012515

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Polícia Federal deflagra 2ª fase da operação Carne Fraca

investigação

Polícia Federal deflagra 2ª fase da operação Carne Fraca

Alvo é o ex-superintendente regional do Ministério da Agricultura em Goiás

  • Kelli Kadanus
 | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (31) a segunda fase da Operação Carne Fraca, que investiga irregularidades no Ministério da Agricultura. Segundo a PF, o alvo da operação, batizada de Antídoto, é o ex-superintendente regional do Ministério da Agricultura de Goiás, Francisco Carlos de Assis. Foram cumpridos três mandados de busca e apreensão e um de prisão preventiva.

De acordo com as investigações, Assis foi flagrado em interceptações telefônicas destruindo provas. Ele já é réu por ter participado de esquema de corrupção para impedir a interdição do funcionamento de uma empresa em Goiás, em virtude de fiscalização lá ocorrida.

Assis foi preso em Goiás e deve ser encaminhado à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde correm as investigações. Ele será investigado pelo crime de obstrução à Justiça, além dos crimes investigados na Operação.

Segundo a PF, O nome da operação – Antídoto - é uma referência a uma ação policial colocada em prática com o objetivo de fazer cessar a ação criminosa do investigado e preservar eventuais novas provas.

A primeira fase da Operação Carne Fraca foi deflagrada no dia 17 de março desse ano, pela PF em Curitiba. Foram cumpridos 309 mandados judiciais em seis estados e no Distrito Federal. A investigação diz respeito ao suposto envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos.

Atualmente, 24 pessoas continuam presas na operação e 59 respondem a processos na Justiça Federal, em Curitiba.

Entre os citados na primeira fase da operação está o ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio (PMDB-PR). Em uma ligação grampeada pela PF, Serraglio chamou de “grande chefe” um dos líderes do esquema.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>