i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Interesses contrários

EUA, Bolsonaro, Macron: quem está boicotando o acordo Mercosul-UE e por quê?

  • PorAndrea Torrente, especial para a Gazeta do Povo
  • 27/08/2019 20:30
Bandeiras dos países que compõem o Mercosul.
Interesses contrários ao acordo do Mercosul com a União Europeia agem para tentar postergar o início do fluxo comercial.| Foto: Isac Nobrega/PR

Em 28 de junho o governo brasileiro anunciou com pompa e circunstância o acordo de livre comércio firmado entre Mercosul e União Europeia após 20 anos de negociações. Do outro lado do oceano também houve comemoração. Dois meses depois, porém, o clima de festa parece ter arrefecido. Sinais vindos das duas costas do Atlântico lançam dúvidas sobre o futuro do acordo: há chance de algumas das partes desistir ou mesmo impor barreiras ao fluxo comercial?

As negociações terminaram com sucesso, mas o acordo ainda demora para entrar em vigor. O texto está sendo revisado pela equipe jurídica dos dois blocos num processo que leva de seis a sete meses, segundo o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo. Em seguida, o documento deverá ser submetido à aprovação dos parlamentos de todos os países signatários dos dois blocos para ratificação, incluindo o Parlamento Europeu. O trâmite deve levar cerca de dois anos.

As resistências partem de todos os lados. A França ameaça boicotar o acordo por causa dos incêndios na Amazônia e da crise diplomática aberta com o Brasil após a troca de farpas entre Emanuel Macron e Jair Bolsonaro. Na Argentina, Alberto Fernández, candidato peronista que lidera com folga a corrida presidencial, já falou publicamente em rever os termos do acordo com a UE. Já o presidente brasileiro, que nunca foi muito fã do Mercosul, é assediado pelos Estados Unidos a fechar um acordo comercial que lhes garantam uma reserva de mercado no Brasil.

“O acordo (com os europeus) foi visto como uma festa, como uma vitória, mas Bolsonaro não percebeu que isso iria contradizer suas ideias de relacionamento com os Estados Unidos”, afirma Vinicius Rodrigues Vieira, professor de Relações Internacionais da USP (Universidade de São Paulo) e da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

De fato, logo após o fim das negociações com a Europa, houve uma aceleração na discussão das relações comerciais entre Brasil e EUA. “Os Estados Unidos vieram correr atrás do prejuízo”, avalia Vieira. A simpatia entre Donald Trump e Jair Bolsonaro é só um ingrediente a mais nessa alquimia. “Historicamente, sempre que houve uma aproximação entre União Europeia e Mercosul, os Estados Unidos reagiram proporcionalmente. Nada mais natural que agora, finalizadas as negociações [com a UE], você tenha esse tipo de reação”, explica o especialista.

Aproximação com os EUA

Nas últimas semanas Bolsonaro fez vários acenos à Casa Branca. A começar pelos navios iranianos retidos no porto de Paranaguá, no Paraná, sem esquecer a intenção de indicar o filho 03, Eduardo, como embaixador em Washington para estreitar ainda mais as relações pessoais com Trump. Além disso, o Planalto não decidiu ainda se o Brasil vai adotar a tecnologia 5G da China ou vai banir a empresa chinesa Huawei, como pede o governo americano.

Enquanto Bolsonaro enviava sinais de aproximação aos EUA, intensificaram-se ataques e trocas de farpas entre o presidente brasileiro e vários líderes europeus. O estopim foi a crise ambiental que se instaurou na Amazônia e que causou duras reações do francês Emmanuel Macron e da alemã Angela Merkel. Alemanha e Noruega inclusive suspenderam os repasses ao Fundo Amazônia. O jornal alemão Süddeutschen Zeitung publicou no começo de agosto um artigo pedindo que o acordo comercial não seja fechado até o Brasil mudar sua postura sobre o meio ambiente. Na contramão, Trump defendeu o presidente brasileiro e sua atuação para combater os incêndios.

Interesses contrários ao acordo buscam pretextos

A questão ambiental pode ser apenas um pretexto de setores contrários para que o acordo comercial naufrague. Nas previsões do Ministério da Economia, o tratado vai gerar um aumento do PIB brasileiro de U$ 87,5 bilhões (cerca de R$ 360 bilhões) em 15 anos, podendo chegar até a U$ 125 bilhões (cerca de R$ 516 bilhões). E as exportações brasileiras também devem crescer em U$ 100 bilhões (cerca de R$ 413 bilhões) até 2035.

A invasão de carne brasileira na mesa dos europeus preocupa o lobby do boi do Velho Continente. As associações de produtores de carne de Espanha, França, Irlanda, Itália e Polônia definiram o tratado como um "perigo" econômico e para a saúde dos consumidores. O agronegócio brasileiro é acusado de usar substância proibidas e de desmatar a Amazônia para pecuária e agricultura. “Tem muita gente contrária ao acordo de ambos os lados”, pondera Vieira.

O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, acredita que por trás da preocupação ambiental, há uma tentativa dos países europeus de boicotar produtos brasileiros. "Se você coloca uma barreira a algum produto brasileiro, a alternativa é comprar dos Estados Unidos, que são nosso concorrente direto. Chego até a imaginar, mas não posso afirmar, que por trás de muita coisa que está acontecendo agora estejam os Estados Unidos", disse Castro à BBC Brasil, na semana passada.

A senadora e ex-ministra da Agricultura, Kátia Abreu (PDT-TO), também alertou sobre um possível atraso na implementação do acordo com a Europa. “Tenho muito medo de que percamos mercado. Estamos no auge de um acordo delicado, que é União Europeia e Mercosul. Os agricultores na Europa são fortíssimos e altamente subsidiados, não conseguem competir conosco. Então, qualquer coisa vai ser desculpa para atrasar a implementação desse acordo por três, quatro, cinco anos. É do que precisam para arrumarem barreiras técnicas aos nossos produtos. Imaginem os comerciais que essas associações poderosas da Europa podem fazer contra nós lá, na TV e internet? E farão: ‘o Brasil aumenta o desmatamento e acaba com a Amazônia’”, afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, no dia 13.

Já o embaixador do Brasil na Espanha, Pompeu Andreucci Neto, disse à revista Época que nem a pressão da França nem a dos pecuaristas europeus são fatores suficientes para frear a ratificação do acordo. Bem no meio da crise diplomática com alguns países da União Europeia, o Mercosul fechou na semana passada mais um acordo de livre comércio com quatro países da Europa: Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein. O restrito grupo, que integra o bloco do EFTA, tem PIB de US$ 1,1 trilhão e é o 9° maior ator comercial do mundo.

Bolsonaro arrependido? 

No mesmo dia em que terminaram as negociações entre o Mercosul e o bloco europeu, Bolsonaro já explicava que o acordo fazia parte de uma operação dominó: “com toda certeza, outros países terão interesse em negociar conosco”. No dia 31 de julho, um mês depois, o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciava o início dos diálogos com a Casa Branca para um acordo comercial.

O professor de Relações Internacionais da FGV, Oliver Stuenkel, postou no Twitter os bastidores de uma conversa que teve com um analista político de Bruxelas. “Ele me disse que ‘parece que Bolsonaro está implorando para que a Europa adie ou cancele o inteiro acordo comercial. Ele está dando a quem se opõe ao acordo mais munições de quantas eles sonharam’”, escreveu no dia 12 de agosto. Poucos dias depois estourou a crise ambiental.

“Bolsonaro deve pensar: vale a pena se submeter aos europeus e suas cláusulas ambientais e trabalhistas? Talvez ele pense que os europeus não sejam tão confiáveis assim”, afirma Vieira. Segundo o especialista, o presidente percebeu tarde demais. "Faltou orientação prévia, já que a preferência do presidente é buscar a aproximação com os Estados Unidos”, completa.

A repentina mudança de atitude em relação à UE, porém, pode ser uma trama para conseguir melhores condições na negociação com os Estados Unidos. “Embora o caminho me pareça equivocado, uma estratégia seria adiar a ratificação [no Congresso] do acordo com a Europa”, explica Vieira. Enquanto isso, o governo brasileiro pode tentar "extrair concessões aos americanos" para um futuro acordo comercial.

Um eventual acordo, porém, não poderia ser bilateral, tendo que contemplar também o Mercosul. Por ser uma união aduaneira, o bloco sul-americano tem uma tarifa externa comum e os países não podem negociar individualmente esse tipo de acordo. A possível vitória nas eleições presidenciais da Argentina da chapa comandada pelo peronista Alberto Fernandez, que diferentemente de Mauricio Macri não é visto com bons olhos pelos americanos, pode ser mais um obstáculo para o avanço do acordo comercial com os europeus.

Fernández acusa o governo Macri de fechar as negociações às vésperas das eleições argentinas para se beneficiar eleitoralmente. "O que acontece é que não se conhece detalhadamente, mas se o acordo é o que supomos, que é mais uma vez que nós vendamos produtos primários e eles nos vendam produtos industriais, teremos que revisar isso sem dúvida alguma”, disse Fernandez no começo de julho.

15 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 15 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    mr muscle

    ± 12 horas

    se houver a terceira guerra mundial, com certeza será provocada por essa besta humana, que é apoiado por umbando de tupiniquins de QI abaixo da media.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • J

      Juliano

      ± 13 horas

      Governo brasileiro trapalhão e atrapalhado, não tem foco, não sabe o que quer nem o que está fazendo. Tudo que o presidente sabe fazer é ficar arrumando briguinha ridícula com qualquer um que pense diferente, o que só prejudica o Brasil. Argentina é o 3o maior parceiro comercial do Brasil e o cara chama o futuro presidente deles de bandido. Ele precisa urgentemente deixar de ser o de****do ridículo que sempre foi e assumir o País, já que o elegeram pra isso.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • C

        Celito Medeiros

        ± 18 horas

        O Brasil poderá aproveitar muito bem entre estas ações de nível Comercial e por certo fará isto. As ameaças da França não tem sido no terreno das negociações, ao contrário do que acusam nosso governo, buscam mostrar força econômica com suporte de ações militares contra governos fracos ou sem grandes aliados. Os Leões rugem, as Hienas atacam para que entreguem a caça. Sempre vemos isto nas dis****s entre Dominadores, pela Força, Status e Poder. O Brasil também poderá mostrar suas 'garras' com muitos poderes de produção, especialmente em alguns setores que já lideramos e fazem deste país 'menos respeitados' uma das Maiores Economias do Mundo! Imaginem um Brasil 'nos eixos' que poderá segurar?

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • J

          J. Carlos

          ± 18 horas

          O Lacron, com certeza, e agindo a mando do grupo Bilderberg, a elite globalista mundial

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          1 Respostas
          • S

            Sartan

            ± 18 horas

            Assim como seu idolo bolsolacron não se iluda

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

        • J

          JORGE

          ± 19 horas

          Fora seus comunistas! Não estão contentes se mudem para Cuba, Venezuela ou Paris na França! Pera aí! Paris????"

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • G

            Gerônimo Portugal

            ± 19 horas

            É um verdadeiro jogo de cartas, o Brasil tem que ter muito sangue frio para saber blefar e saber driblar os lances dos jogadores profissionais.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • T

              tamotsu kashino

              ± 20 horas

              Macron e Merkel está boicotando este acordo, bem feito, quem vai chorar e as ind, automobisticas europeus, que perderá grande oportunidade de dominar mercado automotor brasileiro, de outro llado Trump está abraçando Bolsonaro com acordo não apenas comercial mas muitos assuntos importantissimos como segurança, acordos militares, de investimentos, até de pesquisas espaciais, e como este acordo e bilateral entre Trump e Bolsonaro será concretizado rápidamente.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • N

                Nilson Macan

                ± 23 horas

                não podemos ficar dependentes de um ou outro país. vejo as noticias de ampliação de aconrdos comerciais com muitos países Suiça, e outros paises da Europa, Árabes, Japão , Eua e Mercosul UE. evidente que cada pais quer as maiores vantagens possíveis aí entra o poder de negociação e não de submissão.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                1 Respostas
                • Z

                  Zyss

                  ± 19 horas

                  Em que mundo vc vive? Ninguém sobrevive sozinho, cada país depende de outros em vários níveis industriais.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

              • E

                Emerson Luís

                ± 23 horas

                Tem que (1) na medida do possível diminuir a importância relativa da China na nossa economia por aumentar o intercâmbio com outros países, em especial os EUA e (2) deixar bem claro para a Argentina que ou ela se comporta, ou sai do Mercosul, ou sai o Brasil.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • P

                  Pedro Piarini

                  ± 23 horas

                  Katia Abreu? E pelos comentários dos Professores (devem ter a camisa do Paulo Freire por baixo) ja ve o nível da matéria. Entendem uma coisa: O Brasil fazendo acordo de livre comercio com a UE e buscando outros, esta dizendo bem claramente a UE o seguinte: se vcs ficarem de frescura, outros irao chegar aqui primeiro e azar de vcs! Ou pq vcs acham que a Merkel deu aquele pito no Anão Frances? Pois ela sabe que se o Brasil fizer um livre comercio com outros países, a poderosa industria alemã sairá perdendo, assim como a Espanha, Itália e demais países industrializados de la. Ao fazer comercio com o mundo td, nao estamos na mãos de ditadores e jornalistas como nos últimos 30 anos.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • A

                    Ae Carvalho

                    ± 24 horas

                    Opiniões de gente tarimbada e de outras nem tanto (Katia Abreu? tsk tsk tsk...).

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    1 Respostas
                    • Z

                      Zyss

                      ± 19 horas

                      Katia Abreu é um lixo de parlamentar, porém conseguiu falar uma verdade...kkkk

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                  Fim dos comentários.