i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Visita de Pompeo

Campanha para Trump ou visita diplomática? As explicações que Araújo dará aos senadores

  • Brasília
  • 23/09/2020 22:16
Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o chanceler do Brasil Ernesto Araújo, durante a vista do americano a Roraima, na sexta-feira (18): ato de campanha para a Trump ou visita diplomática?
Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o chanceler do Brasil Ernesto Araújo, durante a vista do americano a Roraima, na sexta-feira (18): ato de campanha para a Trump ou visita diplomática?| Foto: Bruno Mancinelli/AFP

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, participa de audiência no Senado, nesta quinta-feira (24), para explicar a visita do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, a Roraima, na última sexta-feira (18). O chanceler vai aproveitar a oportunidade para defender sua política externa a senadores da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (Creden), que vão usar o espaço para marcar presença e tirar satisfações, sobretudo a oposição.

É esperado que o Itamaraty seja acusado por alguns parlamentares de usar sua agenda para fazer uma deliberada campanha política para a reeleição do presidente norte-americano, Donald Trump. Do chanceler, por sua vez, são esperadas respostas que enalteçam a importância do relacionamento entre os dois países, mas que refutem qualquer influência na corrida eleitoral.

A visita de Pompeo ao Brasil será usada como pretexto para uma cobrança maior dos senadores. A vinda do secretário de Estado norte-americano a Boa Vista é apenas um dos recentes acenos feitos pelo Brasil aos EUA. Soma-se a isso a redução das cotas de importação de aço brasileiro no quarto trimestre, que chega a superar 83%. A cota projetada era de 350 mil toneladas, mas foi reduzida para 60 mil — 17% do inicial. Além disso, o Brasil expandiu o prazo para a importação de etanol norte-americano sem tarifas, em desagrado a produtores e ao próprio Ministério da Agricultura. São fatores que, segundo apurou a Gazeta do Povo, estarão na conta da cobrança dos parlamentares.

Senadores se dizem “engasgados” com o que chama de "comportamento subserviente" do governo brasileiro em relação aos EUA, mesmo sem ser beneficiado com contrapartidas proporcionalmente equivalentes. Outro fator de discórdia, lembram, foi a preferência pelo candidato norte-americano à presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), mesmo a equipe econômica tendo indicado um candidato brasileiro. No fim das contas, o Brasil concordou com a indicação de Maurício Claver-Carone, um ex-assessor de Trump, para o posto.

A presidência do BID, conforme mostrou Gazeta, era uma obstinação de Trump para superar o candidato democrata, Joe Biden, entre os eleitores hispânicos, tendo a Flórida como estado-chave nesta estratégia. Os frutos parecem ter sido colhidos. De acordo com pesquisa da ABC News e do Washington Post, divulgada na quarta-feira (23), Trump aparece com 51% da preferência do eleitorado da Flórida, acima dos 47% de Biden. A estratégia da Casa Branca com a viagem de Pompeo ao Brasil e à América Latina, aos poucos, sinaliza resultados frutíferos.

O governo brasileiro, entretanto, minimiza as críticas. Interlocutores do Palácio do Planalto tampouco veem problemas em senadores sabatinarem o chanceler devido à intensificação da relação entre Brasil e EUA. “Se os senadores vão usar da audiência para fazer palanque eleitoral, saibam eles que nós também”, sustenta um assessor palaciano. “O Ernesto sabe se virar e usar essas oportunidades para palanque do governo, para o eleitor do presidente, que quer exatamente isso, distância da Venezuela e alinhamento com nações de primeiro mundo”, acrescenta outro.

A lógica do governo para explicar tantos acenos e afagos aos Estados Unidos é atribuída ao cenário geopolítico mundial. Os interlocutores ouvidos pela Gazeta do Povo explicam que os norte-americanos são, hoje, os mais importantes aliados brasileiros. “A verdade é essa, porque a Europa está toda caída para a esquerda”, destaca um deles. Os poucos aliados entre os europeus não são uma potência como os Estados Unidos, a exemplo de Israel e Hungria. Na Itália, Matteo Salvini, ex-vice-primeiro-ministro, contabiliza derrotas para retomar algum protagonismo.

O governo chinês, prosseguem, é um país que não dá para se manter uma relação estreita, a exemplo dos EUA. “A China é comunista, com quem mantemos uma relação pragmática e só. Hoje, o nosso mais importante aliado mundial são os EUA”, sustenta um assessor palaciano. “Imagina se fosse o governo Biden como estaria a questão da Amazônia? Só não está pior porque Trump nos apoia nessa questão e evita que a agenda da esquerda, comprada pela Europa, tenha mais desdobramentos. Então, temos que privilegiar o país que está mais alinhado conosco, e não podemos reduzir tudo só em economia”, acrescenta.

Qual a expectativa dos senadores para a audiência com Ernesto Araújo

O convite ao chanceler partiu do senador Telmário Mota (Pros-RR), um dos mais críticos com a vinda de Pompeo a Roraima. O parlamentar chegou a mobilizar um movimento para convocar, ou seja, tornar obrigatória a presença de Araújo.

Para ele, o Itamaraty submeteu a diplomacia aos interesses eleitorais de Trump, e ainda ameaça a estabilidade das fronteiras e a paz com os países vizinhos. “De lá [Roraima], detona dizendo que vai derrubar o [ditador venezuelano Nicolás] Maduro. O Brasil não é colônia dos Estados Unidos. Isso fere a nossa soberania”, declarou, na segunda-feira (21).

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF), vice-líder do governo e membro da Creden, minimiza o convite e não acha que a audiência possa constranger o Executivo. À Gazeta, considera que seja direito do Parlamento pedir esclarecimentos, mas avalia que não cabe à oposição induzir ou querer mudar a política externa brasileira. “O governo tem um estilo diferente do que outros parlamentares acham que deveria ter. Bolsonaro ganhou a eleição, com aval dos eleitores, e vai fazer o que acha que a equipe dele achar que é melhor para o Brasil”, analisa.

O senador evitou comentar, contudo, se acredita que o governo faça campanha eleitoral para os EUA. “Vamos aguardar os argumentos, isso eu não sei, é a interpretação de alguns. Vamos ver o que ele vai dizer, deve ter suas razões e sua convicção sobre o que faz”, pondera.

Procurado, o Itamaraty não respondeu aos questionamentos da reportagem. Caso se manifeste, terá o posicionamento incluído no texto.

Especialistas criticam política externa brasileira

O argumento do governo de se alinhar aos Estados Unidos por ser o principal parceiro entre as potências mundiais é questionável. Especialistas acreditam que é uma estratégia míope e que atende apenas ao eleitorado bolsonarista mais “raiz”.

Doutor em Relações Internacionais, Carlos Gustavo Poggio, professor da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), não titubeia ao ser questionado se, dados os recentes gestos do governo brasileiro, o Brasil acaba fazendo campanha a Trump. “Eu acho. Bolsonaro torce muito pela reeleição e põe todas as fichas na mesa. O que demonstra, em parte, o amadorismo da nossa política externa”, critica.

A Comissão de Relações Exteriores e o Congresso norte-americano são controlados majoritariamente pelos democratas, que, lembra Poggio, assinaram carta dizendo que não aceitam nenhum tipo de acordo com o governo Bolsonaro. A subserviência da agenda bolsonarista a Trump, assim, não ajuda a construir uma política estratégica de longo prazo, sobretudo se Biden vencer as eleições.

“O que vemos são poucos ganhos concretos de continuidade de padrões mais históricos e mais longos da relação do Brasil com os EUA. Numa perspectiva mais ampla, acho que isso vai acabar permanecendo, uma testemunha do fracasso da estratégia míope de Bolsonaro”, diz.

O alinhamento entre Brasil e Estados Unidos acaba sendo até um contrassenso à narrativa de que o Brasil trabalha pela conclusão do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia. A atual agenda brasileira pode atrapalhar negociações tocadas em âmbito multilateral no momento em que sinaliza a adoção de políticas diferentes das consolidadas até então, alerta Marina Montenegro, consultora da Domani Consultoria Internacional. “A visita do Pompeo, muitas concessões ao mercado americano sem reciprocidade que podem afetar o mercado interno, tudo isso gera uma conjuntura complexa e difícil de pontuar”, alerta.

A política externa passou a ser olhada com lupa pelo mundo. Não à toa a sabatina de Araújo estará no centro das atenções do mercado e pode influenciar variações nesta quinta-feira. O presidente da Dormani, Christian Shaw, avalia, no entanto, que é cedo calcular os impactos. “Baseado no que for justificado, o mercado pode ter algumas flutuações. Olharia muito nessa perspectiva e não sei se o saldo vai ser positivo ou negativo, mas, baseado no saldo, podemos ter resposta positiva ou negativa”, analisa.

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 12 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    APJr

    ± 1 horas

    Bando de enganadores esses nossos senadores. Desde o ano passado vergonhosamente enrolam o povão sobre a prisão em segunda instância e em relação às incontáveis barbaridades diuturnamente cometidas pela gan.g do stf fingem que nada tem a ver com eles, e fazem absolutamente nada. Tudo malando mixirica fazendo marola pra esconder as tretas ...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eden Lopes Feldman

    ± 1 horas

    Interessante que o senado se preocupa com isto, mas com as dívidas herdadas pelo governo brasileiro nas obras executadas em Cuba, Venezuela, Moçambique e Argentina e que foram avalizadas pelo tesouro nacional às empreiteiras e não foram pagas por estas "repúblicas democráticas" não incomodam a estes "senadores". Que ainda mantém uma agenda de subserviência à esquerda, ao STF ideológico, aos corruptos libertados pela quarta instância e ainda contam com uma estrutura de gabinetes gigantesca e imoral nos valores gastos. Isto é "senado"?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    antonio sergio ferreira baptista

    ± 1 horas

    Araujo nem deveria perder seu tempo com estes ********** do senado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Walter

    ± 2 horas

    Senado deveria olhar para o stf (minúsculo mesmo) para as constantes ingerências, no Executivo e no Legislativo, colocando no lixo a isonomia dos três poderes. As barbáries cometidas por esse pseudo supremo nesses últimos tempos já era para ter "enquadrado" a maioria dos ministros. Senado construindo sua vergonha nacional.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • S

      Sartan

      ± 2 horas

      Senado deveria olha contra todos aqueles que querem prejudicar meu mito

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Pzig

    ± 2 horas

    Mande esses senadodores tomar no Cuba!!!!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • S

      Sartan

      ± 1 horas

      Sartan: Correção, "líder maior"

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • S

      Sartan

      ± 1 horas

      Cuba cuba, venezuela, passa o pano pro grande líder passa , deixa o líder mais fazer campanha política na terra dos outros a vontade

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nm

    ± 3 horas

    será que os senhores senadores não tem alguma coisa mais importante para fazer? Votar a Pec da prisão em segunda instância, por exemplo! ou votar uma redução de gastos no legislativo e judiciário? e tantos outros assuntos de real importancia!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nm

    ± 3 horas

    Qualquer pé de galinha da uma sopa para um batalhão inteiro!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    IvoHM

    ± 3 horas

    A turma que sonha com um "big stick" chinês fica descontrolada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    CSG

    ± 12 horas

    Ernesto Araújo. O pior diplomata que o Itamaraty já formou. Só serve para ser chanceler em um governo padrão Bolsonaro

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]