enfermeira Graciele Ugulini. Também foram considerados culpados uma amiga de Graciele, Edelvânia Wirganovicz, e o irmão dela, Evandro Wirganovicz, que teriam participado do crime. A juíza Sucilene Engler leu a sentença decidida pelos sete jurados às 19h de sexta-feira (15).

LEIA TAMBÉM: Policiais acusados de matar Marielle Franco viram réus por homicídio

Graciele foi condenada a 34 anos e 7 meses de reclusão em regime fechado por homicídio e ocultação de cadáver. Boldrini teve pena fixada em 33 anos e 8 meses também pelos dois crimes, além de ser condenado por falsidade ideológica.

Edelvânia Wirganovicz foi condenada a 23 anos de reclusão. Já Evandro recebeu pena de 9 anos e 6 meses e é o único que poderá iniciar o cumprimento da sentença em regime semiaberto. Nenhum dos presos poderá recorrer em liberdade

Durante o júri, o MP leu trechos de depoimentos sobre Bernardo ser dopado pelo pai sem necessidade e sobre apanhar “de cinta” da madrasta. Ele não contava sobre a violência para pessoas próximas e chegou a ir sozinho ao Fórum para pedir por uma nova família. 

Os promotores Bruno Bonamente, Ederson Vieira e Sílvia Jappe também reproduziram áudios em que Bernardo grita por socorro, é provocado pelo pai e a madrasta chama sua mãe de “vagabunda”. 

Odilaine Uglione, mãe de Bernardo, foi encontrada morta no consultório de Boldrini em 2010. A avó do menino morreu em 2017 e desconfiava que a morte de Odilaine não havia sido por suicídio. Uma testemunha que acompanhou o médico até o enterro de Odilaine disse que Boldrini se referiu à mulher como “presunto”. 

LEIA TAMBÉM: Jovem apontado como 3.º suspeito de massacre em Suzano se apresenta à polícia

A defesa de Leandro alegou que ele é inocente e que não sabia do crime. O pai reclamou da personalidade do filho. A madrasta, por sua vez, disse que o menino morreu por ingerir remédios sozinho. Edelvânia disse que foi pressionada a ajudar a amiga e isentou o irmão de qualquer participação no crime. 

No primeiro dia do julgamento, duas delegadas relataram ligações telefônicas interceptadas que mostravam que a estratégia das defesas seria inocentar Leandro para que ele pagasse os custos do processo dos demais. 

No total, 14 testemunhas foram ouvidas. A principal foi Juçara Petry, moradora da cidade que mais acolheu Bernardo. Ele chegou a passar 15 dias na sua casa sem que o pai entrasse em contato com ela.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>