i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Julgamento em plenário

Por que o STF decidiu tirar as ações penais da Lava Jato da Segunda Turma?

  • Brasília
  • 07/10/2020 20:26
Plenário do STF vai voltar a julgar ações penais e inquéritos, como os da Lava Jato, uma prerrogativa que até então era das duas turmas da Corte.
Plenário do STF vai voltar a julgar ações penais e inquéritos, como os da Lava Jato, uma prerrogativa que até então era das duas turmas da Corte.| Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (7) devolver ao plenário a atribuição de julgar ações penais e inquéritos que envolvam réus com foro privilegiado. A proposta foi apresentada pelo presidente da Corte, ministro Luiz Fux, e aprovada por unanimidade pelos demais magistrados. Apesar de o motivo oficial para a mudança ter sido o desafogo da pauta após a restrição da prerrogativa de foro de políticos, a alteração pode ser interpretada como uma vitória para a Lava Jato, que vinha sofrendo duras derrotas na Segunda Turma do STF, responsável por julgar os casos da operação.

Procuradores da Lava Jato no Paraná, porém, evitam comemorar a mudança por achar cedo demais. Apesar de parecer positiva em um primeiro momento, a decisão do Supremo, na avaliação de integrantes do grupo, engessa a ação penal e permite pedidos de vista intermináveis, sem prazo para retorno do julgamento. “Melhor esperar um pouco antes de comemorar”, disse um integrante da força-tarefa à Gazeta do Povo.

Fux é um dos ministros mais alinhados com a Lava Jato no STF e a mudança que o presidente do STF conseguiu emplacar nesta quarta-feira (7) é a primeira boa notícia para a força-tarefa em meses, mesmo que seja vista com ressalvas pelo grupo de Curitiba. O presidente do Supremo é o único que não participa de nenhuma das turmas e só vota em casos julgados no plenário. Com os julgamentos da Lava Jato no plenário, a operação mantém o voto de um aliado.

A operação vinha sofrendo sucessivas derrotas na Segunda Turma do STF, que até então era responsável por julgar os casos. O ministro Celso de Mello, que se aposenta na semana que vem, era um voto importante em praticamente todos os julgamentos porque ora votava a favor da Lava Jato, ora a favor dos réus. Na ausência dele, por causa de uma licença médica, muitos julgamentos terminaram empatados, o que, segundo o regimento interno, favorece os réus. 

Com a aposentadoria de Celso de Mello, quem assume o lugar dele na turma é o novo ministro indicado pelo presidente Jair Bolsonaro. Na semana passada, Bolsonaro tornou pública a escolha do desembargador Kassio Nunes Marques para a vaga, que será sabatinado no Senado — formalidade necessária antes da nomeação.

Kassio Nunes Marques é visto como um magistrado “garantista”, alinhado com as teses defendidas por Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, membros da Segunda Turma e ferrenhos críticos da Lava Jato. Juntos, os três conseguiriam impor derrotas significativas nos julgamentos referentes à operação.

Mudança na regra altera correlação de forças no STF sobre a Lava Jato

A decisão de mandar para o plenário o julgamento de ações penais e inquéritos altera a correlação de forças no STF e pode beneficiar a Lava Jato. Os julgamentos de recebimento de denúncias e de políticos réus na operação tende a terminar com placares mais acirrados, com diferença de um ou dois votos.

Com a decisão no plenário, a Lava Jato ganha o reforço dos votos dos ministros da Primeira Turma, como Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, que tendem a ser mais duros com os réus. Em alguns casos, a ministra Rosa Weber também pode se alinhar aos dois. Há, ainda, os votos de Edson Fachin, relator da operação, da ministra Cármen Lúcia e do presidente Luiz Fux, que são defensores das teses da operação.

Já a ala “garantista”, que tende a ser mais crítica à Lava Jato, é composta pelos ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello. Essa ala deve ser reforçada com a chegada de Kassio Nunes Marques ao Supremo.

Restrição do foro privilegiado desafogou plenário do STF

O motivo exposto por Fux para promover a mudança, porém, não foi a Lava Jato, e sim a restrição ao foro privilegiado de políticos, que teria desafogado o plenário do STF.

Desde 2014, os julgamentos de ações penais eram responsabilidade das duas turmas do STF — cada uma com cinco ministros. Isso ocorreu depois do julgamento do mensalão, que envolveu 37 réus e levou 69 sessões do STF, entre agosto de 2012 e dezembro de 2013, para ser julgado. Para evitar trancar a pauta do plenário, as ações penais passaram a ser julgadas pelas turmas.

Ao propor que os casos voltem a ser analisados pelos 11 ministros, Fux argumentou que atualmente "a situação é diferente” porque já não há mais congestionamento de processos no plenário.

O número de casos penais no Supremo caiu desde 2018, quando o STF decidiu limitar a prerrogativa de foro para atos cometidos por políticos durante o mandato e em razão dele. Com isso, muitos casos foram remetidos à primeira instância.

O ministro Celso de Mello, que se aposenta na semana que vem, concordou com a mudança. “A razão básica foi o movimento excessivo de feitos. Exemplo mais recente, a ação penal 470. Levamos quase seis meses com sessões virtualmente diárias, discutindo, julgando, e comprometendo o exercício pelo tribunal de seu poder jurisdicional. Hoje, no entanto, houve redução drástica. A mim, me parece que o retorno ao plenário restabelece uma situação tradicional. Tem também a marca da racionalidade, porque agora são as turmas que estão se inviabilizando”, afirmou o decano do STF.

Mudança pode acabar com diferença de interpretações entre as Turmas

Celso de Mello também chamou a atenção para o diferente posicionamento das turmas do STF. A Primeira Turma, formada pelos ministros Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Luís Roberto Barroso, Marco Aurélio e agora Dias Toffoli (que ocupou o lugar que era de Fux), costuma ser responsável por decisões mais duras com os réus.

Já a Segunda Turma, composta por Edson Fachin, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia e Celso de Mello, tem imposto derrotas significativas à Lava Jato, principalmente durante a ausência do decano, que esteve em licença médica nas últimas semanas e está para se aposentar. 

Segundo Celso de Mello, “a proposta [de Fux] tem outra grande virtude que é a de evitar o dissídio jurisprudencial [decisões diferentes] entre as turmas em matéria tão sensível como é a matéria penal, que envolve a questão da liberdade individual. Porque hoje notamos que há divergências interpretativas em matéria penal e matéria processual penal entre duas turmas que compõem o STF".

Para Andrew Fernandes Farias, advogado criminalista e sócio do Bayma e Fernandes Advogados Associados, a mudança é positiva por garantir segurança jurídica aos réus. “É uma medida muito bem-vinda, porque ela preza pela segurança jurídica e pela estabilidade. O efeito principal dessa alteração regimental é que as ações penais originárias e os inquéritos daqueles que possuem foro por prerrogativa de função na Suprema Corte serão processados e julgados pelo plenário e não mais pelas turmas”. Segundo ele, isso “evita o rompimento com a isonomia”.

Segunda Turma ainda terá papel importante para a Lava Jato

Apesar da mudança no Regimento Interno da Corte, a Segunda Turma continua tendo um papel importante para os casos da Lava Jato. Isso porque apenas inquéritos e ações penais vão passar pelo crivo do plenário. Os 11 ministros vão decidir se abrem ou não ação penal contra denunciados e serão responsáveis pelos julgamentos dos réus.

Mas as turmas ainda ficam com a atribuição de julgar habeas corpus, por exemplo. O que pode significar que prisões decretadas pela Lava Jato podem durar pouco, por causa da composição do colegiado e já que haverá um desafogo na pauta do colegiado.

“Regra geral, aqueles processos que chegarem ao Supremo Tribunal Federal via recurso, por exemplo o extraordinário, que saiam da primeira ou da segunda instância e cheguem ao STF, regra geral, vão continuar sendo julgados pelas turmas”, explica Farias.

A Segunda Turma também vai ter um papel importante na definição do futuro político do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Os ministros devem julgar um habeas corpus no qual o petista pede a suspeição do ex-juiz federal Sergio Moro para julgá-lo.

“A suspeição do ex-juiz Sergio Moro não será julgada no plenário, por não se tratar de ação penal originária no STF, que trata de processo contra pessoas detentoras de prerrogativa de função. Portanto, o julgamento deve ocorrer na 2º Turma, caso não seja afetada ao plenário pelo relator, o que não parece ser o caso”, explica Thiago Turbay, advogado criminalista sócio do Boaventura Turbay Advogados.

A defesa de Lula argumenta que Moro foi parcial e agiu politicamente contra Lula e pede a anulação da sentença proferida pelo ex-juiz no caso do tríplex no Guarujá. Os advogados também querem que os ministros estendam a decisão para anular a sentença do caso do sítio em Atibaia, que foi proferida pela juíza Gabriela Hardt, mas cujo processo foi conduzido por Moro.

Se os ministros atenderem ao pedido da defesa e as sentenças forem anuladas, Lula pode voltar a concorrer em eleições, já que deixaria de ser ficha suja. Cármen Lúcia e Edson Fachin já votaram contra a concessão do HC. O ministro Gilmar Mendes pediu vista (mais tempo para analisar o caso) e pode devolver o recurso para julgamento a qualquer momento. A tendência é que ele e Lewandowski votem a favor de Lula. Se o caso terminar empatado, as sentenças serão anuladas.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • C

    Camargo

    ± 22 horas

    Pelo que se veicula na mídia , o Ministro Gilmar Mendes está sob importante suspeição que o inabilita a participar de qualquer julgamento decorrente das operações da “lavajato”

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    CARLOS ROBERTO TEIXEIRA

    ± 22 horas

    E eu que votei e apoiei até comprei brigas pelo Bolsonaro e ele diz ontem com a maior cara de pau que foi ele que acabou com a lava jato e que não tem mais corrupção no Brasil. Está de brincadeira. Nunca mais terá o meu apoio.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • M

      Marco Polo

      ± 22 horas

      Duvido muito que com esse tipo de papo, que se verdadeiro espelha sua capacidade cognitiva, tenhas votado em Bolsonaro. Se assemelhas mais a um adolescente, sem preparo e experiência, que ainda subestima o próximo como se estivesse com os tias e tias das escolas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Cristian carla a. Volski cassi

    ± 23 horas

    os pedidos de "vistas intermináveis" é absurdo! Corruptos e ladrões do erário usam desse dinheiro para pagar advogados a peso de ouro e barrar os julgamentos. Isso precisa ter um fim!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • B

      Bussola

      ± 22 horas

      O que aconteceria se Fachin pedisse vistas no processo? Ele pode fazer isto?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marco Polo

    ± 24 horas

    Fux corrigiu um desvio regimental. No entanto, não altera a formação, concepção, formação, preparo, competência e o grau de militância ativa dos membros do STF. Tornar o STF um órgão de fato útil ao País, nos impõe mudanças na forma pela qual alguém é levado à Ministro daquela Casa, do término da vitaliciedade e de maneiras mais operacionais de exercermos o impeachment daqueles que não atendem mais aos interesses constitucionais.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JJP

    ± 1 dias

    tenho minhas dúvidas, tem muito bandido no 5tf..... ministro 'garantista' significa ministro que é amigo e que absolve político e de empresário corrupto

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • L

      LuizMG

      ± 24 horas

      Concordo com sua definição de “Garantista”. Também acho que é um apelido, inventado, para nomear protetores de corruptos/amigos, garantindo não punições.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.