i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Relações internacionais

“Bolsonaro boliviano” e extradição de traficantes: o que esperar da Bolívia após Evo

  • PorLeonardo Desideri
  • Brasília
  • 29/11/2019 20:33
Luis Fernando Camacho, o novo "Bolsonaro boliviano"
Luis Fernando Camacho, líder cívico de Santa Cruz, anunciou candidatura à presidência da Bolívia| Foto: AIZAR RALDES / AFP

Jair Bolsonaro acabou de ganhar um adversário na América do Sul, com a eleição de Alberto Fernández para a presidência da Argentina, mas terminará o ano com um novo parceiro no continente, graças à mudança de poder em curso na Bolívia. O congresso boliviano já aprovou a convocação de novas eleições e o líder da direita Luis Fernando Camacho já é chamado de "Bolsonaro boliviano" pela imprensa.

A direita, inclusive, desponta como favorita para o próximo pleito. Camacho liderou o processo que levou à renúncia de Evo Morales como presidente. Por seus posicionamentos ideológicos, ele tem sido comparado a Bolsonaro por analistas políticos. A presidente do governo de transição, Jeanine Añez, tem ideias parecidas com as de Camacho.

“Nota-se que a população está cansada do modelo socialista”, diz Nicolas Rodríguez, professor de relações internacionais da Universidad Nuestra Señora de La Paz, capital boliviana. “Das últimas eleições, o terceiro colocado, Chi [Hyun Chung], é bastante cristão, como Bolsonaro. A atual presidente também menciona Deus com frequência. Então, provavelmente, vai haver um novo presidente com tendência religiosa, mais conservador, e com uma mentalidade mais aberta ao livre comércio”, acrescenta.

O governo brasileiro já começa a tirar proveito da mudança ideológica. Conseguiu, há alguns dias, a extradição de agentes do narcotráfico brasileiro que estavam detidos na Bolívia.

Do ponto de vista geopolítico, o novo governo boliviano pode ser mais um parceiro do Brasil na pressão pela queda do ditador Nicolás Maduro na Venezuela. Na América do Sul, Argentina, Chile, Colômbia, Paraguai e Peru já fazem parte do Grupo de Lima, reunião de países latino-americanos que buscam uma solução para a crise na Venezuela.

A Bolívia também espera tirar vantagens de uma melhor relação com o Brasil. Atualmente, o vizinho só depende da aprovação brasileira para ingressar no Mercosul como novo membro.

Pelo Twitter, governos trocam cordialidades

O Brasil foi um dos primeiros países a reconhecer oficialmente Jeanine Añez como presidente de transição da Bolívia. Por nota, rejeitou a tese de golpe e classificou como “estelionato eleitoral” os problemas na eleição do país.

Pelo Twitter, o Itamaraty afirmou que “saúda sua determinação de trabalhar pela pacificação do país e pela pronta realização de eleições gerais” e que “o Brasil deseja aprofundar a fraterna amizade com a Bolívia”. Em resposta, Añez chamou o Brasil de “nossa república irmã” e agradeceu o “respaldo à pacificação de nossa pátria e à breve convocação de eleições livres e democráticas”.

Em janeiro, quando Bolsonaro e Iván Duque, presidente da Colômbia, anunciaram o reconhecimento de Juan Guaidó como presidente da Venezuela, Añez vibrou pelo Twitter: “Democracia para a América Latina!”

Quem é o "Bolsonaro boliviano"

O advogado e empresário Luis Fernando Camacho foi o principal líder dos protestos que resultaram na queda de Evo Morales e na instituição de um governo de transição na Bolívia. Atualmente, é o favorito para vencer as eleições convocadas por Jeanine Añez, mesmo sem ter sido candidato no processo eleitoral que foi anulado.

Vários órgãos de imprensa e intelectuais o têm chamado de “Bolsonaro boliviano” porque menciona Deus e exibe sua fé frequentemente em discursos. Do ponto de vista econômico, é um liberal, favorável à diminuição da influência do estado na economia.

Luis Fernando Camacho, "Bolsonaro Boliviano"
Cartaz ilustra o líder da oposição Luis Fernando Camacho chutando Evo Morales, em 4 de novembro de 2019.| DANIEL WALKER / AFP

Foi Camacho quem começou a pedir a renúncia de Evo Morales quando as suspeitas de fraude eleitoral vieram à tona. O restante da oposição pedia somente a realização de segundo turno. O apoio que ele ganhou de boa parte da população teve grande peso na renúncia do ex-presidente.

Outro político com posições ideológicas parecidas, Marco Pumari, também ganhou relevância nos protestos que levaram à queda de Morales. É provável que Pumari seja vice de Camacho.

Carlos Mesa, político que estava em segundo lugar nas eleições fraudadas, não é considerado, hoje, um candidato forte para um pleito em 2020.

Luta contra narcotráfico e extradição de integrantes do PCC

Uma das principais preocupações do governo Bolsonaro, em particular do ministério da Justiça e Segurança Pública, é desmantelar redes de narcotráfico na América do Sul. A mudança ideológica no poder da Bolívia pode facilitar esse objetivo.

Poucos dias depois da queda de Evo Morales, o governo brasileiro já conseguiu uma vitória nesse sentido: a extradição de importantes agentes do narcotráfico no Brasil que estavam detidos na Bolívia.

Segundo o jornal boliviano “El Deber”, o ministro de governo da Bolívia, Arturo Murillo, anunciou na quarta-feira (20) que o país vai extraditar 16 criminosos a pedido do governo brasileiro. Entre eles, duas figuras importantes do PCC: Joelcio Marques de Souza, o “Magrão”, condenado por assalto a mão armada, e Mariano Tardelli, que liderou um assalto a um carro-forte da Brinks.

A reportagem diz que 14 das solicitações feitas pelo Brasil sumiram nos arquivos do governo boliviano. “Quer dizer que tinha gente que estava protegendo o narcotráfico”, disse Murillo sobre o governo anterior.

“Creio que vai se fortalecer a relação de luta contra o narcotráfico”, diz o professor Nicolas Rodríguez. “Com este governo, um dos principais objetivos vai ser evitar que a Bolívia se converta em um narcoestado”.

Segundo Rodríguez, “houve nos últimos anos muita facilidade para que os narcotraficantes se instalassem na Bolívia”, e isso deve mudar com o novo governo.

Mesmo se direita perder, pragmatismo comercial deve prevalecer

Candidatos de direita são favoritos para vencer as próximas eleições na Bolívia, mas uma eventual vitória da esquerda não faria grande diferença para as relações com o Brasil do ponto de vista do comércio.

A Bolívia depende de um bom relacionamento com o Brasil, que é o destino de 19% do valor total de suas exportações. Além disso, o país vizinho não tem saída para o mar. Interessa aos bolivianos manter o projeto do corredor bioceânico, que liga o Oceano Atlântico ao Pacífico na América do Sul, cruzando o território da Bolívia e do Brasil.

Por outro lado, o governo brasileiro também tende a evitar conflitos com a Bolívia, já que 27% do gás natural consumido no Brasil é de origem boliviana.

Relação com Evo Morales era cordial

Nos últimos dias, Bolsonaro deu vários sinais públicos de sua satisfação com a renúncia de Evo Morales. Sugeriu que ele fosse viver em Cuba, e usou o chavão “grande dia”, via Twitter, em referência à queda de Morales. Mas, antes disso, costumava manter uma relação cordial com o ex-presidente.

"Morales, já estava com saudades depois que o vi na minha posse no Brasil", disse em julho, na 54ª Cúpula do Mercosul (à qual Morales compareceu), em tom de brincadeira. O boliviano veio ao Brasil para a posse de Bolsonaro como presidente, em janeiro.

Bolsonaro já o elogiou por ter dado sinais de afastamento do Foro de São Paulo e de Nicolás Maduro, ditador da Venezuela. Quando o governo da Bolívia autorizou a deportação do militante de esquerda italiano Cesare Battisti, em janeiro, Bolsonaro disse que Morales estava “evoluindo”.

Durante a Cúpula do Mercosul, em Santa Fé, na Argentina, os dois presidentes se sentaram lado a lado no almoço e conversaram. O entendimento do governo brasileiro era que a situação da Bolívia com Morales era bem diferente da vivida pela Venezuela com Maduro, já que a economia funcionava melhor e o nível de liberdade era maior do que no regime venezuelano.

Com as evidências de que o grupo político de Evo Morales tentaria manobras antidemocráticas para se manter no poder, membros do governo Bolsonaro começaram a manifestar preocupação com a situação no país e, depois da renúncia, fizeram críticas ao ex-presidente.

"Não é que a eleição na Bolívia foi fraudada, ela foi MUITO fraudada", disse via Twitter o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que, já havia alguns meses, fazia alertas esporádicos sobre a situação boliviana. "A Bolívia vive, no mínimo, uma democracia cambaleante", falou em agosto.

Já o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse depois da renúncia que "a tentativa de fraude eleitoral maciça deslegitimou Evo Morales", e que o boliviano tomou a decisão certa ao sair do poder.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 9 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    APJr

    ± 2 dias

    Enquanto Brasil, Bolívia e Uruguai retomam a caminhada em direção à liberdade e ao progresso; a Argentina insiste no retrocesso. Los hermanos pagarão caro pelo grave erro cometido ...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      All Jr

      ± 2 dias

      A vitória com a mudança de governo da Bolívia e a extradição não é apenas do governo Bolsonaro, mas de todos os brasileiros de bem que apoiam o Presidente Mito e o Ministro Moro, e a pauta deles.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • D

        Diz

        ± 2 dias

        Voto impresso no Brasil para enterrar de vez com a fraude da esquerda.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • J

          JCouto

          ± 2 dias

          O mundo está se endireitando!

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • J

            Jérôme Mencier

            ± 2 dias

            Viva o fim do narcoestado! Os narcotraficantes estão de malas feitas para ir para Buenos Aires!!!!!

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • E

              Eden Lopes Feldman

              ± 2 dias

              Para efetivar a constatação de que o socialismo latino-americano foi um retrocesso, até mesmo um país com forte ideologia socialista como a Bolívia recuou e provavelmente entrará no rol dos países liberais. Para finalmente começar a sair do atraso cultural e político. Para se modernizar e melhorar as condições de vida da sua população.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • C

                Carlos Indio do Brasil de Paula Neves.

                ± 2 dias

                A esquerda cantou vitória antes da hora na América Latina.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • M

                  Marcos eisenschlag

                  ± 2 dias

                  A Bolivia tem o poder de fechar duas torneirinhas das mais importantes na America do Sul: a do gas do qual Brasil e Argentina sao muito dependentes e a da coca que sustenta os narcocarteis e seus governos vassalos esquerdistas. Argentina, Mexico e Venezuela vao ter enormes problemas se o "Bolsonaro boliviano" ganhar. E' bom ele usar colete e malha de aco visto o "odio do bem" da esquerda por essas bandas.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • W

                    Wilbur Archibald III

                    ± 2 dias

                    Vamos colocar ordem na casa!

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    Fim dos comentários.