i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Divergências

Fundeb, reforma tributária: por que o governo sempre corre atrás da agenda do Congresso

  • Brasília
  • 22/07/2020 16:31
Bolsonaro e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre: interesses conflitantes entre Executivo e Legislativo atrasam discussões importantes no Congresso.
Bolsonaro e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre: interesses conflitantes entre Executivo e Legislativo atrasam discussões importantes no Congresso.| Foto: Isac Nóbrega/PR

O líder do governo na Câmara, Vitor Hugo (PSL-GO), definiu a aprovação do Fundeb como um triunfo da gestão de Jair Bolsonaro no Congresso. "Essa é uma vitória do governo federal, é uma vitória do Brasil. Foi quase unânime, mostra que o governo estava realmente alinhado", disse. A inclusão do Fundeb na Constituição foi aprovada pela Câmara na noite da terça-feira (21), em dois turnos, com apenas seis votos contrários.

A realidade, porém, não se encaixa na descrição do deputado. O governo participou pouco das discussões do Fundeb — que duraram mais de cinco anos na Câmara — e tentou fazer com que a votação da proposta não ocorresse na semana atual. Na própria terça, deputados, sob orientação do Palácio do Planalto, lançaram mão do chamado "kit obstrução", que são medidas regimentais utilizadas para tentar impedir a votação de uma proposição.

A ideia inicial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), era votar o Fundeb ainda na segunda-feira (20). Mas o governo resolveu participar das negociações a partir do fim de semana, e a interferência embolou o cenário de um projeto que já desfrutava de certo grau de consenso entre os deputados.

O posicionamento de última hora, como no caso do Fundeb, não tem sido uma exceção na gestão Bolsonaro. Sob o comando de Maia e do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), o Congresso tem vivido um período de protagonismo ao longo do mandato de Bolsonaro. Tornou-se rotineiro o cenário em que deputados e senadores colocam sua agenda para avançar e o governo se posiciona a posteriori.

"Eu acho que o governo precisa sempre estar na frente. Não pode chegar depois do Congresso. A situação mais grave neste sentido foi o que ocorreu com o Fundeb. Mas acredito que com a reforma tributária não teremos esse problema", disse o deputado Bibo Nunes (PSL-RS), apoiador do governo.

Para ele, um elemento que contribuiu para que o governo tivesse menor participação nas discussões sobre o Fundeb foram as diferentes trocas de ministro da Educação — o atual titular da pasta, Milton Ribeiro, é o quarto ocupante da função em pouco mais de um ano e meio de governo.

O que mais exerceu o posto no MEC, Abraham Weintraub, era contrário a propostas que incrementavam a participação da União no Fundeb, e chegou a se envolver em debates públicos com a relatora do projeto na Câmara, deputada Dorinha Seabra (DEM-TO).

Reforma tributária do governo, enfim, chegou ao Congresso

A votação do Fundeb se deu no mesmo dia em que o ministro Paulo Guedes levou ao Congresso a proposta do governo para a reforma tributária. A entrega da proposição foi recebida com euforia, discursos elogiosos do ministro, de Maia e de Alcolumbre, e a promessa de que a iniciativa pode ser a "convergência" do Executivo com temas já em discussão na Câmara e no Senado.

Isso porque o debate sobre a reforma tributária é travado no Legislativo há muito mais tempo. Propostas sobre o tema correm nas duas casas, e desfrutam de certo grau de entendimento entre os parlamentares. Ao longo dos últimos meses, uma crítica constante entre deputados e senadores de diferentes partidos foi justamente por uma falta de posicionamento preciso do governo federal sobre a reforma na carga de impostos.

Ao longo do ano passado, criou-se a expectativa de que o governo enviaria a sua proposta, o que acabou não acontecendo. Por conta disso, críticas se avolumaram e houve até uma ameaça de "boicote" às comissões do Congresso sobre o assunto, até que o governo se posicionasse. Em 12 de fevereiro de 2020, Guedes disse que a proposta seria remetida ao Legislativo "em duas semanas", o que novamente não se concretizou.

Com a deflagração da pandemia de coronavírus, o foco da agenda pública se deslocou e o governo acabou ganhando um pouco mais de fôlego.

Previdência abriu caminho de choque de interesses

A dinâmica de conflito de interesses entre Legislativo e Palácio do Planalto viveu um grande momento durante a tramitação da reforma da Previdência, no ano passado. A reformulação do sistema de aposentadorias e pensões era a principal proposta do governo Bolsonaro para o campo econômico. Mas sua evolução no Congresso viu resistência até mesmo de integrantes da base governista, especialmente no que envolvia remunerações de militares e outros profissionais da área de segurança, grupos que dão sustentação ao presidente.

Como resultado, a reforma acabou conduzida majoritariamente por Rodrigo Maia. O quadro deu protagonismo à Câmara e gerou atritos entre Legislativo e governo. O presidente da Câmara passou a ser chamado de "primeiro ministro" e, por consequência, tornou-se um dos alvos preferenciais de bolsonaristas.

No início de 2020, antes da pandemia, outro foco de conflitos foi aberto com a gestão do Orçamento. Propostas previam a determinação de fatias expressivas dos recursos públicos sobre gestão da Câmara. A movimentação gerou momentos de tensão, que só foram minimizados com a transferência das atenções para o combate ao coronavírus.

Outra questão em que o governo se viu atrás do Legislativo foi na condução de uma agenda social. O presidente da Câmara designou a um grupo de deputados, encabeçado por Tabata Amaral (PDT-SP), a construção de proposições para a redução da pobreza, com foco em áreas como a reformulação do Bolsa Família e incremento de políticas educacionais. Integrantes do governo não participaram das rodadas iniciais de conversa, o que motivou críticas. A pandemia freou o avanço dos trabalhos do grupo.

Para deputados, situação indica diferença de prioridades

O deputado Lafayette de Andrada (Republicanos-MG) vê o quadro como resultado da diferença de interesse entre os poderes. "Esse tipo de situação ocorre quando as prioridades do Congresso não são as mesmas que as do governo. Com isso, cada lado conduz as pautas que considera prioritárias. E aí, quando o Congresso se prepara para votar um assunto, identifica que uma questão está madura, o governo entra no jogo", declarou.

"Temos que levar em conta que são poderes independentes. E pela quantidade de medidas provisórias que tem sido apresentadas, vemos que há uma preocupação do governo em participar das agendas do Congresso", expôs o deputado Áureo Ribeiro (Solidariedade-RJ).

Em relação à reforma tributária, o deputado disse acreditar que o tema mereceria maior cautela e discussões aprofundadas após a retomada da normalidade dos trabalhos do Congresso, e não no modelo atual, com as sessões remotas.

18 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 18 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • F

    Freitas

    ± 58 minutos

    Falando francamente: Jair Bolsonaro é muito ágil para dar aumentos (no plural) para os militares.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • J

      Joao C S Soares

      ± 2 horas

      O curioso são as críticas da matéria em relação à suposta demora do Governo em avançar as reformas. Mais curioso ainda são os elogios a um Congresso que milita contra as reformas desde que entraram em discussão, além de deixarem caducar uma série de medidas do Governo por simples má vontade em colocar em pauta e consequentemente votação. Demora? Essas reformas sequer passaram pela cabeça de governos passados que estiveram com a mão na ceneta por décadas. O governo atual tem suas limitações, porém está tendo a coragem suficiente para fazer o que os outros não fizeram.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • N

        Nilson Macan

        ± 3 horas

        Porque o CONGRESSO não faz a reforma política?

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • N

          Nilson Macan

          ± 3 horas

          Se é assim, porque o Congresso esperou a refprma do governo, porque não tomou a iniciativa da reforma trabalhista, porque esperou Guedes enviar a Reforma da Previdência, que o executivo vinha tentando desde de FHC? O congresso não tem vontade não tem iniciativa, está sempre de arrasto do executivo. PROVA DISSO É A VOTAÇÃO DA SEGUNDA INSTANCIA que já espera a 3 anos.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • J

            JJP

            ± 4 horas

            Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • E

              eneida

              ± 4 horas

              Rodrigo Maia quer ser o primeiro ministro sem ter votos, desde a gestão de Temer. Botafogo só age em interesse próprio e com o objetivo de boicotar o executivo. Só existe convergência de pautas do congresso com o executivo se tiver as propinas a que estão acostumados.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • S

                Sujunior

                ± 9 horas

                Discordo totalmente. Há mais de 20 anos não viamos uma reforma importante sequer ser aprovada. Pq só nesse governo as reformas estruturantes estão sendo discutidas??? Governo mirou Previdência, Tributária e Administrativa, uma já sacramentou e outra está avançando bem. Agora, o congresso está deixando caducar propositalmente várias MP relevantes para o nosso povo, por que???

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                1 Respostas
                • A

                  Avlis Sotnas

                  ± 9 horas

                  acordou esse ano amigo? q reforma além da previdência foi aprovada neste desgoverno?? onde estao as tais reformas estruturantes?

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

              • L

                Luiz

                ± 14 horas

                "Executivo" deveria ser o poder com autoridade pra mandar fazer, assumindo a responsabilidade pelos resultados ... Só que aqui "todo mundo manda e ninguém obedece", congresso e stf palpitando como se fossem os donos do Brasil ... mas a responsabilidade pelos erros eles não assumem ... soltam os bandidos e é o governo que não providencia segurança, distribuem a autoridade sobre o covid e é o governo que pratica genocídio ... coloca os ministros embaixo do congresso, ou do stf, e deixa que eles se quebrem por lá ... pra que presidente ??

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                1 Respostas
                • A

                  Avlis Sotnas

                  ± 9 horas

                  tipo uma ditadura. Boa, tá "serto"!

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

              • S

                Sr. Walker

                ± 16 horas

                Até o governo é fake

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • E

                  elisangela alves laranjeira

                  ± 16 horas

                  Devido a inépcia e incompetência do Governo. Graças ao Congresso temos Reforma da Previdência, Auxílio Emergencial, Fundeb, Estado Laico. Tem suas mazelas, mas diante desse governo de malucos, o CN e o STJ tornaram-se imprescindíveis ao país.#democraciasemelocubraçoes.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  3 Respostas
                  • A

                    Avlis Sotnas

                    ± 9 horas

                    governo mais inepto q já existiu. a reforma tributária, atrasada, cem ridícula e propondo aumento de carga. a administrativa nem sinal, ou diga o número do PL pra gente conhecer. o fundeb foi prova de q Bolsonaro não tem a menor ideia do q faz

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                  • A

                    Avlis Sotnas

                    ± 9 horas

                    Sujunior: kkkk conta aquela do papagaio agora

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                  • S

                    Sujunior

                    ± 9 horas

                    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                • M

                  Marco Polo

                  ± 17 horas

                  Me parece duas funções distintas e muito bem definidas e delimitadas em relação aos três poderes. Se não me engano o Legislativo faz Leis e o Executivo faz a gestão do País. No entanto, tem gente que tem interesse, no momento, que o Executivo faça as Leis e não governe.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • T

                    THIAGO

                    ± 18 horas

                    AGENDA É PRA QUEM TRABALHA...COISA QUE É ANTAGÔNICA COM O CONGRESSO

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • D

                      Daniel M

                      ± 18 horas

                      Porque quem manda são esses malditos caciques do centrão.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      Fim dos comentários.