i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Rio de Janeiro

Câmara Municipal aprova processo de impeachment contra Crivella

    • Folhapress
    • 02/04/2019 18:47
    Marcelo Crivella: impeachment
    A Câmara Municipal do Rio de Janeiro aprovou a abertura de processo de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella| Foto: AFP

    A Câmara Municipal do Rio de Janeiro aprovou nesta terça-feira (2) a abertura de processo de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella (PRB).

    Foram 35 votos a favor da abertura e 14 contrários. Crivella permanece no cargo até o fim da análise da denúncia.

    Uma comissão com três vereadores será formada e terá três meses para concluir o processo e submetê-lo ao plenário.

    O prefeito só deixa o cargo se for considerado culpado por dois terços dos vereadores —que seriam 34 dos 51 membros.

    Acusação

    Crivella é acusado de renovar de forma ilegal dois contratos de concessão de publicidade no mobiliário urbano —como pontos de ônibus e relógios. O contrato terminaria neste ano, mas em dezembro de 2018 a Secretaria de Fazenda o renovou por mais 20 anos.

    A denúncia foi protocolada pelo servidor da Fazenda municipal Fernando Lyra Reis. De acordo com ele, o contrato assinado em 1999 não previa a renovação, sendo exigida uma nova licitação para a exploração comercial do mobiliário.

    A prefeitura afirma que parecer da Procuradoria Geral do Município não apontou impedimentos jurídicos para a renovação.

    A peça de Lyra Reis, contudo, é apenas um instrumento dos vereadores para demonstrar a insatisfação com a gestão Crivella. As articulações para retirar o prefeito do Palácio da Cidade começaram após ele descumprir uma série de acordos firmados com membros da Câmara, além de não atender pedidos de obras e serviços para suas bases eleitorais.

    Políticos que votaram a favor do reajuste do IPTU em 2017 em troca de cargos acabaram perdendo espaço para novas alianças do prefeito, firmadas de olho na reeleição em 2020. Em muitos casos, eles ficaram sabendo da demissão de seus indicados pelo Diário Oficial do Município.

    Dentro do governo, a análise é de que a negociação com os vereadores pode se estender ao longo do processo de impeachment, que tem 90 dias para ser encerrado. Ele precisará reverter ao menos dois votos.

    VEJA TAMBÉM: Bretas aceita denúncia e Temer se torna oficialmente réu na Lava Jato

    O vereador Paulo Messina (Pros), secretário da Casa Civil afastado para votar na sessão, chegou a propor que, em vez do processo de impeachment, fosse aberta uma CPI sobre a renovação dos contratos.

    “Não estamos aqui com medo de investigação. Não queremos que se use a admissibilidade de impeachment como ferramenta política. O acordo que vou propor a todos é que se o impeachment for rejeitado, sou o primeiro a assinar uma CPI sobre o tema nessa casa”, disse Messina.

    O apelo, no entanto, não foi suficiente para atrair apoio ao prefeito.

    Questionamentos

    O vereador Tarcísio Motta (PSOL) disse que o prefeito abriu mão de arrecadar mais com uma nova licitação, além de renovar um contrato de forma ilegal.

    “A prefeitura do Crivella, que diz não ter dinheiro para colocar na saúde, renovou contrato com duas empresas que passaram 19 anos descumprindo o mesmo contrato”, disse ele.

    O vereador Inaldo Silva (PRB), bispo da Igreja Universal, questionou se a articulação contra Crivella se deve a preconceito religioso.

    “Será que é porque ele é evangélico? Se o prefeito for cassado por motivo religioso e de sua fé, eu me candidato prefeito”, disse ele.

    Boa parte dos discursos contra Crivella mencionaram, além da denúncia, críticas à gestão do prefeito. A vereadora Verônica Costa (MDB) chamou de “assassinato em massa” o número de mortes em hospitais. Átila Nunes (MDB) criticou a falta de merenda nas escolas.

    “Incompetência por si só não é motivo para impeachment. Mas quando essa incompetência atenta contra o interesse público e agrava o caos na saúde, transporte e educação, aí não dá mais. É crime de responsabilidade”, disse Tarcísio Motta.

    Este é mais um capítulo na relação distante entre Crivella e os vereadores desde o início do mandato, em 2017. Os membros da Câmara se queixam de falta de espaço para solicitação de obras e serviços em suas bases eleitorais, além do descumprimento de acordos políticos. O prefeito, por sua vez, afirma ser vítima de um complô por contrariar interesses escusos.

    Na semana passada, vereadores insatisfeitos articularam a votação de um projeto para alteração da Lei Orgânica do Município a fim de retirar a previsão de eleição direta em caso de vacância da cadeira de prefeito até o terceiro ano de mandato.

    A movimentação foi um preparativo para entregar à Câmara, comandada pelo MDB, as rédeas da sucessão de Crivella após seu eventual afastamento. O vice-prefeito, Fernando MacDowell, que seria sucessor natural em caso de impeachment, morreu no ano passado, o que deixou vaga a linha sucessória.

    O projeto não foi aprovado por falta de um só voto, tendo tido o apoio de 33 vereadores, entre eles o líder do governo, Jairinho (MDB). Crivella foi salvo principalmente pelo opositor PSOL, cujos seis vereadores foram contrários à alteração, e por Carlos Bolsonaro (PSC).

    Há expectativa de que uma nova alteração da Lei Orgânica seja proposta durante o processo de impeachment para viabilizar a eleição indireta.

    Outros pedidos de impedimento estão na iminência de serem protocolados. Um deles deve ser produto da CPI que investiga o uso da estrutura da Comlurb (Companhia de Limpeza Urbana) em favor da candidatura do filho do prefeito, Marcelo Hodge Crivella. Ele não foi eleito e ficou na quarta suplência do PRB.

    Um motorista da empresa municipal reconheceu ter levado servidores do município num veículo da Comlurb a um encontro político do então candidato. A CPI deve ser encerrada em um mês.

    Esta é a segunda vez que Crivella tem o mandato ameaçado. Em julho do ano passado, a Câmara analisou pedido de impeachment por suposto favorecimento a evangélicos no acesso a serviços públicos. O processo não conseguiu os votos necessários.

    3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 3 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • J

      JOSE DE PAULA

      ± 0 minutos

      A VERDADE QUE MARCELO NADA FEZ DE ERRADO ..NÃO ROUBOU E NEM PREJUDICOU A CIDADE...ISSO É GUERRA POLITICA DE PARTIDOS DA OPOSIÇÃO...EXISTEM NO RIO PAINÉIS DE PROPAGANDA EM PONTO DE ONIBUS E LUGARES PUBLICOS..A PREFEITURA CEDE E NADA COBRA..APENAS QUE CUIDEM E ZELE DOS LOCAIS..O CONTRATO DE 15 ANOS VENCEU E MARCELO PASSOU BATIDO E NÃO RENOVOU....AGORA QUEREM PREJUDICAR UM KARA QUE NUNCA ROUBOU UM REAL DO POVO...ISSO SIM É INJUSTIÇA.PAGA SALARIOS EM DIA E A PREFEITURA TEM DINHEIRO EM CAIXA ,COISA QUE MUITOS ANOS NUNCA TEVE ....

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • G

        Gilvan Alves

        ± 22 minutos

        O Piçol está querendo dar um golpe e botar o Marcelo Frouxo, que foi rejeitado nas urnas. Partidinho mequetrefe.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • E

          Emerson

          ± 1 horas

          O que fazer com o Rio Corrupto de Janeiro e suas peripécias nas poltronas esturricadas do poder? A cada dia que passa nos entristecemos mais com tantas denúncias e pedidos de afastamento do cargo entre outros ex governadores encarcerados mais.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.