Governo anuncia medidas par acabar com a fila de espera do INSS
Governo anuncia medidas par acabar com a fila de espera do INSS| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo
Apuração em andamento
Este conteúdo é sobre um fato que ainda está sendo apurado pela redação. Logo teremos mais informações.

Antes mesmo da aprovação da reforma da Previdência, houve uma corrida aos postos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para a concessão do benefício. O resultado foi a formação de uma fila – a estimativa do governo é de que atualmente há 1,9 milhão de pedidos de aposentadoria que ainda não foram respondidos pelos técnicos da Previdência – desses, 1,3 milhão de pedidos ultrapassaram o limite de 45 dias. Para normalizar o tempo de espera, o governo anunciou nesta terça-feira (14) a publicação de um decreto nos próximos 15 dias, que vai explicitar e regulamentar as mudanças no sistema previdenciário e trará uma série de propostas para a desburocratização do atendimento.

O anúncio foi feito por parte da equipe econômica, incluindo o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, e o presidente do INSS, Renato Vieira, nesta terça, em Brasília. De acordo com Marinho, o decreto que sairá nos próximos 15 dias dará mais segurança jurídica na aplicação das normas que foram modificadas na reforma da Previdência. Entre as ações, está a convocação de até 7 mil militares da reserva para auxiliarem no atendimento em postos do INSS.

A partir da publicação do decreto, as medidas deverão ser implementadas até abril. A expectativa do governo é de que a fila de espera esteja "zerada" até setembro. Em média, o INSS recebe cerca de 980 mil pedidos de concessão de benefícios por mês. A tendência é de que essa média continue, mas os processos não ultrapassem os 45 dias do prazo.

Ações para garantir agilidade no atendimento do INSS

As ações anunciadas seguem a mesma direção de outras forças-tarefas já organizadas pelo Executivo, ainda que tivessem como objetivo o combate às fraudes previdenciárias. Para agilizar a análise dos pedidos de aposentadoria, haverá pagamento de bônus de produtividade a servidores, avanço na digitalização de documentos e até mesmo a participação de militares da reserva, que vão assumir funções de atendimento nas agências do INSS.

Esse reforço no atendimento contará com a presença de até 7 mil militares. Um decreto será publicado ainda essa semana para permitir essa operação. Os militares que aderirem à força-tarefa vão receber um adicional de 30%. O governo estima que a participação dos militares custará R$ 14,5 milhões por mês. De acordo com Marinho, será feito um remanejamento no orçamento para dar conta desse acerto financeiro.

O governo também vai implementar restrições às cessões de servidores do INSS para outros setores. Além disso, haverá uma força-tarefa para realização de perícia nos casos de 1.514 servidores do órgão que estão afastados.

Atualmente, a fila de pedidos de aposentadoria em análise soma quase 2 milhões de pedidos – ao longo de 2019, esse número atingiu 2,3 milhões em julho, no auge. O governo já havia detectado dois obstáculos que influenciaram o represamento de pedidos: a fila herdada de 2018 e o atraso da Dataprev para desenvolver o novo sistema do INSS para análise de benefícios, já adequado às regras vigentes após a aprovação da reforma da Previdência.

Análise de pedidos de aposentadoria virou assunto urgente

O assunto virou urgente após o crescimento das reclamações sobre a demora na análises nos pedidos de benefícios. A avaliação do governo é de que não era mais possível lidar com o problema sem estabelecer prazos específicos.

O INSS tem dificuldades para destravar a análise dos pedidos recebidos em 2018. Nesse ano, o processo de digitalização do órgão começou de forma "atabalhoada", de acordo com fontes. Isso significa que ficou mais fácil pedido os benefícios, mas o ritmo de análises não aumentou, o que causou o represamento de 1 milhão de pedidos.

Em 2019, foi fixado um sistema de bônus de produtividade e metas para os servidores, o que fez com que fosse possível analisar mais pedidos do que o número de novas solicitações a partir de agosto. Ainda assim, as medidas não foram suficientes para zerar o passivo.

Por lei, nenhum segurado deve esperar mais de 45 dias para que seu pedido de benefício seja analisado pelo INSS. Atualmente o prazo está em 120 dias. Outro fator é o de baixas no quadro de pessoal do INSS: em 2019, mais de 5,7 mil servidores do órgão se aposentaram.

*com informações do Estadão Conteúdo


3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]