Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), leu o requerimento de abertura da CPI da Covid nesta terça-feira (13).
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), leu o requerimento de abertura da CPI da Covid nesta terça-feira (13).| Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), leu o requerimento que cria a CPI da Covid na sessão deliberativa desta terça-feira (13). A instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito ocorreu por ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, que expediu na última quinta-feira (8) uma liminar após mandado de segurança impetrado pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Cidadania-GO).

O pedido de abertura da CPI ficou 63 dias à espera de uma decisão de Pacheco, que se recusava a dar prosseguimento ao requerimento do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) por considerar o momento "inapropriado".

Ao ler o requerimento de abertura, Pacheco tentou delimitar a atuação da comissão. O objetivo da CPI passa a ser investigar supostas omissões do governo Jair Bolsonaro no combate à pandemia do novo coronavírus, além de possíveis desvios de recursos públicos federais destinados aos estados e municípios. Na prática, isso deixa aberta uma brecha para investigar a atuação de governantes locais.

Nos últimos dias, o governo e sua bancada trabalharam para ampliar o foco das CPIs para apurar omissões também de prefeitos e governadores. Um novo pedido de CPI da Covid "ampliado", elaborado pelo senador Eduardo Girão (Podemos-CE), reuniu 45 assinaturas para sua apresentação.

Mas a Secretaria-Geral da Mesa do Senado, provocada por Pacheco, informou que a comissão não pode investigar prefeitos e governadores, o que é uma incumbência das Assembleias Legislativas e das Câmaras Municipais, mas apenas atos do governo federal. O Regimento Interno do Senado veda que assuntos relativos aos estados não podem ser apurados por comissão parlamentar. Diante disso, o presidente do Senado decidiu unir os dois pedidos de CPI e informou que apenas a destinação de verbas federais aos estados e municípios poderá ser alvo de investigação na CPI.

Defensores do governo e mesmo parlamentares de centro sugeriram a expansão do foco da CPI da Covid por causa das suspeitas de irregularidade e desvios de dinheiro público no enfrentamento ao coronavírus em estados e municípios. Pelo menos 76 operações foram deflagradas pela Polícia Federal, desde o início da pandemia, e abrangem autoridades estaduais e municipais.

O que vem agora depois da instalação oficial da CPI da Covid

Com a leitura do requerimento de abertura da CPI da Covid, abre-se um período de dez dias para as indicações partidárias dos parlamentares que irão compor o colegiado de acordo com a regra da proporcionalidade. Serão 11 titulares e sete suplentes.

Os nomes de dez titulares da Comissão Parlamentar de Inquérito já são conhecidos: cinco são da oposição e os outros cinco, do bloco governista. Apenas a indicação do bloco DEM/PL/PSC ainda é desconhecido.

O bloco do MDB/PP/Republicanos terá direito a três vagas. Crítico do governo, o senador Renan Calheiros (AL) deve ser um dos indicados pelo MDB. O outro é Eduardo Braga (AM). Pelo PP, Ciro Nogueira (PI) deverá ocupar a outra vaga.

O bloco Cidadania/Rede/PSB/PDT terá uma vaga de titular que será ocupada por Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do pedido da CPI. O bloco PT/Pros também terá uma vaga. Ficou definido que Humberto Costa, ex-ministro da Saúde no governo Dilma, será o representante petista.

Pela proporcionalidade, o PSD terá duas vagas que serão preenchidas por Omar Aziz (AM) e Otto Alencar (BA). Já o bloco formado por PSDB/Podemos/PSL terá direito a três vagas na comissão. Tasso Jereissati (CE) pelo lado dos tucanos e Eduardo Girão (CE) e Marcos do Val pelo lado do Podemos.

Nesta quarta-feira (14), o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) se reúne para analisar a liminar concedida pelo ministro Luís Roberto Barroso. A expectativa é de que a decisão que mandou o Senado abrir a CPI da Covid seja referendada pelos demais ministros da Corte.

Depois disso, a comissão deve agendar a primeira reunião para eleger o presidente e o relator da CPI. Há dúvidas ainda se as sessões serão presenciais ou remotas. Pacheco defende que os trabalhos da comissão devem ocorrer presencialmente.

34 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]