i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Reforma tributária

Com governo ‘no jogo’, Congresso quer unificar propostas para mudar impostos

    • Estadão Conteúdo
    • 19/11/2019 09:16
    O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, acompanhado do Ministro da Economia, Paulo Guedes
    Maia e Guedes: presidente da Câmara já fez críticas à proposta de reforma tributária do governo.| Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

    A Câmara e o Senado devem criar uma comissão mista informal para chegar a uma "convergência" entre o pacote de reforma tributária que o governo deve enviar até o fim deste mês ao Congresso e as duas outras propostas que já tramitam em ambas as Casas. Não há, ainda, definição sobre a relatoria e a presidência dessa comissão.

    Sem o texto do governo, deputados e senadores disputavam o protagonismo da reforma - o que, na prática, inviabilizou a tramitação de novas medidas. A avaliação de líderes partidários é de que isso mudou com a "entrada no jogo" da equipe econômica.

    Diferentemente das propostas que já tramitam no Congresso, o pacote do governo deve prever uma reforma em quatro fases, até meados de 2020. A primeira etapa estipula a criação de um imposto sobre o consumo, com a fusão do PIS e da Cofins, com alíquota entre 11% e 12%. Na segunda fase, prevista para o início do próximo ano, o plano é encaminhar a mudança no IPI, que será transformado em imposto seletivo. Na sequência, o governo vai se concentrar no IR de pessoas físicas (com o aumento da faixa de isenção e nova alíquota para os mais ricos) e jurídicas, para, por fim, desonerar a folha salarial das empresas.

    Resistências já começaram no Congresso

    A reação dos parlamentares ao pacote do governo já veio por meio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na opinião dele, o plano da equipe econômica não resolve o principal entrave tributário atual - a complexidade do ICMS. Maia disse que o governo do ex-presidente Michel Temer também tentou unificar apenas PIS e Cofins e não conseguiu ir adiante. "Já avisei mil vezes à equipe econômica", afirmou Maia.

    Já o ex-deputado Luiz Carlos Hauly - mentor de uma das propostas do Congresso - elogiou o governo e disse que a reforma tributária é "100 vezes" mais importante do que a administrativa. "O secretário entrou no jogo, bem jogado, conhece tecnicamente e é formidável de diálogo", disse, referindo-se ao novo secretário especial da Receita, José Barroso Tostes Neto. O ex-deputado defende, porém, que a proposta não seja fatiada. "Estamos preparados para uma etapa única", opinou.

    Governo ainda não apontou como vai equilibrar as contas

    Para Gabriel Kanner, presidente do Instituto Brasil 200 (uma evolução do movimento lançado pelo empresário Flávio Rocha), a proposta de unificar o PIS e a Cofins é positiva por simplificar o ambiente de negócios. Ele vê com descrédito, porém, a possibilidade de aliar a desoneração da folha salarial e a reformulação do IR à manutenção da carga tributária.

    "Dificilmente o governo vai conseguir reduzir o IR sobre pessoa física e jurídica sem ampliar a base [de tributação]. Não haverá outra solução que não o microimposto [um tributo sobre transação financeira, semelhante à CPMF]", afirmou ele. Uma das bandeiras do Instituto Brasil 200 é, justamente, a implementação da CPMF.

    O economista Fabio Klein, analista da Tendências Consultoria, também afirmou que o governo ainda não esclareceu como fará para manter a carga tributária atual. "Toda a estratégia que busque a simplificação faz sentido, porque desonera a produção brasileira e ganha competitividade", disse. "O desafio é como fechar a conta", completou.

    O que está nas propostas de reforma tributária já em tramitação

    As propostas já em apreciação na Câmara e no Senado são ainda mais abrangentes que a do governo, mas nenhuma delas conseguiu deslanchar. Na Câmara, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) idealizada pelo economista Bernard Appy - e apresentada pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP) - cria o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), substituindo três tributos federais (IPI, PIS e Cofins), o ICMS, que é estadual, e o ISS, municipal. A mudança ocorreria em uma transição de dez anos até a unificação e em 50 anos até a compensação de eventuais perdas de arrecadação de estados e municípios.

    Já o texto do Senado, assinado pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e por líderes partidários, recupera o conteúdo do relatório do ex-deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), formulado na Câmara. Essa reforma também prevê a criação do IBS, mas com a extinção de nove tributos: IPI, IOF, PIS, Pasep, Cofins, Salário-Educação, Cide-Combustíveis (todos federais), ICMS (estadual) e o ISS (municipal). Além disso, Hauly avança e propõe o Imposto Seletivo para bens e serviços específicos.

    5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 5 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    • P

      PAULO ROBERTO LAUER

      ± 14 horas

      recriar o imposto sobre lucros e dividendos, sobre iates e aeronaves e sobre grandes fortunas ninguem fala nada.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • A

      APJr

      ± 15 horas

      Uma legislação fiscal complicadíssima e um Estado inchado, cheio de privilégios, mordomias e corruPTo; é o que recebeu o governo Bolsonaro. O presidente e sua equipe tem se esforçado; mas com essa Câmara federal, esse Senado e o STF que temos, olha, NÃO É FÁCIL ...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      1 Respostas
      • P

        PAULO ROBERTO LAUER

        ± 15 horas

        aumentando os impostos qualquer um pode ser presidente da republica. Não vejo nenhum esforço do Bozo e de sua equipe no sentido de diminuir os gastos do governo.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • B

      Baulé

      ± 16 horas

      ė dantesco.... vivemos num inferno fiscal e não se consegue avançar em nenhuma direção... criar dificuldades pra vender facilidades deve ser mesmo um grande negócio para os poderosos isentos desta crueldade imposta aos meros cidadãos de bem.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • A

      allan leal

      ± 17 horas

      Mas essa reforma não beneficia em nada a maioria da população, apenas uma minoria cade a redução dos impostos sobre os produtos que consumismos???

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]