i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Estimativas

Quanto o auxílio de Maia a estados e municípios pode custar à União, segundo a IFI

  • 29/04/2020 09:33
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em entrevista coletiva para falar sobre o novo coronavírus.
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em entrevista coletiva para falar sobre o novo coronavírus.| Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

Ponto de divergência entre Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o socorro a estados e municípios aprovado pelos deputados pode custar à União, em um cenário extremo, 3,81% do Produto Interno Bruto (PIB). A estimativa é da Instituição Fiscal Independente (IFI), ligada ao Senado, na Nota Técnica nº 41, divulgada na última sexta-feira (24).

O projeto tende a ser alterado no Senado. O governo e o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), já chegaram a um acordo para um substitutivo, a ser apresentado na quinta (30). Se os senadores realmente alterarem a proposta, no entanto, ela terá de voltar à Câmara para apreciação dos deputados.

Na manhã desta quarta (29), em transmissão ao vivo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o acordo com o Senado envolve o repasse de R$ 120 bilhões a R$ 130 bilhões para estados e municípios. Uma das contrapartidas para o socorro seria o congelamento de salários de servidores por um ano e meio.

O projeto aprovado na Câmara

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 149, de 2019, prevê – na versão aprovada na Câmara – que o governo federal compense estados e municípios pelas perdas com a arrecadação do ICMS e do ISS durante seis meses (de maio a outubro). O objetivo do projeto, que ainda precisa ser apreciado no Senado, é minimizar as perdas econômicas aos entes federativos por conta do novo coronavírus.

O montante a ser compensado seria calculado a partir de uma comparação entre o valor arrecadado em 2020 e o que foi registrado no mesmo período do ano passado. Assim, a distribuição dos recursos seria proporcional à arrecadação de cada ente, com o estado de São Paulo recebendo a maior parte dos recursos (29%). Além disso, 25% das compensações do ICMS seriam destinadas aos municípios, conforme já ocorre normalmente.

Os cálculos da IFI, assinados pelo economista Josué Pellegrini, consideram diferentes cenários a partir do proposto no PLP. As simulações têm duas variáveis: o período com perda de arrecadação (em meses) e o percentual de queda da receita.

Considerando os seis meses previstos no PLP, se estados e municípios perderem o correspondente a 10% de suas receitas, a União teria que repassar R$ 27,905 bilhões aos demais entes federativos, o que corresponde a 0,38% do PIB. No limite – ou seja, se a perda de arrecadação fosse de 100% no mesmo período – o gasto do governo federal seria de R$ 279,046 bilhões, ou 3,81% do PIB.

Queda de receita de estados e municípiosCompensação (R$ bilhões)% PIB
10%27,9050,38
20%55,8090,76
30%83,7141,14
40%111,6181,52
50%139,5231,91
60%167,4272,29
70%195,3322,67
80%223,2373,05
90%251,1413,43
100%279,0463,81

"Pode-se inferir também que cada dez pontos percentuais a mais de perda de receita, geram compensação extra de 0,38% do PIB. Por isso, a perda de 10% de receita produz uma compensação de 0,38% do PIB, enquanto uma perda hipotética de 100% da receita resulta em compensação de 3,8% do PIB", explica o texto.

"Se o número de meses for menor (maior), o tamanho da compensação também diminui (aumenta)", completa a nota. No cenário com menor compensação, considerando três meses com queda de 10% na arrecadação, por exemplo, a ajuda da União seria de R$ 13,763 bilhões, ou 0,19% do PIB.

Compensação tributária se soma à suspensão de dívidas de estados e municípios

Esses cálculos consideram, somente, os valores destinados a cobrir a diferença de arrecadação de ICMS e ISS registrada por estados e municípios durante a crise. O PLP, entretanto, prevê mais um mecanismo de apoio aos entes federativos.

Trata-se da suspensão dos pagamentos da dívida de estados e municípios junto aos bancos públicos (Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES) e à própria União, entre 1º de março e 31 de dezembro. De acordo com a IFI, todos os pagamentos suspensos somam R$ 50,565 bilhões.

Caixa e BNDESBanco do BrasilUniãoTotal
EstadosR$ 10,673 biR$ 2,904 biR$ 32,629 biR$ 46,206 bi
MunicípiosR$ 4,260 biR$ 99 mi- R$ 4,359 bi
TotalR$ 14,933 biR$ 3,003 bi R$ 32,629 bi R$ 50,565 bi

"Vale observar que, embora a dívida junto à União corresponda a R$ 32,6 bilhões do total, parte ou a totalidade do restante pode também, em última instância, recair sobre a União, seja por conta da honra de garantias, seja pela eventual necessidade de capitalização dos bancos, caso as perdas comprometam o capital necessário para a atividade", ressalta o texto.

Outro ponto a ser considerado é que, no caso das dívidas com a União, alguns estados já tiveram as parcelas suspensas por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Além disso, estados como Rio de Janeiro e Minas Gerais já não estavam honrando parte ou o total dos pagamentos. "Apenas parcela pouco expressiva dos pagamentos ainda está sendo feita normalmente", diz a nota.

Cálculos da IFI divergem dos apresentados pelo Ministério da Economia

Os valores previstos pela IFI são um pouco menores do que os divulgados pelo próprio Ministério da Economia. Nos cálculos da pasta, que considerou o cenário de compensação tributária de seis meses, o valor a ser repassado pela União varia entre R$ 30 bilhões e R$ 285 bilhões, dependendo do tamanho da perda na arrecadação. Na simulação de queda mais severa, portanto, a diferença entre a estimativa da equipe de Paulo Guedes e a da IFI é de aproximadamente R$ 6 bilhões.

Considerando a suspensão do pagamento das dívidas, o governo fala em perdas de R$ 9 bilhões, valor bem distinto do apresentado pela IFI. É preciso considerar, porém, as ressalvas feitas pela própria nota técnica, envolvendo pagamentos que já não estão sendo realizados e aqueles que já foram suspensos pelo STF.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    Armando

    ± 1 dias

    Dez cidades mais ricas do Brasil registram mais da metade das infecções e mortes por covid-19

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • E

      Eden Lopes Feldman

      ± 1 dias

      O que mais se destaca nesta situação , e a matéria jornalistica se exime desta face do problema, que os estados e municípios simplesmente estão jogando a responsabilidade dos seus problemas orçamentários para o governo federal , em um ano eleitoral. Deveriam criar mecanismos de controle, redução de despesas, e por que não redução de cargos políticos? Afinal, a iniciativa privada não foi chamada a participar com os bloqueios da quarentena? Milhões não estão perdendo seus empregos? E por que o sistema político não quer colaborar? Poderiam dispensar todos os funcionários comissionados em gabinetes estaduais e municipais . E seria bom por que descobriríamos que não fazem falta nenhuma....

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • M

        Mitinho

        ± 1 dias

        E o Orçamento de Investimentos do GF, ficará como??????

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          Mitinho

          ± 1 dias

          E o Orçamento de Investimentos do GF, ficará como??????

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • M

            Marcos eisenschlag

            ± 1 dias

            Giulia Fontes, cade a materia sobre a PF ter intimado o Jeans Wyllis a depor no caso Adelio??

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • E

              elisangela alves laranjeira

              ± 1 dias

              Nesse movimento de Rodrigo Maia e do Congresso Nacional, estamos com eles. Aliás, vem dando show de bola. Maia 7 x 1 Bolsonaro. Devemos muito ao Congresso e aos Governadores pelas decisões tomadas diante da pandemia. Seremos gratos.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              Fim dos comentários.