Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O ex-presidente Lula, do PT. Foto: Miguel Schincariol/AFP
Lula está preso há um ano, em Curitiba, condenado no caso do tríplex. Foto: Miguel Schincariol/AFP| Foto:

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, derrubou nesta quinta-feira (18) a decisão que proibia veículos de imprensa de entrevistarem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na prisão. O petista está preso há um ano, em Curitiba, pela condenação no caso do tríplex do Guarujá.

Toffoli alegou que a liminar perdeu a razão de existir porque a ação que a originou, impetrado pelo partido Novo, teve o trânsito em julgado proferido em novembro do ano passado.

Um mês antes, o ministro Luiz Fux suspendeu uma liminar concedida pelo colega Ricardo Lewandowski que autorizava o jornal Folha de São Paulo a entrevistar o petista na cadeia.

Vice-presidente do STF, Fux não apenas cassou a permissão como disse que, se a entrevista já tivesse sido realizada, sua divulgação estaria censurada, estabelecendo uma censura prévia que é expressamente proibida pela Constituição.

Leia também: As algemas de Cabral – como Gilmar Mendes inspirou Toffoli a abrir inquérito no STF

Na ocasião, o ministro alegou que a entrevista poderia causar desinformação às vésperas da eleição presidencial – faltavam dez dias para o pleito em primeiro turno.

Pré-candidato a presidente pelo PT, Lula teve a candidatura cassada pela Justiça Eleitoral meses antes, com base na Lei da Ficha Limpa. Ele tinha sido condenado criminalmente em janeiro, por um tribunal colegiado (o TRF-4), no caso do tríplex do Guarujá.

Leia também: Após reajuste do diesel, parte dos caminhoneiros ameaça fazer greve nos próximos 10 dias

O veto do STF à entrevista de Lula durou sete meses e foi revogada agora na esteira da crise institucional aberta com o inquérito que investiga casos de fake news contra ministros do Supremo.

Uma decisão dessa investigação, cujo relator é o ministro Alexandre de Moraes, censurou na segunda-feira (15) uma reportagem da revista Crusoé e do site O Antagonista que citava o presidente da Corte, Dias Toffoli. Nesta quinta, contudo, Moraes recuou diante da repercussão negativa e liberou a volta da publicação aos ambientes virtuais dos jornais.

Leia a decisão na íntegra

43 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]