i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Impostos

Congresso quer reforma tributária em 2020, mas mudança no IR deve ficar de fora

  • 06/07/2020 10:52
Plenário da Câmara dos Deputados em sessão remota
Sessão da Câmara dos Deputados: Rodrigo Maia, presidente da Casa, quer votação da reforma tributária em agosto.| Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Uma das prioridades da agenda econômica de Paulo Guedes, a reforma tributária deve ser votada na Câmara dos Deputados em agosto. Foi o que garantiu o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “Sempre digo que teremos condições de retomar esse debate e de ter um texto pronto na segunda quinzena de agosto, para que a Câmara comece a votar na comissão especial e no plenário”, afirmou Maia em live promovida pelo portal "Congresso em Foco".

O texto a que ele se refere está sendo construído por uma comissão mista, instalada pelo Congresso em fevereiro. Composta por 25 senadores e 25 deputados, a comissão tem a missão de unificar duas propostas de emenda à Constituição (PECs) que tramitam em paralelo em ambas as Casas, prevendo alterações no sistema tributário do país.

No ano passado, havia a expectativa de que o governo federal enviasse uma reforma tributária própria para apreciação do Legislativo. Entre as ideias gestadas na equipe econômica estava, até, a criação de um imposto sobre pagamentos, nos moldes da antiga CPMF, para bancar a desoneração da folha. A discussão em torno do assunto desagradou o presidente Jair Bolsonaro e acabou levando à demissão do então secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, um defensor desse tipo de tributo.

Após o fracasso da nova CPMF, o governo federal chegou a criar um grupo de trabalho para debater a reforma tributária, e prometeu a implementação de alterações nos impostos já a partir de 2019, em quatro fases.

Em dezembro do ano passado, entretanto, o próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, sinalizou que o Executivo não enviaria uma proposta própria, por conta do estágio avançado de tramitação em que já estavam as duas PECs apresentadas pelo Legislativo. A ideia, então, era de que o governo participasse da discussão propondo, por meio de parlamentares da base, emendas aos textos já apresentados.

No início deste mês, uma nova mudança de rumos. Em live da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), o ministro afirmou que o governo tem uma proposta de reforma tributária pronta, que depende, apenas, de um "acordo político".

No texto estaria prevista a criação de um Imposto Sobre Valor Agregado (IVA) federal, de um imposto sobre transações digitais e o fim da isenção de dividendos. Guedes, porém, não deu um prazo para envio da matéria ao Congresso.

O que está nas PECs de reforma tributária em discussão no Congresso

Diante da indecisão do governo, a reforma tributária deve sair pelas mãos do Congresso. As duas propostas em discussão no Parlamento promovem alterações em impostos sobre o consumo. A ideia é criar um imposto sobre valor agregado (IVA), que reuniria alguns dos tributos existentes.

No caso da proposta originada no Senado, a PEC 110, nove tributos seriam transformados em apenas dois: um imposto sobre bens e serviços (IBS), de competência estadual, e um imposto seletivo, em que o governo federal poderia fazer a tributação diferenciada de produtos como bebidas alcoólicas. O projeto, que tem origem no texto do ex-deputado Luiz Carlos Hauly, prevê que os tributos extintos seriam de competência federal (IPI, IOF, PIS, Pasep, Cofins, salário-educação e Cide-combustíveis), estadual (ICMS) e municipal (ISS).

Na proposta da Câmara, a PEC 45, por outro lado, seriam cinco impostos substituídos pelo IBS: IPI, PIS, Cofins (federais), ICMS (estadual) e ISS (municipal). Além de extinguir menos tributos, no projeto da Câmara, idealizado pelo economista Bernard Appy, haveria a repartição da arrecadação oriunda do IBS entre a União, os estados e os municípios. Assim, poderia haver alíquotas diferentes nos entes federativos – o que evitaria conflitos com o princípio de autonomia previsto na Constituição.

Na PEC 45, além disso, está previsto um mecanismo de devolução de parte do imposto aos contribuintes mais pobres. Com isso, a proposta também criaria uma nova forma de transferência de renda para as famílias inscritas nos programas sociais do governo, por meio do Cadastro Único.

A ideia da comissão especial criada no Congresso foi unificar as duas PECs da reforma tributária, já que ambas apresentam várias semelhanças. Assim, a intenção foi evitar uma disputa de protagonismo entre a Câmara e o Senado, que provavelmente ocorreria se as duas matérias continuassem tramitando em paralelo.

Proposta para o Imposto de Renda precisa partir do governo, diz Maia

Apesar de fazer alterações importantes no sistema tributário do país, já que o ICMS é considerado por alguns economistas como o “pior imposto” do Brasil, as PECs já apresentadas não enfrentam um outro problema: as distorções no Imposto de Renda (IR). O Brasil vai na contramão de outros países ao deixar a tributação mais pesada sobre o consumo – o que penaliza os mais pobres – e promover alívios para a parcela mais rica da população ao tributar a renda.

No modo como o IR está configurado, segundo especialistas, o reforço das desigualdades ocorre pela concessão de benefícios – como isenções e deduções – àqueles de renda mais alta. Além disso, há aplicação de alíquotas diferentes para pessoas com rendas semelhantes, por conta do fenômeno da “pejotização” do trabalho. Assim, um profissional que tem carteira assinada acaba pagando mais imposto do que outro que tem os mesmos ganhos, mas recebe como Pessoa Jurídica.

No caso das deduções de despesas médicas, um estudo da Secretaria de Avaliação de Políticas Públicas, Energia e Loteria do Ministério da Economia (Secap/ME) demonstrou que esse tipo de benefício tributário acentua a desigualdade no país, já que somente os 20% mais ricos se utilizam do mecanismo. A maior parte da população, conforme aponta o estudo, utiliza somente o sistema público de saúde – e, por isso, não tem o que deduzir do IR.

O governo também já sinalizou que pretende propor o fim da isenção de lucros e dividendos para pessoas físicas, com um consequente alívio na tributação das empresas. Outra ideia é aumentar a alíquota máxima do IR para pessoas físicas, de 27,5% para 35%. A tributação mais alta recairia sobre contribuintes que recebem mais de R$ 39 mil, valor próximo ao do teto do funcionalismo.

Na live de que participou na semana passada, Rodrigo Maia sinalizou a importância de alterações no IR, mas disse que o assunto deve ser discutido em paralelo às propostas de alteração do sistema tributário que já estão em análise pela comissão mista. “É só organizar outro grupo de trabalho, para que não desorganize um debate que vem ocorrendo há algum período”, afirmou o presidente da Câmara.

Ao jornal "Valor Econômico", Maia complementou a ideia, explicando que a distinção é necessária porque as alterações no IR serão feitas via projeto de lei, e não por emenda à Constituição. “A reforma do consumo está dada [pelo Congresso]. É muito importante o governo encaminhar a da renda”, completou.

19 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 19 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    RUY

    ± 12 dias

    Dizer o que ante este quadro ...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nilson Macan

    ± 13 dias

    A Legislação tributária tem dois problemas fundamentais: A alta carga tributária e é altamente burocrática. Para manter tudo em ordem uma empresa gasta de 1600 a 2200 horas por ano para satisfazer burocracia. Por outro lado não podemos pagar uma carga tributaria de 53% na compra de combustíveis, de 35% a 40% na compra de medicamentos etc...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FB

    ± 13 dias

    Esse sistema lixão que o Brasil tem de impostos e taxas tem de ser demolido com urgência. Essa reforma tem de ser aprovada para ontem.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURICIO FABIANO MAZUR

    ± 13 dias

    Para o povo vai sem vaselina !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Lothar

    ± 14 dias

    Cidadãos brasileiros, adivinhem na cabeça de quem vai sobrar esta dita reforma. O Brasil foi, é, e será o campeão mundial da desigualdade social por muitos anos, quiçá séculos. Vergonha.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jose Luiz Bortoli de Azambuja

    ± 14 dias

    Com certeza, reforma tributária neste momento, vai significar aumento de tributos para a classe média! O fato de deixar fora o imposto de renda, cujo limite de isenção não tem sido reajustado, ou seja, a tabela não é corrigida, mostra isso. Verdadeiro assalto ao bolso da classe média. Quando se fala alguma coisa sobre proposta de ajuste, a primeira lembrança do governo e seus apoiadores é criar uma alíquota mais alta!!! Absurdo total!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Tarso

    ± 14 dias

    Guedes, não esqueça de isentar os militares. Teu chefe iria ficar muito puto com vc. Tá Ok!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JOSÉ IVALDO

    ± 14 dias

    Sou liberal e afirmo categoricamente que o Guedes em suas AÇÕES, é uma decepção absoluta. Se ajoelhou ao corporativismo do presidente e das raposas de Brasília. Quem diria, CPMF e tributação de dividendos!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Ana Freut

    ± 14 dias

    Tem que taxar mais os funcionários públicos que ganham acima de 10 mil... a maioria não produz p0rcaria nenhuma, mas o salário tá sempre ali! Podiam taxar em 40% esses salários maiores que 10 mil...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maquiavel

    ± 14 dias

    E correção inflacionária da tabela do imposto de renda nada...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Freitas

    ± 14 dias

    Pelo desenho que vi até agora, podem até dar isenção tributária e previdenciária para os militares. Não duvido.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Elias Quadros

    ± 14 dias

    Reforma só se for para ferrar pobre e classe média. Bajulando ainda mais os ricos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sr. Walker

    ± 14 dias

    Eu já ficaria feliz com o retorno da tx maior do IRPF aos velhos 25,0 %. Foi o deus branco da imprensa e da grande maioria da população, o tbm nefasto FHC. Elevou, temporariamente, para 27,5 %. Patamar de onde nunca mais saiu. Até o hiper mega ladrão comunista, Lula 9 Dedos, prometeu em campanha para eleições fazer voltar aos saudosos 25 mas nunca o fez

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MICHAEL GUSTAV ADOLF MULL

    ± 14 dias

    Não esqueçam de incluir um ajuste anual da tabela do IR.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LEONARDO BARBASKI

    ± 14 dias

    Aprovem isso logo de uma vez. Só pelo fato de extinguir ICMS já vale muito. E coloquem outra proposta pro IR, o Brasil só vai melhorar o dia que quem ganhe dinheiro é quem trabalhe e o imposto regressivo é o melhor jeito de manter os "quero ganhar sem fazer esforço" ativos. Trabalhar é igual a produtividade. Hoje quem trabalha não ganha e quem não trabalha ganha, é uma lógica invertida de quem não se modernizou ainda. Proteção ao trabalho e não ao dinheiro.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rubens Farias

    ± 14 dias

    Para os BURROS de plantão os que estão apoiando o atual governo. Desde sempre pagamos um Imposto de Renda abusivo para financiar os governos corruptos, as regalias dos políticos, o PT que se dizia partido do povo ficou 14 anos no poder e NÃO fez NADA para baixar,inclusive nunca reajustou a tabela do IR, Bolsonaro em sua campanha disse que reajustaria e até agora nada e a proposta do Guedes nada fala de IR.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    jose abel brina olivo

    ± 14 dias

    reforma meia boca. alem de prejudicar os municípios.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Y

    Yuri Nunes

    ± 14 dias

    é assim, o que interessa ao país fica para o ano que vem. Limitar internet que interessa só aos deputados corruptos é prioridade. Vergonha deste congresso. Tem chance de se redimir mas sempre opta pelo caminho pior. Estamos de olho, sabemos quem está votando contra o país, farei campanha contra este deputados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Freitas

    ± 14 dias

    "O gasto proporcional do governo para cobrir o rombo no sistema de proteção social dos militares em 2019 foi 17 vezes o valor gasto com um trabalhador do setor privado que se aposenta pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Os dados divulgados nesta segunda-feira (6) pelo Tesouro Nacional mostram que foram gastos, em média, R$ 121,2 mil para cobrir o rombo de cada militar. No caso dos beneficiários do INSS, o valor foi de R$ 6.900. Para cada servidor público, o gasto médio foi de R$ 71,6 mil. "

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]