140951

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Parlamentares divergem sobre reforma da Previdência. Pesquisa aponta como eles devem votar

pesquisa btg/fsb

Parlamentares divergem sobre reforma da Previdência. Pesquisa aponta como eles devem votar

Deputados e senadores ainda divergem sobre vários aspectos da proposta, apesar de favoráveis à reforma. Único consenso é sobre a inclusão de militares

  • Brasília
  • Jéssica Sant’Ana
 | Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Os deputados e senadores, em sua grande maioria, apoiam a reforma da Previdência, mas ainda divergem sobre vários aspectos que devem constar na proposta, como tempo de transição, mudanças no Benefício da Prestação Continuada (BPC) e criação do regime de capitalização. O que se sabe é que eles são contra idade mínima igual para homens e mulheres e regras iguais para trabalhares urbanos e rurais. Por outro lado, são favoráveis à inclusão dos militares do texto que será enviado pelo governo ao Congresso.

É isso o que mostra pesquisa* encomendada pelo BTG Pactual e feita pelo Instituo FSB de 4 a 8 de fevereiro. Segundo o levantamento, 89% dos senadores e 82% dos deputados são favoráveis à reforma da Previdência.

Entre os dez maiores partidos do Congresso, os que mais apoiam o principal projeto do governo são o PP e o PSDB, com adesão de 100% dos parlamentares. Depois, aparecem MDB, PSD, DEM, PR e PSL, com percentuais acima de 90%. O grande partido com menor índice é o PT, com apoio de só 37% dos integrantes. PDT e PSB aparecem com, respectivamente, 71% e 69%. 

LEIA TAMBÉM:  Parlamentares vão apresentar contraproposta à reforma da Previdência

Os parlamentares também entendem, em sua grande maioria, que a pauta deve ser tratada como prioridade. Isso foi apontado por 85% dos senadores e 72% dos deputados. A expectativa do governo é encaminhar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Previdência ao Congresso na próxima semana e conseguir a aprovação, nas duas Casas, até julho. 

Para isso, será necessário o apoio de 308 dos 513 deputados e de 49 dos 81 senadores. Ou seja, 60% dos parlamentares.

Aspectos da reforma que os parlamentares são contra 

Sobre os termos da proposta, os parlamentares começam a mostrar algumas divergências em relação ao que a equipe econômica do governo vem defendendo. Eles são, por exemplo, na grande maioria, favoráveis à aprovação de idade mínima (93% dos senadores e 69% dos deputados), mas contra idades iguais para homens e mulheres. 85% dos senadores e 71% dos deputados querem idades diferentes.

SAIBA MAIS: Lobby antirreforma da Previdência move “guerrilha” e ocupa espaço em Brasília

Eles também são, na maior parte, contra igualdade de regras previdenciárias para trabalhadores rurais e urbanos. Entre os deputados, 72% se mostraram contra a ideia. Já entre os senadores, 67%. 

E o que divide os parlamentares 

Outros aspectos, porém, dividem os deputados. Isso demonstra que o governo terá uma série de desafios durante a tramitação da proposta. Sobre a possibilidade ventilada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro (PSL) de idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres, e proposta pelo governo Temer, não há consenso entre os congressistas. 

Na Câmara, 44% são contra, 37% favoráveis, 7% nem a favor, nem contra e 12% não souberam ou não responderam. No Senado, 48% são a favor, 30% contra, 11% ficam em cima do muro e 11% não responderam. 

No caso do tempo de transição, a divisão continua. Os parlamentares foram questionados se eram a favor de regras de transição mais curtas, por exemplo, de 10 anos de transição e com idade mínima menor para aposentadoria. Ou um período mais longo, de 20 anos e com idade mínima maior. 

No Senado, 48% votaram a favor do período mais curto, 22% mais longo e o restante não soube ou não respondeu. Na Câmara, foi ainda mais apertado: 38% pela transição mais curta, 34% mais longa e 28% não souberam ou não responderam. Os partidos mais favoráveis à transição curta são o DEM, PP e PSD, com, respectivamente, 73%, 63% e 58% de apoio. 

/ra/pequena/Pub/GP/p5/2019/02/11/Republica/Imagens/Cortadas/inss previdência - edit-15-k0LB-ID000002-1024x683@GP-Web.jpg
André Rodrigues/Gazeta do Povo

Os congressistas foram questionados, ainda, sobre mudanças na regra do BCP, o benefício de um salário mínimo pago a quem pouco ou nunca contribuiu para a Previdência e demonstra estar em condição de pobreza: 41% dos senadores se mostraram a favor, 37% contra, 19% não souberam ou não responderam e 4% ficaram em cima do muro. Entre os deputados, 36% são contra, 26% a favor, 30% não sabem e o restante é nem contra, nem a favor. 

Outra pergunta foi sobre o regime de capitalização, onde cada trabalhador contribui para sua conta individual de aposentadoria: 48% dos deputados e senadores são a favor da medida, percentual ainda insuficiente para aprovação (mínimo, 60%). Além disso, 28% dos deputados e 19% dos senadores são contra e 7% dos parlamentares ficaram em cima do muro. O restante não soube responder. 

O ponto de consenso: os militares 

O ponto de consenso é a aposentadoria dos militares. A grande maioria dos deputados (85%) e senadores (78%) defendem a inclusão da categoria na proposta de reforma da Previdência que será enviada ao Congresso.

Os únicos partidos, entre as dez grandes siglas, que mostram um pouco mais de resistência são o PDT, de oposição, e o PSL, que reúne militares e policiais. Tanto no PDT quando no PSL, só 64% apoiam a ideia.

Metodologia

*A pesquisa foi feita pelo Instituto FSB e encomendada pelo BTG Pactual. Foram ouvidos 235 deputados federais e 27 senadores, em uma amostra controlada e ponderada conforme a distribuição por partido das cadeiras do Congresso Nacional para representar a totalidade de parlamentares (513 deputados e 81 senadores).

As entrevistas foram realizadas por telefone ou pessoalmente e com os próprios parlamentares. Respostas de assessores não foram aceitas. A pesquisa foi feita entre os dia 4 e 8 de fevereiro, após a posse dos parlamentares, e divulgada nesta segunda-feira (11). 

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE