i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Salles versus militares

Disputa por verba contra queimadas expõe “racha” na política ambiental do governo

  • PorGazeta do Povo
  • 29/08/2020 11:30
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que os colegas Braga Netto e Luiz Eduardo Ramos tiraram dinheiro para combate a queimadas. Criticado por Mourão, disse não ter se precipitado.
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que os colegas Braga Netto e Luiz Eduardo Ramos tiraram dinheiro para combate a queimadas. Criticado por Mourão, disse não ter se precipitado.| Foto: Gilberto Soares/MMA

A disputa por verbas travada na sexta-feira (28) entre o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e ministros do "núcleo militar" expôs uma divisão na política ambiental do governo federal.

Criticado por ambientalistas desde o início da gestão e considerado por alguns colegas como um empecilho ao fechamento de acordos comerciais com outros países – ainda mais depois de falar em "passar a boiada" para modificar o regramento ambiental –, Salles veio a público denunciar o corte de verbas para o combate a queimadas. O bloqueio segundo ele, paralisaria todas as operações na Amazônia, Pantanal e demais regiões do país já a partir de segunda-feira (1.º).

Geralmente tido como "vilão" do meio ambiente, Salles acabou ficando no papel de "mocinho" nessa novela, lutando por recursos para enfrentar os incêndios, em contraposição aos generais Braga Netto (ministro da Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Hamilton Mourão (vice-presidente da República e presidente do Conselho da Amazônia).

O remanejamento de pouco mais de R$ 60 milhões destinados a Ibama e Instituto Chico Mendes (ICMBio), segundo Salles, teria sido feito a pedido de Braga Netto e Ramos. Após divulgar nota anunciando a paralisação das operações, Salles foi criticado por Mourão, que viu "precipitação" na conduta do ministro. O ministro, no entanto, bateu o pé e conseguiu desbloquear os recursos. As operações, assim, vão continuar.

Em resposta a Mourão, Salles afirmou não ter se precipitado. Contou ter sido informado na quinta (27) sobre possível bloqueio de R$ 20 milhões, mas que no dia seguinte foi surpreendido pela suspensão de mais de R$ 60 milhões. "[O bloqueio] está documentado no sistema, não tem discussão", disse ao jornal "Valor Econômico".

Ele afirmou que o bloqueio não poderia ter ocorrido de forma alguma porque o dinheiro é gasto conforme as operações se desenrolam. E disse que a repercussão negativa colaborou para a rápida solução. "Não podemos ficar nem um dia sem o recurso (...) São recursos que estão em pleno andamento."

Na nota em que anunciou o bloqueio, no fim da tarde, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) avisou que a medida provocaria a desmobilização de:

  • 1.346 brigadistas, 86 caminhonetes, 10 caminhões e 4 helicópteros no combate às queimadas no âmbito do Ibama;
  • 77 fiscais, 48 viaturas e 2 helicópteros no combate ao desmatamento ilegal no âmbito do Ibama;
  • 459 brigadistas e 10 aeronaves Air Tractor que atuam no combate às queimadas, no âmbito do ICMBio; e
  • 324 fiscais nas operações de combate ao desmatamento ilegal do ICMBio.

Mais tarde, às 19h54, o MMA publicou uma atualização, informando que "houve o desbloqueio financeiro dos recursos do Ibama e ICMBIO e que, portanto, as operações de combate ao desmatamento ilegal e às queimadas prosseguirão normalmente".

Salles tentou demarcar território após "fritura"

De acordo com o jornal "O Estado de S. Paulo", as notas e declarações do ministro no episódio foram vistas na Esplanada como uma tentativa de demarcar território, depois de ser alvo nos últimos meses de uma "fritura" atribuída justamente a ministros militares. Eles veriam na política ambiental conduzida por ele um empecilho à assinatura e evolução de tratados comerciais.

A condução da área ambiental no Brasil tem sido usada por europeus como pretexto para não ratificar o acordo entre União Europeia e Mercosul. E, nos últimos meses, investidores e empresas estrangeiras fizeram uma enxurrada de manifestações de preocupação com a agenda ambiental do governo brasileiro.

Fundos chegaram a afirmar que a continuidade do desmatamento provoca "incerteza generalizada sobre as condições para investir ou fornecer serviços financeiros ao Brasil", e pode fazer com que os títulos soberanos brasileiros "sejam considerados de alto risco".

Empresários mencionaram risco de suspender compras de produtos brasileiros. No início de julho, uma empresa norueguesa excluiu uma subsidiária da Cargill da lista de fornece​dores, em retaliação ao desmatamento ilegal na Amazônia.

Em resposta, o governo intensificou o contato com empresários e investidores. Presidente do Conselho da Amazônia e comandante da Operação Verde Brasil 2, o vice Hamilton Mourão tomou a frente dessa missão, deixando Salles em segundo plano.

Admitindo que os investidores internacionais querem "ver resultados" no combate ao desmatamento, o vice-presidente passou a concentrar a divulgação de ações do governo no meio ambiente.

Enquanto isso, Salles, em diferentes oportunidades, manteve o discurso de que o Brasil é exemplo para o mundo na preservação ambiental – em entrevista à Gazeta do Povo, afirmou que europeus, asiáticos e os Estados Unidos devem ao país US$ 100 bilhões em créditos de carbono.

A tese de que o Brasil é referência é defendida pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. No início do mês, Guedes subiu o tom num evento internacional: "Entendemos a preocupação de vocês [norte-americanos], porque vocês desmataram suas florestas", afirmou.

Mas, em alguns momentos, Salles optou por um tom mais comedido. Em julho, por exemplo, reconheceu ser "justa" a percepção sobre o meio ambiente no Brasil e prometeu estreitar relações com a iniciativa privada e países europeus para debater soluções completas para a Amazônia. "Que há interesses comerciais entre países e mercados, não tem dúvida. Mas se soma a isso uma percepção da sociedade e consumidores sobre o tema ambiental, percepção essa que é justa", disse na ocasião.

Nesta semana, o ministro fez cobranças ao setor produtivo. Em videoconferência promovida pela Sociedade Nacional da Agricultura (SNA), destacou que o agronegócio exportador que se beneficia da Amazônia e quer preservar sua imagem de sustentabilidade frente ao mundo deveria "partilhar parte de sua receita com exportações" para ajudar a preservar a região.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • K

    Klin

    ± 20 horas

    Neste governo nunca houve política ambiental. Aliás, houve e há uma forte determinação de esvaziar todo o ministério.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    IvoHM

    ± 23 horas

    Salles é o melhor ministro de meio ambiente que já tivemos. Bate de frente com as ONGs internacionais, patrocinadas pelos governos globalistas. Infelizmente parece que os positivistas do Comando Maluco preferem o globalismo ao conservadorismo. Não podemos perder o Salles.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • I

      IvoHM

      ± 9 horas

      Só esperando para cobrir a vaca da tua progenitora.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • P

      PAULO 1950

      ± 19 horas

      Muuuuuu

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    José Neto

    ± 24 horas

    Esse Ricardo Salles é o oposto do Ministro Tarcísio. Não me consta que tenha sido “fritado”. Pelo menos por parte do PR. Mas que é um obstáculo quase intransponível para a melhoria da imagem do Brasil, e consequentemente para o crescimento do agronegócio, disso ninguém duvida. 18 meses de ministério sem apresentar qualquer resultado positivo. Com todo o respeito ao PR, mas a demissão de Salles está passando da hora. Dê logo uma canetada Presidente. Pode até deixar um General “respondendo” até a nomeação do novo ministro.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo

    ± 1 dias

    Sales não sabe trabalhar em equipe. Brigou com seu partido, brigou com os estrangeiros, brigou com os brasileiros, brigou com o próprio governo...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    ewz

    ± 1 dias

    Ainda não demitiu? O que estão esperando.... A boiada passar?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.