Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | NELSON ALMEIDA/AFP
| Foto: NELSON ALMEIDA/AFP

A posse do presidente Jair Bolsonaro (PSL) atraiu nesta terça-feira (01) 115 mil pessoas para a Esplanada dos Ministérios em Brasília, segundo a estimativa do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Apesar de ser abaixo da estimativa inicial, o número é maior do que o público que acompanhou as posses dos ex-presidentes petistas Lula e Dilma Rousseff somados. 

O Palácio do Planalto estimava a participação de 200 mil pessoas na cerimônia de posse de Bolsonaro e previsões mais otimistas citavam até a possibilidade de público de meio milhão de pessoas. A última posse de Dilma contou com 40 mil pessoas. Já em 2003, na primeira posse do ex-presidente Lula, 71 mil pessoas estiveram presentes nos arredores do Palácio do Planalto. 

LEIA MAIS: Em discurso conservador, Bolsonaro promete libertar o Brasil do socialismo

Durante a manhã desta terça-feira, o tempo não ajudou muito e choveu na região da Esplanada dos Ministérios. À tarde, apesar das nuvens carregadas, o clima melhorou gradativamente e o sol saiu durante a cerimônia de posse de Bolsonaro. 

A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal não divulgou nenhuma estimativa de público durante o dia. Segundo o governo distrital, números só seriam anunciados após o fim da cerimônia na região central de Brasília.

Saídas fechadas e falta de água revoltam público 

As pessoas que se concentraram na Esplanada para assistir à cerimônia ficaram presas no gramado por mais de uma hora. A segurança fechou as saídas até que Bolsonaro chegasse ao Itamaraty. Grande parte do público estava na Esplanada desde esta manhã. O sol foi forte e os banheiros ficaram praticamente inutilizáveis ao fim do dia.

Os copos usados para distribuição de águas acabaram antes da liberação do público –não havia vendedores ambulantes no local.

VEJA TAMBÉM: Michelle Bolsonaro discursa em libras durante posse: ‘brasileiro quer paz’

As equipes de saúde atenderam várias pessoas passando mal por causa do forte calor. Policiais tiveram que fazer um cordão humano em torno da barraca de atendimento médico para evitar que o público invadisse o local.

Vários dos presentes se revoltaram com a situação e afirmam que seu direito de ir e vir foi cerceado. Até as saídas serem abertas, muitos gritaram “abre, abre”.

“Bolsonaro chegou e já prendeu todo mundo. Ninguém pode sair”, ironizou um dos apoiadores.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]