Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Ricardo Botelho/Brazil Photo Press/Folhapress
| Foto: Ricardo Botelho/Brazil Photo Press/Folhapress

O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), fez aceno ao Movimento Brasil Livre (MBL) nesta quarta-feira (23), após manifestações de setores do partido contrárias à aproximação do movimento com parlamentares tucanos, de olho em 2018.

O senador enviou uma mensagem de áudio para os coordenadores do movimento, afirmando que vê com satisfação a aproximação do grupo com o partido. Ele afirma, segundo a reportagem apurou, estar de “braços abertos” para o MBL. Tasso também diz que o partido está passando por mudanças e estimula o diálogo com o movimento.

“Ver esse tipo de abertura mostra um amadurecimento de um setor do PSDB”, afirma o coordenador do MBL Renan Santos. “Esses novos atores do PSDB têm algo a falar, porque a classe política no geral está desconectada das ruas.”

Os “cabeças pretas”, uma ala jovem do PSDB na Câmara, e o MBL têm intensificado o diálogo com o avanço do calendário pré-eleitoral. Um grupo de deputados tucanos, ligados a Tasso, quer formar aliança com o movimento, dentro ou fora do PSDB.

Mas, com a permanência do senador cearense no comando do partido, eles afirmam que a possibilidade de saída do PSDB tornou-se mais remota, mas não está excluída caso os planos da ala governista, encabeçadas pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), de retomar o controle se concretizem.

O Movimento Brasil Livre (MBL) é um movimento político brasileiro que defende o liberalismo e o republicanismo, ativo desde 2014. Teve participação ativa nos movimentos de rua que pressionaram opelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

O MBL, que elegeu sete vereadores nas eleições de 2016, busca uma legenda que abrigue seus candidatos a deputado federal. O principal deles será Kim Kataguiri, um dos coordenadores e principal figura midiática do movimento, mas o grupo já afirmou que deverá lançar ao menos 15 candidaturas.

A presença no grupo dos “cabeças pretas” de deputados do Nordeste é vista como uma forma de ajudar a nacionalizar o MBL, mais forte hoje no Sul e no Sudeste.

Já a ala jovem do tucanato tem ganhado notoriedade por ter capitanear no partido o movimento pró-desembarque do governo Temer e agora está de olho na força do MBL nas redes sociais. Hoje, no Facebook, a página oficial do movimento tem 2,3 milhões de curtidas. A do partido, 1,3 milhão.

Além dos “cabeças pretas”, formam o núcleo de parlamentares envolvidos nas conversas outros oito deputados. Desses, a maioria faz parte dos 21 tucanos que votaram pela admissibilidade da denúncia contra Temer.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]