vacinação - Brasil
A estimativa é que a Anvisa leve no máximo 10 dias para avaliar os novos pedidos de uso emergencial da Coronavac.| Foto: Divulgação/Governo de São Paulo

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que concluiu na manhã desta terça-feira (19) a primeira etapa da triagem dos documentos submetidos pelo Instituto Butantan para o novo pedido de uso emergencial da Coronavac, feito na segunda-feira (18). Segundo a agência reguladora, o processo foi concluído de forma “satisfatória”. A triagem é uma etapa inicial para verificar se os documentos apresentados cumprem os requisitos regulatórios estabelecidos. A análise deste pedido de uso emergencial ainda não foi concluída e a Anvisa tem até dez dias para finalizar o processo.

Segundo informações da agência, os dois pedidos submetidos para autorização temporária de uso emergencial da Coronavac são semelhantes, mas contêm diferenças importantes. O primeiro pedido, aprovado no último domingo, tratava das vacinas importadas prontas e envasadas em dose única. Já o segundo pedido trata do envase, pelo Instituto Butantan, da vacina em frasco-ampola multidose. Ou seja, as duas principais diferenças são que o segundo pedido trata de vacinas envasada no próprio Butantan em uma embalagem diferente, o frasco-ampola multidose. Por isso é necessário avaliar as informações adicionais submetidas pelo Instituto, informou a agência.