• 03/08/2020 22:58
Amazônia

Ipam rebate tese de que incêndios se concentram em áreas exploradas

  • 03/08/2020 22:58
    • Estadão Conteúdo
    Incêndios na Amazônia
    Brigadista do Ibama combate incêndio na Amazônia, em 2019.| Foto: Vinicius Mendonça/Ibama

    Uma nota técnica divulgada nesta segunda-feira (3) pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), órgão que estuda a região há 25 anos, mostra que a concentração de focos de incêndio na Amazônia não está concentrada em áreas já desmatadas da região, como tem afirmado o governo federal, reiteradamente. O relatório, que faz um levantamento detalhado a partir de dados oficiais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), revela que, em 2019, 30% do fogo registrado na Amazônia foi incêndio florestal, ou seja, de área protegida. Outros 36% estão associados ao manejo agropecuário e os demais 34%, a desmatamentos recentes. Na semana passada, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), ligada ao Ministério da Agricultura, afirmou que 90% dos focos de incêndio ocorridos na área da Floresta Amazônia em 2019 se deram em áreas já desmatadas e que a ação não estaria derrubando porções da floresta para a abertura de novas áreas de cultivo.

    Tudo sobre:

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.