i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Julgamento é hoje

STF julga uso de dados de telefonia pelo IBGE. O que OAB e partidos alegam contra MP

  • Brasília
  • 06/05/2020 08:34
Ministra Rosa Weber suspendeu o compartilhamento de dados de telefonia dos brasileiros. Plenário do STF julga nesta quarta-feira (6) se mantém a decisão ou não.
Ministra Rosa Weber suspendeu o compartilhamento de dados de telefonia dos brasileiros. Plenário do STF julga nesta quarta-feira (6) se mantém a decisão ou não.| Foto: Pixabay

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julga nesta quarta-feira (6) cinco Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADI) que questionam a medida provisória 954/2020, editada pelo presidente Jair Bolsonaro em abril. A MP determina que dados de telefonia móvel e fixa sejam enviados pelas companhias telefônicas ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) para dar suporte à produção estatística oficial durante a pandemia do novo coronavírus no Brasil.

A MP editada por Bolsonaro diz que as empresas devem disponibilizar à Fundação IBGE a relação de nomes dos clientes, números de telefone e endereços dos consumidores, pessoas físicas ou jurídicas. Os dados compartilhados, segundo o texto, serão utilizados para a produção de estatística oficial por meio de entrevistas domiciliares não presenciais. O texto proíbe que o IBGE forneça os dados obtidos a outras empresas, públicas ou privadas, e a órgãos ou entidades da administração pública.

A medida foi questionada no STF pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e por quatro partidos políticos: PSDB, PCdoB, Psol e PSB. A MP está suspensa por uma decisão liminar da ministra Rosa Weber, relatora das ADIs no STF. Agora, o plenário vai analisar se mantém ou não a proibição para o envio de dados ao IBGE.

Por que o compartilhamento de dados com o IBGE é polêmico

Segundo os autores das ADIs, a MP viola os dispositivos da Constituição que asseguram a dignidade da pessoa humana, a inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas, o sigilo dos dados e a autodeterminação informativa.

A OAB sustenta em seu pedido que não há no texto da medida provisória qualquer vinculação necessária entre a finalidade para a qual serão empregados os dados coletados e a situação de emergência de saúde pública.

Para o PSDB, não há proporcionalidade na regra, que permite uma concentração de informações no Estado referente ao indivíduo e, principalmente, à coletividade.

O PSB observa que, ao promover a disponibilização desregulamentada de dados pessoais, a MP possibilita a criação de uma estrutura de vigilância pelo Estado, que poderia viabilizar interferências ilegítimas sobre os cidadãos.

Já o Psol argumenta que a norma não é razoável porque, para pesquisa estatística, realizada por amostragem, não há necessidade dos telefones e dos endereços de todos os brasileiros.

Por fim, o PCdoB afirma que "a inviolabilidade da intimidade e da vida privada das pessoas, como a inviolabilidade do sigilo de suas correspondências e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, assegurada constitucionalmente, só encontra uma exceção” para fins de investigação criminal ou instrução processual penal. O partido também alega que o IBGE tem expertise e experiência suficiente para que possa realizar pesquisas "sem necessitar utilizar-se de agressões tão expressivas contra direitos e garantias dos cidadãos”.

O que diz o IBGE sobre o compartilhamento de dados de telefonia

A ministra Rosa Weber pediu explicações ao IBGE e à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) sobre a MP editada por Bolsonaro.

O IBGE defendeu a "necessidade de continuidade do recolhimento de dados para a produção de pesquisas oficiais durante a pandemia de Covid-19". Segundo o instituto, "o compartilhamento de dados determinado pela MP não se confunde, absolutamente, com o chamado 'rastreamento' de clientes, nem haverá qualquer acesso ao conteúdo de comunicações telefônicas".

Os dados fornecidos, segundo o IBGE, serão apenas nome, número de telefone, e endereço, que serão usados apenas “para viabilizar a ligação e realizar a pesquisa — isto é, garante-se o uso exclusivo dessas informações para fins estatísticos”.

Já a Anatel afirmou que o compartilhamento de dados previsto na MP parte do pressuposto de relacionamento direto do IBGE e das empresas de telecomunicações e não há motivos para "se cogitar no repasse de dados à agência reguladora em qualquer etapa da concretização do objeto do ato normativo".

A Anatel reforçou que não é beneficiária da MP, não tem acesso aos dados hoje e não passará a ter após a medida provisória e, portanto, "não irá manipular esses dados de nenhuma forma".

O que argumentou a ministra na decisão

Ao determinar a suspensão da MP, Rosa Weber destacou que as informações tratadas na MP estão no âmbito de proteção constitucional que ampara o direito à intimidade, à vida privada, à honra e à imagem das pessoas. Ela destacou que a MP não prevê mecanismos e procedimentos para assegurar o sigilo, a higidez e o anonimato dos dados compartilhados.

A ministra do STF destacou que não se subestima a gravidade e a urgência da pandemia de coronavírus no Brasil e a necessidade de se formular políticas públicas para combatê-la. No entanto, ela avaliou que o combate à pandemia não pode legitimar “o atropelo de garantias fundamentais consagradas na Constituição”.

A ministra acatou o pedido de liminar feito pela OAB e pelos partidos políticos "a fim de prevenir danos irreparáveis à intimidade e ao sigilo da vida privada de mais de uma centena de milhão de usuários dos serviços de telefonia fixa e móvel".

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Roberto Garcia

    ± 0 minutos

    Pra cada dez foras a OAB da uma dentro. A privacidade não pode ser violada. Pena que não se sabe a real intenção desse pessoal.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    Humberto Edson Cervelin

    ± 1 horas

    A OAB é uma instituição que se transformou em militância política de esquerda. Está a serviço de partidos de esquerda, de ladrões, corruptos, aliás é dirigida por um. Deve ser extinta ou substituída por outra que de fato represente a maioria dos advogados, classe que por isso e outras hoje tem um conceito moral baixíssimo

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Antonio Cousseau

    ± 2 horas

    O BRASILEIRO ESPERA QUE A OAB NÃO HAJA COMO NO CASO DO ADÉLIO, QUE OS ADVOGADOS DO CASO PEDIRAM AO STF PARA QUE NÃO HOUVESSEM A SUA QUEBRA DE SIGILO DOS SEUS CELULARES. SERIA PARA ISSO QUE SERVIRIA A OAB A QUEM SERVIU ESSA AÇÃO?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]