i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Impostos

Guerra de narrativas e disputa entre estados: as pedras no caminho da reforma tributária

  • Brasília
  • 28/09/2020 22:04
Parlamentares e Bolsonaro na apresentação do Renda Cidadã: governo recuou da apresentação da segunda fase da reforma tributária.
Parlamentares e Bolsonaro na apresentação do Renda Cidadã: governo recuou da apresentação da segunda fase da reforma tributária.| Foto: Alan Santos/PR

"Não houve acordo com os senhores líderes para um texto". O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), explicou desse modo a decisão da gestão Jair Bolsonaro de não apresentar, nesta segunda-feira (28), uma nova etapa do projeto de reforma tributária, conforme era esperado. O que Bolsonaro, alguns de seus ministros e membros de sua base aliada fizeram foi anunciar os parâmetros para instalação do Renda Cidadã, projeto de transferência de renda que pode substituir o Bolsa Família e será direcionado aos atuais beneficiários do auxílio emergencial.

O acordo mencionado por Barros passa por diversos aspectos. Um deles é a implantação do imposto sobre transações digitais, defendido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, mas rejeitado por parte expressiva do Congresso Nacional por ser visto como uma recriação da CPMF. Guedes e seu time identificam no tributo uma possibilidade de garantir com ele os recursos necessários para efetivar a desoneração da folha de pagamento, o que, na análise da equipe econômica, permitiria a criação de mais empregos. A ideia não encontra um bom grau de aprovação entre os parlamentares, receosos com os impactos à popularidade que a recriação de um imposto pode gerar.

Outro elemento em jogo é uma possível disputa entre estados que pode surgir durante a tramitação da reforma tributária no Congresso. Isso porque uma das ideias colocadas para a nova sistemática de impostos é fazer com que a tributação seja feita no ato do consumo, e não na produção dos bens. A proposta, na avaliação de alguns parlamentares, prejudicaria alguns estados de população menor e que são produtores de insumos consumidos em outros locais do país, como energia elétrica e minérios.

A aprovação da reforma tributária precisaria também superar barreiras que não dizem respeito ao seu texto, mas sim ao cenário político: as eleições, tanto as municipais quanto as internas da Câmara dos Deputados e do Senado. A disputa pelas prefeituras e câmaras de vereadores tende a fazer com que o Congresso tenha suas atividades reduzidas nas próximas semanas, principalmente nos dias que antecederem o pleito.

Já a corrida pelas presidências de Câmara e Senado vive atualmente um contexto em que a disputa está mais posicionada nos tribunais do que no Congresso, uma vez que a discussão de momento é a sobre a possibilidade de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP) serem autorizados a disputarem novos mandatos. Ainda que o debate se posicione no campo jurídico, parte significativa dos esforços de parlamentares e mesmo do governo vai para o processo.

"Agora o governo tem um eixo político rodando", diz Guedes

O ministro Paulo Guedes, ao falar em entrevista coletiva no Palácio da Alvorada sobre o Renda Cidadã, disse que o governo já tem a proposta pronta e que "agora é a política que dá o tom". Ele também disse que, na comparação com momentos anteriores, existe uma "novidade" que pode beneficiar o Renda Cidadã: "agora o governo tem um eixo político rodando".

O "eixo político" mencionado pelo ministro diz respeito ao momento de melhor articulação entre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional. E o deputado Ricardo Barros é quem personifica o quadro. Ele se tornou o líder do governo na Câmara em agosto e desde então tem protagonizado negociações em nome do Executivo — nesta segunda-feira, foi quem falou à imprensa imediatamente após o presidente Bolsonaro.

Na avaliação do deputado José Medeiros (Podemos-MT), apoiador de Bolsonaro, um desafio que o governo terá para fazer com que a reforma tributária avance é "ter cuidado para que não sejam criadas narrativas que demonizem a reforma". O imposto sobre transações digitais é, segundo Medeiros, uma "vítima" desse problema com as narrativas. Segundo o parlamentar, a taxa corresponderia a uma substituição tributária, o que a priori não representaria custos adicionais à sociedade, mas a ideia não foi "vendida" corretamente à população.

"Nós somos contra a recriação da CPMF, seja qual for a razão", destacou o líder do Novo na Câmara, Paulo Ganime (RJ). O deputado destacou que vê outras possibilidades de o governo ampliar sua arrecadação para custear a desoneração da folha de pagamento. "Por que não aumentar a CBS?", disse Ganime, em referência à Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS), imposto que pode ser implantado no âmbito da reforma tributária, como resultado da unificação de outras taxas existentes. "A realidade é que a sociedade é contrária à criação da CPMF", disse.

"Não houve acordo ainda sobre o texto. A reforma tributária não está enterrada, nós estamos atrás de votos, continuaremos trabalhando para buscar mais votos. Está faltando apoio sobre alguns dos itens que nós estamos propondo. Há uma proposta de reduzir imposto do CNPJ e tributar dividendos. É uma troca de base tributária, mas precisamos de apoio pra fazer isso. Não houve acordo sobre o novo imposto para desonerar a folha de pagamentos e tributar as transações digitais", declarou Barros sobre o tema à Agência Câmara.

Reforma tributária causa disputa de bancadas

O líder do Solidariedade na Câmara, Zé Silva (MG), também tem ressalvas à recriação da CPMF; mas, segundo ele, os problemas de momento em torno da reforma tributária são "muito mais" do que a substituição de taxas.

Silva coloca como uma questão os efeitos da ideia de se fazer a cobrança dos impostos no ato do consumo, e não na produção. "Vamos pensar em um estado que tem grande produção de energia elétrica e uma população menor, como Tocantins. A energia é produzida ali e consumida em centros maiores como São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Se mudarem as regras, o que vai acontecer com o estado produtor? Vai produzir e não receber nada? A reforma virá para aumentar desigualdades?"

A preocupação é endossada por José Medeiros: "os estados do Centro-Oeste estão realmente com essa demanda. Então esse é o tipo de coisa que precisa ser aplainada, que se precisa chegar a um consenso antes de votar".

Segundo Silva, a expectativa dos deputados é fazer com que os ajustes na reforma tributária sejam desenvolvidos pelo próprio Congresso, por meio do relator da iniciativa na Câmara, o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). "Esse foi o primeiro acordo que estabelecemos. Tudo o que quisermos fazer será feito não pelo governo, mas sim com o relator", apontou.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 9 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • O

    Osvaldo

    ± 0 minutos

    Sem reforma tributária séria , vamos afundar como a Venezuela e Argentina...independente de partidos ou governos o déficit é 7 trilhões ..ninguém de sã consciência vai querer ficar com a conta ...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • F

      FB

      ± 3 horas

      Invés do executivo apoiar a reforma que já estava em tramitação na Câmara de Baleia Rossi, e que estava ficando boa, vem Guedes com a chancela de Bolsonaro e atravessa no meio a conversa bagunçando tudo. Esse governo tem ZERO articulação politica, ele só faz cagada. Da forma como está andando, exceto de Maia meter o pé na parede e forçar a tramitação da proposta de Baleia Rossi, o que Bolsonaro fez permitindo Guedes tentar emplacar essa ideia burra da CPMF reeditada foi acabar com qualquer possibilidade de reforma até 2022.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • N

        Nm

        ± 3 horas

        O que os estados e municipios não querem e perder o poder de legislar com bem entenderem... é preciso acabar com essa bagunça tributaria e administrativa. As obrigações acessorias podem custar mais que o tributo.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • I

          Intruso

          ± 4 horas

          A PRIMEIRA REFORMA PREEMENTE É ACABAR COM INCENTIVOS FISCAIS QUE SO TORNARAM UMA FARRA..

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • C

            Carlos Feliz

            ± 5 horas

            O que esperar de Ricardo Barros e sua turma do Centrão aos quais o Bolsonaro vendeu sua alma? Uma reforma tributária bem feita , que colocaria o Brasil novamente nos trilhos do crescimento acelerado, ou uma medida populista e cheia de remendos como essa Renda Cidadã? Nenhuma surpresa, portanto. Infelizmente...

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • D

              Dimas N

              ± 6 horas

              Congresso, o Povo já não aguenta mais o custeio da máquina pública que escandalosamente incondizente com a renda do brasileiro. Incrementar propostas que reduzam brutalmente o custo do Estado é primordial. Eliminar privilégios e aumentar a eficiência com eliminação de estabilidade, seria um começo para desenrolar este novelo de benesses indecentes. Aumento para o funcionalismo publico seria sempre o mesmo indice dos aposentados e apenas isto. Se acharem pouco, mudem para a iniciativa privada e terão contato com a dura realidade. Existe direito adquirido não existe no mundo real, privilégio adquirido, que sejam derrubados ou cai o País.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              1 Respostas
              • W

                WILSON ZETI

                ± 3 horas

                Você já pensa como eleitor do Novo 30, procure conhecer, www.novo.org.br

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

            • I

              Ivan Machado

              ± 7 horas

              O que importa mesmo, é o discursinho para o fotógrafo. Olha eu lá mãe. Viu? Falei.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • S

                Stanislau Surek

                ± 7 horas

                “Reforma” tributária na cabeça do Bolsonaro é AUMENTO de impostos e recriação da CPMF. Por quê não reduzem as despesas? O estado brasileiro não cabe mais no bolso do contribuinte.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                Fim dos comentários.