i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
economia brasileira

Quatro indicadores comprovam: estamos ficando mais pobres

A economia que patina tem um efeito perverso em toda a população: estamos ficando mais pobres

  • PorFernanda Trisotto
  • 19/01/2019 15:48
 | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

O Brasil sobreviveu à pior recessão da história, mas os efeitos dessa crise econômica ainda serão sentidos nos próximos anos. Relatório da Instituição Fiscal Independente (IFI), ligada ao Senado, mostra que apesar de o Brasil registrar crescimento do PIB nos últimos sete trimestres – entre março de 2017 e setembro de 2018 –, isso ainda não foi suficiente para que a economia do país atingisse o mesmo patamar de antes da crise.

A economia que patina tem um efeito perverso em toda a população: estamos ficando mais pobres. O problema maior é que as pessoas extremamente pobres estão ficando ainda mais pobres e, portanto, socialmente mais vulneráveis.

Veja quatro indicadores que mostram como estamos ficando mais pobres

Número de pobres e extremamente pobres aumentou

Em 2017, ao menos 54,8 milhões de brasileiros viviam com menos de R$ 406 por mês, o que significa que 26,5% da população vive em situação de pobreza. O levantamento foi feito pelo IBGE, e publicado na Síntese de Indicadores Sociais. O estudo adotou o critério do Banco Mundial, que considera pobres as pessoas que ganham menos de US$ 5,5 ou R$ 406 mensais, com paridade de poder de compra. Esse número aponta um avanço da pobreza no país: o estudo mostrou que de 2016 pra 2017, 2 milhões de pessoas passaram a ser oficialmente pobres.

Quase metade dos pobres brasileiros vive na região Norte do país – são 25,5 milhões de pessoas nessa situação, o que equivale a 44,8% do total. Entre os estados, a situação é mais grave no Maranhão, onde 54,1% da população é pobre, e em Alagoas, que tem 48,9% de habitantes nessa situação.

O órgão também estimou quantos brasileiros ultrapassaram a linha da extrema pobreza e sobrevivem com renda inferior a US$ 1,90 por dia – ou R$ 140 por mês. Esse contingente chegou a 15,2 milhões de pessoas em 2017, o que representa 7,4% da população.

Esse número também cresceu, na comparação com 2016, quando os extremamente pobres eram 13,5 milhões (6,6%). Segundo o IBGE, o número de pessoas extremamente pobres cresceu em todas as regiões brasileiras, com exceção do Norte, que manteve o mesmo patamar.

LEIA MAIS:  Bolsa Família e BPC: o Brasil gasta bem o dinheiro da assistência social?

PIB per capita e consumo das famílias caiu

Entre 2007 e 2014, o Brasil viu crescer dois indicadores importantes: o PIB per capita, que indica a renda gerada por habitante, e o consumo das famílias. Com a crise econômica, ambos indicadores caíram em 2015 e 2016, de acordo com dados do IBGE.

No ano passado, o órgão classificou como “tênue recuperação” o leve aumento registrado nos indicadores. Mesmo assim, o resultado desse triênio é negativo. O PIB per capita acumulou taxa de decréscimo de 8,1% e o consumo das famílias, 5,6%. Esses números se refletiram negativamente na economia brasileira como um todo e trouxeram consequências com as quais ainda estamos lidando: desocupação, subutilização da força de trabalho e informalidade aumentaram.

Rendimento médio diminuiu

Os brasileiros estão ganhando menos, mostram os indicadores da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE. O órgão analisou os dados do intervalo entre 2012 e 2017: a renda do brasileiro no ano passado foi 2,4% maior do que em 2012, mas não é a maior do período – na verdade, é inferior à de 2013.

Em 2012, o rendimento médio mensal apurado pelo IBGE foi de R$ 1.992. O número atingiu o ápice em 2014, quando a média foi para R$ 2.034. Em 2017, a renda média foi de R$ 2.039 – o resultado é inferior aos números registrados nos anos de 2013, 2015 e 2016.

SAIBA MAIS:  Quem são os pobres no Brasil?

Desigualdade parou de cair

Desde 2002, o Brasil via o abismo social entre as classes mais e menos abastadas diminuir. O estudo “País estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras”, produzido pela Oxfam Brasil, mostra que o coeficiente de Gini de renda domiciliar per capita – indicador que mede a desigualdade de renda do país – interrompeu a trajetória de queda que tinha desde 2002 e estagnou entre 2016 e 2017. O relatório também aponta que nos últimos cinco anos a proporção da população em condição de pobreza, o nível de desigualdade de renda do trabalho e os índices de mortalidade infantil do Brasil aumentaram.

O relatório lembra que o país também estagnou no ranking do IDH da ONU, mantendo a 79º colocação entre 189 países. “O indicador com maior impacto negativo no IDH brasileiro foi o de renda, por conta de seu recuo recente, sobretudo nas menores faixas. No comparativo global, em matéria de desigualdade de renda caímos, em 2017, da posição de 10º para 9º país mais desigual do planeta”, aponta o relatório.

De fato, quem era mais pobre sentiu mais a crise. Segundo a Oxfam, a metade mais pobre da população brasileira sofreu com uma retração de 3,5% dos rendimentos do trabalho – em parte, isso é explicado pelo desemprego crescente. Se consideradas todas as rendas, a retração foi de 1,6%.

Em 2017, a renda média da metade mais pobre dos brasileiros foi de R$ 787,69, menos de um salário mínimo. Em contrapartida, os 10% dos brasileiros mais ricos com alguma renda tiveram um crescimento de quase 6% dos rendimentos de trabalho – ou 2%, considerando todas as rendas no período. A renda média total dos 10% mais ricos foi de R$ 9.519,10 , cerca de dez salários mínimos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.