Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. STF suspende multas para quem descumprir preço mínimo do frete

greve dos caminhoneiros

STF suspende multas para quem descumprir preço mínimo do frete

Liminar do ministro Luiz Fux suspende a principal medida tomada para encerrar a greve dos caminhoneiros. Ele argumentou que tabela do frete causa “grave impacto na economia”. Decisão vem no mesmo momento em que caminhoneiros começam a organizar nova paralisação

  • Curitiba e Brasília
  • Da Redação, com Folhapress e Estadão Conteúdo
  • Atualizado em às
Caminheiros parados na greve de maio: articulação para nova paralisação em janeiro. | Tânia Rêgo/Agência Brasil
Caminheiros parados na greve de maio: articulação para nova paralisação em janeiro. Tânia Rêgo/Agência Brasil
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta quinta-feira (6), em decisão liminar, a aplicação de multas e outras medidas contra quem descumprir o preço mínimo da tabela do frete. A fixação de um preço mínimo foi instituída pelo presidente Michel Temer (MDB) como medida para acabar com a greve dos caminhoneiros, em maio deste ano. A suspensão vem justamente num momento em que caminhoneiros voltam a se articular para promover uma nova paralisação nas estradas.

A tabela do frete havia sido criada pela Medida Provisória n.º 832/2018, que foi regulamentada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e depois convertida na Lei n.° 13.703/2018.

Fux atendeu a um pedido da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) para analisar com urgência a suspensão da tabela do frete. A CNA alegou que a ANTT editou uma nova resolução em novembro com mais penalidades. O ministro Fux também é relator de uma série de ADIs (ações diretas de inconstitucionalidade) que contestam no Supremo o preço mínimo do frete. Uma dessas ações, na qual havia o pedido de liminar agora acatado, é da própria CNA.

Preço do frete foi elevado em até 145%

Em sua decisão, Fux destacou informações do Ministério da Agricultura segundo as quais o tabelamento gerou “entraves e prejuízos”. “Em determinados casos, considerando o transporte de granéis agrícolas, incluindo o frete de retorno, [os preços do frete] foram elevados em até 145% (...), com reflexos nefastos para os resultados de algumas cadeias produtivas, a exemplo do milho, que sofreu uma redução nos volumes de exportação da ordem de 34%”, informou o ministério ao STF.

Fux escreveu que “o quadro fático revelado aponta que a imposição de sanções derivadas do aludido tabelamento de fretes tem gerado grave impacto na economia nacional, o que se revela particularmente preocupante ante o cenário de crise econômica atravessado pelo país”.

Análise: Soluções aparentes se revelam um problema logo adiante, como é o caso da tabela de frete

O ministro deferiu a medida cautelar para suspender a aplicação das medidas administrativas, coercitivas e punitivas previstas na lei que instituiu o tabelamento, e também a aplicação de multas pela ANTT para quem não cumprir os preços da tabela.

“Determino, por consequência, que a ANTT e outros órgãos federais se abstenham de aplicar penalidades aos embarcadores, até o exame do mérito da presente Ação Direta pelo plenário”, concluiu Fux. Não há data para o plenário do Supremo julgar o mérito da ação.

Na prática, a suspensão das punições esvazia as normas que instituíram o tabelamento.

Nova greve está sendo agendada para 22 de janeiro

A liminar de Fux pode acirrar os ânimos dos caminhoneiros para deflagrar uma nova greve. Na terça-feira (4), a revista Veja publicou em seu site reportagem afirmando que caminhoneiros autônomos já estão se organizando, por meio de grupos de WhatsApp, nova paralisação. A greve estaria sendo agendada para 22 de janeiro. E a principal reivindicação é justamente o cumprimento da tabela de frete – agora oficialmente suspensa.

CNA diz que decisão de Fux dá segurança jurídica

O chefe da assessoria jurídica da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Rudy Ferraz, afirmou que a decisão do ministro Luiz Fux traz “segurança jurídica” e “previsibilidade” para a cadeia do agronegócio e todo o setor de transporte.

“Foi uma vitória da CNA, dos produtores e de toda a sociedade. Essa decisão do ministro Fux trouxe segurança jurídica para a cadeia do agronegócio e todo setor que mexe com o frete”, disse Ferraz. Ele afirmou não temer que um julgamento improcedente do mérito da ação crie um passivo jurídico pelo não pagamento das multas. “Quando ocorre uma decisão dessas, há a modulação. A aplicabilidade dessa decisão permanece no tempo e, por isso, a decisão traz segurança jurídica para as relações e previsibilidade de que enquanto o Supremo não analisar de forma definitiva a questão o tabelamento, não fica passível de sanção esse tabelamento que entendemos ser inconstitucional”.

Segundo Ferraz, a CNA avalia que a partir da decisão de Fux “as relações do mercado e a livre iniciativa vão ditar” o mercado de fretes no País e que a tabela será apenas um diferencial, um parâmetro na qual o mercado trabalha. “A lei diz que o tabelamento deve ser construído de forma técnica e com todos os setores envolvidos. Esse tabelamento de hoje foi feito de forma política e sem a participação de todos os envolvidos; foi feito de forma equivocada e não poderemos ser penalizados por uma lei que nós estamos contestando”, conclui.

 

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE