Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Lula vota no último domingo (15) em São Bernardo do Campos (SP): ex-presidente, que capitaneou ascensão do PT, agora vê o partido diminuir de tamanho.
Lula vota no último domingo (15) em São Bernardo do Campos (SP): ex-presidente, que capitaneou ascensão do PT, agora vê o partido diminuir de tamanho.| Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas

O PT voltou 20 anos no tempo. Nas eleições municipais de 2000, dois anos antes da primeira eleição de Luiz Inácio Lula da Silva e do início da “dinastia” petista, o partido fez 174 prefeitos. Agora, findado o primeiro turno das eleições municipais de 2020, o partido conquistou praticamente a mesma quantidade de prefeitos: 183.

Para completar o cenário, o partido não elegeu nenhum candidato no segundo turno nas duas capitais em que ainda estava na disputa. É a primeira vez que o PT, o maior partido de esquerda do Brasil, fica sem nenhuma capital para governar. Findada a votação, o resultado é que o PT regrediu no tempo.

Dos 174 prefeitos eleitos 20 anos atrás, o PT aumentou seu tamanho para 400 prefeituras em 2004. Em 2008, saltou para 557 municípios. Em 2012, estendeu seu poder para 644 prefeituras. Com seus principais caciques desgastados pela Lava Jato e o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o primeiro tombo veio nas eleições municipais de 2016, quando recuou para 256 prefeitos eleitos.

O encolhimento do PT chama atenção. Sobretudo se não eleger um único prefeito em capitais. Em 2012, o partido elegeu quatro prefeitos em capitais: Marcus Alexandre Médici, em Rio Branco, com 50,77% dos votos no segundo turno; Luciano Cartaxo, em João Pessoa, com 68,13% dos votos no segundo turno; Paulo Garcia, em Goiânia, com 57,68% dos votos no primeiro turno; e Fernando Haddad, em São Paulo, com 55,57% dos votos no segundo turno.

Quatro anos depois, em 2016, o PT conseguiu uma única vitória nas capitais. A reeleição de Marcus Médici, na capital do Acre, com 54,87% dos votos.

A não eleição de um único prefeito em uma capital em 2020 é um desastre para o PT. Indica a desaceleração observada não apenas em termos municipais, mas, também, estaduais. Em 2010, a legenda elegeu cinco governadores: Tião Viana, no Acre; Jaques Wagner, na Bahia; Agnelo Queiroz, no Distrito Federal; Tarso Genro, no Rio Grande do Sul; e Marcelo Déda, em Sergipe.

Em 2014, mesmo atacado pelo petrolão, ainda conseguiu manter os mesmos cinco governadores eleitos. Reelegeu Tião Viana, no Acre; manteve seu poder na Bahia, com a eleição de Rui Costa; e ainda emplacou Camilo Santana, no Ceará; Fernando Pimentel, em Minas Gerais; e Wellington Dias, no Piauí. As eleições de 2018, contudo, registraram um recuo.

Há dois anos, o PT conseguiu reeleger Rui Costa, na Bahia, Camilo Santana, no Ceará, Wellington Dias, no Piauí, e elegeu Fátima Bezerra no Rio Grande do Norte. Envolto em escândalos de corrupção, Fernando Pimentel obteve 23,12% dos votos válidos e não foi para o segundo turno. No Acre, Marcus Alexandre Médici, prefeito reeleito de Rio Branco que renunciou ao cargo para disputar o pleito, foi derrotado.

Resultados em antigos redutos eleitorais escancaram encolhimento do PT

A eleição em Rio Branco, antigo reduto eleitoral petista, foi simbólica. O candidato do PT, Daniel Zen, foi apenas o 5º mais votado, tendo recebido 7,1 mil votos, 4% dos votos válidos. Em Belo Horizonte, o espólio político de Fernando Pimentel foi insuficiente para emplacar uma forte candidatura. Seu representante na capital mineira, Nilmário Miranda, recebeu 23,3 mil votos ou 1,88%, o 6º mais votado.

Em João Pessoa, o resultado foi bastante simbólico. A vitória em 2012 é uma vaga memória com o resultado pífio obtido por seu representante no pleito de 2020. O petista Anísio Maia foi apenas o 9º mais votado na capital paraibana, tendo recebido 5,4 mil votos, 1,5% dos válidos. Em termos de colocação entre os demais candidatos na capital, foi a pior colocação petista entre as capitais.

Em Goiânia e São Paulo, outros espólios eleitorais petistas de 2012, o resultado também deixou a desejar. Na capital de Goiás, a Delegada Adriana Accorsi obteve 80,7 mil votos, 13,4% dos válidos, tendo sido a 3ª mais votada. Na capital paulista, Jilmar Tatto recebeu 461,7 mil votos ou 8,65% dos votos úteis, e foi apenas o 6º mais votado. Foi o pior resultado na história na cidade. Na contrapartida, o PSol mostrou força e colocou Guilherme Boulos no segundo turno.

É a primeira vez desde a redemocratização que o PT ficou de fora do segundo turno em São Paulo. Além disso, o desempenho de Tatto deixou muito a desejar: ele obteve apenas 8,55% dos votos. O novato Arthur do Val (Patriota), também conhecido como Mamãe Falei, teve votação mais expressiva que o ex-secretário de Transportes do ex-prefeito Fernando Haddad.

O partido também foi obrigado a amargar derrotas importantes em cidades como Santo André e São Bernardo do Campo. Em São Bernardo, berço do petismo, o atual prefeito Orlando Morando (PSDB) confirmou favoritismo e derrotou o ex-prefeito petista Luiz Marinho, uma das principais personalidades do partido. Em Santo André, Paulo Serra (PSDB) teve 76,88% dos votos contra apenas 7,35% dos votos de sua adversária, Professora Bete Siraque (PT).

27 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]