i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
ato contra STF

Protesto em frente à casa de Fachin tem teatro com togas, máscaras e champanhe

Manifestantes fizeram encenação em que políticos e ministros do STF brindavam a impunidade. População foi retratada com máscaras de palhaço

  • Tabata Viapiana, especial para a Gazeta do Povo
  • 07/07/2017 21:21
 | Daniel Caron/Gazeta do Povo
| Foto: Daniel Caron/Gazeta do Povo

Grupos de apoio à Lava Jato, como o “Vem pra rua, Curitiba”, o “Lava Togas” e o “Curitiba contra a corrupção”, realizaram um protesto nesta sexta-feira (7) em frente à casa do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, em Curitiba. Cerca de 50 pessoas participaram do ato, que se transformou em peça teatral. Os manifestantes se dividiram em dois grupos. O primeiro vestiu togas pretas e máscaras dos onze ministros do STF, do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e de políticos investigados na Lava Jato, como o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff.

SLIDE-SHOW: veja mais imagens do protesto

O segundo grupo usava máscaras de palhaços para representar a população brasileira, segundo os organizadores. Durante a encenação, os ministros e os políticos abriram uma garrafa de champanhe e brindaram em frente aos representantes da sociedade. “É para simbolizar a festa dos poderosos em cima da população”, explicou uma manifestante, que estava com a máscara da ex-presidente Dilma.

Havia também fotos dos mesmos ministros e políticos espalhadas ao lado de vários cocôs de plástico. Os mesmos cocôs foram arremessados na direção da população ao final da encenação. Bandeiras do Brasil e cartazes de apoio à Lava Jato e com críticas ao STF foram espalhados na fachada do prédio de Fachin. As mensagens mais comuns eram: “a Lava Jato prende e o STF solta”, “gratidão eterna à Lava Jato”, e “a Lava Jato é o maior patrimônio do Brasil”.

Algumas velas foram colocadas em árvores “para iluminar o pensamento das nossas autoridades”, explicaram os organizadores. O grupo também gritou palavras de ordem, como “justiça já”, “viva Sergio Moro”, “Fachin petista” e “lugar de ladrão é na cadeia”. Um módulo móvel da Polícia Militar estava no local, mas não houve incidentes.

O objetivo do ato não era protestar contra Fachin, mas contra todo o poder Judiciário, segundo Narli Rezende, representante do ‘Curitiba contra a corrupção’. “O STF soltou o ex-deputado Rocha Loures com excesso de provas; o STF soltou a irmã e o primo do senador Aécio Neves com excesso de provas; o próprio Aécio está lá no Senado, quando deveria estar na cadeia, por excesso de provas”, disse Narli.

“As decisões recentes do Supremo nos deixam indignados e com sentimento muito grande de impunidade”, completou Célio Cordeiro, integrante do Acampamento da Lava Jato. Os manifestantes cobravam, a todo instante, a prisão de políticos citados em delações da Lava Jato. “Se a lei é igual para todos, por que os poderosos estão soltos? Enquanto isso, um pai de família desesperado que rouba um quilo de feijão vai passar anos na cadeia. Nós queremos que a injustiça dê lugar à justiça”, completou Narli.

Não há informações se Fachin estava em casa no momento do protesto. A assessoria do ministro informou que não ia se pronunciar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.