i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Centrão mais forte

Como o resultado das eleições muda a correlação de forças no Congresso e afeta o governo

  • Brasília
  • 02/12/2020 20:26
Eleições municipais também devem mudar peças no tabuleiro político no Congresso
Deputados ligados ao Centrão em votação no plenário da Câmara, em 2019: eleições municipais fortaleceram o bloco no tabuleiro político do Congresso.| Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O resultado das eleições municipais de 2020 vai alterar a correlação de forças no Congresso Nacional nos próximos anos. Legendas como PP e PSD, que cresceram no pleito de novembro, devem dar as cartas na Câmara e no Senado a partir de agora. O DEM, que também saiu fortalecido nas urnas últimas eleições, já se articula para ratificar sua posição de independência frente ao governo federal, ao lado de PSDB e MDB.

Por outro lado, as eleições ligaram o sinal de alerta para o PT, inclusive na executiva nacional. Há receio dentro do partido de perder espaço no Congresso Nacional, principalmente para o Psol. E o PSL, partido pelo qual o presidente Jair Bolsonaro foi eleito, luta para não voltar à condição de nanico dentro do Congresso. Tanto que a cúpula do partido busca um retorno de Bolsonaro à sigla, em um cálculo político extremamente complexo.

Ao fim das eleições desse ano, o DEM foi o partido que mais cresceu — ganhou 191 prefeituras, passando de 272 em 2016 para 463 esse ano —- seguido de PP, que elegeu 685 prefeitos, 187 a mais que no último pleito municipal. O MDB manteve o maior número de prefeituras, embora em número menor que em 2016; o PT encolheu, não elegeu prefeito de capitais e perdeu 74 prefeituras entre as duas eleições.

Com essa nova configuração partidária nos municípios, deputados do PP e do PSD já admitem nos bastidores que serão mais pressionados por prefeitos pela obtenção de verbas do governo federal. Por essa razão, há um sentimento geral de que partidos como PL, PP e PSD precisam votar em bloco em favor do deputado Arthur Lira (PP-AL), líder do Centrão e candidato a presidente da Câmara, para conseguir manter a interlocução com o governo federal. E, dessa forma, poder agraciar prefeitos dessas siglas.

Além disso, integrantes do Centrão já admitem que pretendem pressionar o governo federal a abrir espaço para partidos do grupo em uma eventual reforma ministerial, no início do ano que vem. O assunto foi discutido durante jantar organizado por Arthur Lira na noite de terça-feira (1º).

Uma das pastas cobiçadas pelos partidos é o Ministério da Saúde, hoje comandado pelo general Eduardo Pazuello. Integrantes do Palácio do Planalto também admitiram em caráter reservado à Gazeta do Povo que poderão abrir ainda mais espaço para o Centrão a partir do ano que vem.

DEM e PSDB falam em bloco independente; MDB é incógnita

Já tendo esse tipo de articulação em mente, aliados do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tentam minar a candidatura de Lira. O DEM e o PSDB trabalham com a possibilidade de se unirem em bloco, a partir de fevereiro do ano que vem, para incomodar o governo federal.

O receio de membros do DEM é que uma vitória de Lira possa complicar ainda mais o já difícil acesso que alguns aliados de Maia têm na Esplanada dos Ministérios. Lira é visto nos bastidores como um parlamentar que auxilia seus aliados e dificulta a vida de adversários.

Nesta conta, o MDB também busca uma recolocação no Congresso. Com menos prefeitos eleitos, a visão é que o partido perdeu força, mas ainda é um personagem extremante importante dentro do equilíbrio de forças no Congresso — tanto na Câmara quanto no Senado.

Integrantes do partido, com o deputado federal Hildo Rocha (MA), já defendem nos bastidores que o MDB se aproxime de Bolsonaro após as eleições na Câmara, caso o partido não consiga capitanear uma candidatura do líder da sigla, deputado Baleia Rossi (SP).

Do outro lado, o próprio Rossi já defendeu publicamente que o partido mantenha seu posicionamento independente do Planalto. “Se por um lado, perdemos em influência. Do outro, sofremos um desgaste menor ao não nos vincular diretamente com o Palácio, já que o presidente gera uma crise por segundo”, defendeu em caráter reservado uma importante liderança do MDB à Gazeta do Povo. “Vamos ter cada vez mais, nas próximas eleições, a direita fortalecida. Mas a direita pragmática”, diz o deputado Jerônimo Goergen (PP-RS).

PSL e PT buscam sobrevivência no Congresso

Tidos como dois grandes derrotados das eleições de 2020, tanto o PT quanto o PSL lutam para não perder espaço na Câmara e no Senado. No caso do PT, o receio é maior entre os membros da executiva nacional do que necessariamente entre os deputados.

No caso do PSL, os próprios deputados projetam que metade da bancada não será reeleita em 2022. Além disso, o PSL sofre pelo fato de que nem mesmo os deputados mais fiéis ao presidente Jair Bolsonaro tem conseguido espaço na Esplanada dos Ministérios para obter ajuda a prefeitos e vereadores, dentre outros aliados políticos da sigla.

Por essa razão, membros da Executiva Nacional do PSL tratam como “questão de sobrevivência” o retorno de Bolsonaro ao partido. Há duas semanas, aliados de Bolsonaro sugeriram até ao presidente do PSL, o deputado Luciano Bivar (PE), a troca do nome do PSL para “Aliança”, em alusão ao Aliança pelo Brasil.

Na visão dos bolsonaristas, essa mudança de nome poderia dar uma nova cara ao PSL e ajudar a reforçar o compromisso do partido com a pauta conservadora. A mudança não foi a diante principalmente pela resistência da ala bivarista do PSL, comandada pelo deputado Júnior Bozzella (SP).

Já no PT, enfraquecido após estas eleições, há um receio incipiente de perder espaço para o Psol, que hoje tem uma bancada de 10 deputados. Apesar disso, caciques petistas acreditam que poderão manter sua bancada de 54 deputados em 2022, independentemente de um eventual crescimento do Psol.

Por conta destes aspectos, integrantes da Câmara e do Senado acreditam que os partidos do Centrão terão mais força para ampliar suas respectivas bancadas. No PP, há a expectativa de que a bancada cresça dos atuais 40 deputados para pelo menos 50 em 2022. O PSD também acredita que pode elevar sua bancada nas próximas eleições dos atuais 33 para pelo menos 40. Já o DEM, do atual presidente da Câmara, também projeta eleger entre 30 e 35 parlamentares nas próximas eleições.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • C

    Cidadão Brasileiro

    ± 5 horas

    Hora de reprisar aqueles vídeos da campanha de 2018 com Bolsonaro berrando (literalmente) contra a velha política... na qual agora se lambuza feito mascote do Palmeiras.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • B

      Bmk P

      ± 5 horas

      Eleições municipais são indicativo limitado para 2022. Refletem alteração da percepção política e votação menos ideológica, mas mantendo tendência de esgotamento do discurso de irresponsabilidade fiscal e administrativa, inclusive após a reforma previdênciária. E a tal "independencia" não fez bem ao PSL. Tais fatores influenciarão no Congresso e farão parlamentares repensarem a atuação. Apontar 2020 como antecipação de 2022 é futurologia insólita. A população observará o parlamento e o próximo pleito refletirá o resultado disso no momento da votação. Até lá, parlamentares que priorizem o País e não os próprios interesses. Impor pautas ideológicas pelo STF também pode não favorecer nas urnas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • W

        Walter

        ± 6 horas

        Duas disputas: a de políticos por poder, e a dos eleitores. Cabe a esse último, pelo voto, mandar o recado aos primeiros o que se quer para 2022.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • P

          Paulo César de Castro Silveira

          ± 7 horas

          Teste.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • J

            Joaquim

            ± 17 horas

            Os congressistas irão dar sustentação ao presidente Jair Messias Bolsonaro tem que uma agenda imensa na área da privatização. Enquanto tiver essa onda de Covid todos os estados e prefeituras irão precisar de recursos. Principalmente os prefeitos irão pressionar seus representantes no congresso nacional por recursos. E o presidente vai liberar para quem votar a favor de sua agenda. E uma das principais são as privatizações para desaparelhar o estado, e assim diminuir a força da esquerda! O MDB é um partido experiente, e sabe da força do presidente Bolsonaro. E vai com certeza apoia-lo.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.