i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Altos e baixos

A promoção do homem forte da Previdência: como Marinho foi de secretário a ministro

  • Brasília
  • 06/02/2020 21:19
Rogério Marinho no lançamento do programa Verde Amarelo.
Rogério Marinho foi promovido de secretário a ministro do Desenvolvimento Regional.| Foto: Edu Andrade/Ministério da Economia

Nome forte da reforma da Previdência do governo Bolsonaro, Rogério Marinho foi nomeado nesta quinta-feira (6) ministro do Desenvolvimento Regional, no lugar de Gustavo Canuto. Marinho deixa o cargo de secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, onde estava desgastado, para assumir uma pasta que tem um orçamento total de R$ 17,78 bilhões (incluindo gastos com pessoal) para este ano.

No Desenvolvimento Regional, ele vai ser o responsável por tocar temas que estavam em segundo plano no governo Bolsonaro: saneamento, habitação e mobilidade. Ficará responsável pelos programas Minha Casa Minha Vida (MCMV) e de transposição das águas do Rio São Francisco. Cuidará, ainda, da Defesa Civil e da articulação do governo federal com os prefeitos para ações de desenvolvimento regional e urbano.

A pasta tem forte atuação no Nordeste, região de origem de Marinho. O novo ministro é natural de Natal, no Rio Grande do Norte. Pelo seu estado, foi secretário de Desenvolvimento Econômico e eleito deputado federal por três vezes. O governo Bolsonaro enfrenta uma forte oposição na região, liderada por governadores, prefeitos e parlamentares que são de partido de oposição.

Marinho foi a aposta do governo para a Previdência

Não é a primeira vez que Bolsonaro escolhe Marinho para liderar temas sensíveis. Em janeiro de 2019, ele foi nomeado secretário especial de Previdência e Trabalho justamente para cuidar da articulação política da reforma da Previdência. A reforma, após oito meses de tramitação, foi aprovada com uma economia de R$ 800 bilhões aos cofres públicos ao longo de dez anos.

Marinho foi apresentado ao ministro Paulo Guedes pela deputada federal Bia Kicis (PSL-RJ), ainda durante o governo de transição. Em pouco tempo, o seu nome ganhou força e ele foi escolhido para ser um dos secretários especiais do Ministério da Economia, respondendo diretamente a Guedes.

Inicialmente, Guedes ia manter a área de Previdência junto com a Secretaria Especial da Receita Federal. Mas o ministro se convenceu ser necessário criar uma secretaria especial para cuidar do tema, e que o comando da secretaria deveria ficar a cargo de alguém que tivesse conhecimento técnico e tato político.

Economista de formação, Marinho é considerado um exímio articulador político e tem apreço por temas da área econômica. Ele foi o relator da reforma trabalhista do governo Michel Temer e conseguiu a aprovação do seu substitutivo no Congresso em tempo considerado recorde. O texto também saiu mais robusto do que o apresentado pelo governo inicialmente.

Marinho já esteve cotado para a Casa Civil

Devido ao sucesso que teve na articulação da reforma da Previdência, em especial na Câmara dos Deputados, o nome de Marinho já vinha sendo cogitado para ser ministro. Em duas oportunidades no ano passado, foi cotado para assumir a vaga de ministro-chefe da Casa Civil, no lugar de Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que estava tendo dificuldades na articulação política.

Em junho do ano passado, Bolsonaro chegou a dizer que Marinho morava em seu coração. “Acabando a reforma da Previdência e havendo possibilidade, nós vamos dar o posto de destaque que ele merece", disse o presidente em 18 de junho. A Casa Civil, contudo, continuou com Onyx e a articulação política foi para a Secretaria de Governo, que passou a ser ocupada pelo general Luiz Eduardo Ramos.

Em novembro, com a Previdência já promulgada, Marinho voltou a ser cotado para ser ministro-palaciano, o que não aconteceu. Em dezembro, Guedes disse em entrevista coletiva que o seu time de sete secretários especiais tinha fechado um contrato de quatro anos com ele.

Insatisfação com o Minha Casa Minha Vida

A promoção de Marinho aconteceu agora em fevereiro, diante das insatisfações do presidente com a gestão de Gustavo Canuto à frente do programa Minha Casa Minha Vida, segundo apurou a Gazeta do Povo com uma fonte do Ministério da Economia. Também foi uma forma de premiar Marinho pelo seu bom desempenho na reforma da Previdência, disse essa fonte.

Bolsonaro prometeu reformular o MCMV ainda em 2019, o que não saiu do papel. O programa de habitação, inclusive, chegou a suspender por alguns meses novos financiamentos de clientes das faixas 1,5 e 2 por causa da restrição orçamentária.

Marinho estava em baixa

Até ser promovido nesta quinta-feira, Marinho enfrentava um inferno astral no pós-Previdência. Ele vinha sendo criticado pela MP do Programa Verde Amarelo, pelo projeto de lei que acaba com a política de cotas para contratação de pessoas com deficiência e pela fila do INSS, que penaliza milhares de brasileiros e desgasta o governo.

Um dos últimos atos de Marinho como secretário especial de Previdência e Trabalho foi defender a MP do Programa Verde Amarelo em audiência no Senado, na quarta-feira (5). A MP foi publicada com a intenção de estimular a geração de empregos para os mais jovens, mas saiu como um tiro no pé ao compensar o custo do programa com a taxação do seguro-desemprego. Além disso, estudo do próprio Ministério da Economia revelou que o programa é caro e pode ter efeitos limitados.

Pouco antes, no fim de janeiro, Marinho decidiu demitir o então presidente do INSS, Renato Vieira, para tentar dar uma resposta à crise do instituto. Oficialmente, Vieira pediu para sair com o objetivo de se dedicar a projetos pessoais. No seu lugar, foi nomeado Leonardo Rolim, que era o secretário de Previdência do Marinho.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Alexandre Souza

    ± 3 horas

    Ótima escolha.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Elias Quadros

    ± 5 horas

    Se ferrar o povão, mantendo os privilegiados de sempre, é promovido.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • A

      Alexandre Souza

      ± 3 horas

      Mortadela...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Thiago Alvim Costa

    ± 7 horas

    Parabéns sr Rogério Marinho. Muito competente mesmo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    HERMES CARLOS BOLLMANN

    ± 14 horas

    Esse Sr. ROGÉRIO MARINHO, Merece SER MINISTRO, MOSTROU LEALDADE AO PRESIDENTE, NEGOCIOU MUITO BEM A REFORMA DA PREVIDENCIA, PARECE SER MUITO COMPETENTE, JUNTAMENTE COM O MINISTRO TARCISIO, e GUEDES, SÃO ATÉ AGORA OS GRANDES ARTÍFICES DO GOVERNO BOLSONARO.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FERNANDO LUIZ POZZOBON

    ± 15 horas

    Este Marinho é extremamente competente. Sucesso no novo cargo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]