i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Responsabilidade fiscal

Com Maia e Alcolumbre, Bolsonaro firma pacto em respeito ao teto de gastos

  • Brasília
  • 12/08/2020 19:43
Bolsonaro fez pronunciamento sobre o teto de gastos ao lado de ministros e dos chefes do Congresso.
Bolsonaro fez pronunciamento sobre o teto de gastos ao lado de ministros e dos chefes do Congresso.| Foto: Carolina Antunes/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, na noite desta quarta-feira (12), que o respeito ao teto de gastos e a busca pela responsabilidade fiscal estão entre as prioridades de sua gestão. "Nós queremos o progresso, o desenvolvimento, o bem-estar do nosso povo. Nós respeitamos o teto dos gastos, queremos a responsabilidade fiscal, e o Brasil tem como realmente ser um daqueles países que melhor reagirá à questão da crise", disse.

A declaração de Bolsonaro foi feita no Palácio da Alvorada, após uma reunião entre ele, os presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), ministros de seu governo e lideranças no Congresso.

O encontro se deu um dia após a exoneração dos secretários Salim Mattar e Paulo Uebel do Ministério da Economia — dois nomes até então fortes na equipe comandada por Paulo Guedes e que deixaram o governo por não verem avanço nas propostas de reforma administrativa, desburocratização e privatização.

Ao anunciar a saída de ambos, na terça-feira (11), Guedes falou em "debandada" no ministério e disse que setores do governo buscavam gastos excessivos que poderiam até descambar em um processo de impeachment contra Bolsonaro. Com o pronunciamento, o presidente da República tentou passar a imagem de que se mantém fiel à agenda liberal de Paulo Guedes.

Chefes do Congresso endossam pacto pelo teto de gastos

Maia e Alcolumbre também se pronunciaram e ambos endossaram o clima de pacto em torno do teto de gastos indicado por Bolsonaro. O presidente do Senado destacou que "a agenda de responsabilidade fiscal" figura entre as prioridades da casa e disse que está preparado para "dar respostas" aos projetos encaminhados pelo Palácio do Planalto. Ao longo de sua fala, Alcolumbre destacou em mais de uma ocasião que a reunião serviu para um "nivelamento de informações" entre o Congresso e o Executivo.

Já Maia colocou que a Câmara está preparada para conduzir o projeto de reforma administrativa "assim que o presidente entender importante". A proposta, que visa modificar a estrutura do funcionalismo público, é tratada por Guedes como uma de suas prioridades para a economia nacional mas não teve um texto oficializado pelo governo até o momento. Após promessas que se acumularam ao longo dos últimos meses, a expectativa é que o governo formalize sua iniciativa apenas em 2021.

Bolsonaro falou ainda em seu pronunciamento que a reunião incluiu tópicos como a própria reforma administrativa e projetos de privatização. "Nós nos empenharemos, mesmo no ano eleitoral, juntos, para buscar soluções, destravar a nossa economia, e colocar o Brasil no local que ele sempre mereceu estar", apontou.

Esteve presente também no pronunciamento o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, apontado como um "rival" de Paulo Guedes na Esplanada - ele é defensor de mais investimentos públicos, enquanto o comandante da Economia pede controle de gastos. Outro nome na reunião foi o do deputado Vitor Hugo (PSL-GO), que deixará a função de líder do governo na Câmara. Ele será substituído por Ricardo Barros (PP-PR).

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • F

    Freitas

    ± 12 minutos

    Ricardo Barros participou da reunião?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • C

      CSG

      ± 1 horas

      Arregou para o Maia e o Alcolumbre.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.