Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O presidente Jair Bolsonaro vetou a aquisição da vacina chinesa, a CoronaVac, que está sendo desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan
O presidente Jair Bolsonaro vetou a aquisição da vacina chinesa, a CoronaVac, que está sendo desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Um dia após o Ministério da Saúde anunciar a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 que está sendo desenvolvida pela China com parceria do Instituto Butantan no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro desautorizou a ação em suas redes sociais. “Tudo será esclarecido ainda hoje. Não compraremos a vacina da China”, escreveu.

O mundo todo acompanha ansioso a corrida pela vacina – as principais apostas tiveram tropeços na fase 3 dos testes, o que atrasou as expectativas mais otimistas de vacinação em massa ainda em 2020.

Ainda na manhã desta quarta-feira (21), Bolsonaro fez uma postagem específica sobre “a vacina chinesa de João Dória”. O presidente afirmou que antes de qualquer vacina ser disponibilizada à população deverá ser “comprovada cientificamente pelo Ministério da Saúde e certificada pela Anvisa”.

Ele disse ainda que a população “não será cobaia de ninguém” e que não há justificativa para um aporte financeiro bilionário em um medicamento que ainda está na fase de testagem. “Minha decisão é a de não adquirir a referida [vacina]”, escreveu.

O acordo para a compra da vacina foi fechado durante reunião do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, com governadores na terça-feira (20). "A vacina do Butantan será a vacina do Brasil", afirmou o ministro na ocasião.

A compra das 46 milhões de doses da CoronaVac exigiria a edição de uma medida provisória para disponibilizar crédito orçamentário de R$ 1,9 bilhão, para o protocolo de intenções de compra. A Saúde já havia anunciado que investiria R$ 80 milhões na ampliação da estrutura do Instituto Butantan, o que auxiliará na produção da vacina.

O Butantan é o principal produtor de imunobiológicos do Brasil e tem larga experiência com antígenos vacinais, que compõem as vacinas usadas no Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde. Assim como o processo de desenvolvimento de qualquer vacina, independentemente do instituto responsável e da doença, todo o processo é monitorado pela Anvisa. É a agência que autoriza a realização de novas fases da testagem e acompanha o andamento das pesquisas.

Por causa do imbróglio a respeito desse protocolo de compra da vacina, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, fez breve pronunciamento na manhã desta quarta-feira. Ele frisou que não houve nenhum compromisso de compra com governador ou estado, mas sim um protocolo de intenção entre a pasta e o Butantan, sem caráter vinculante, pela parceria histórica entre as duas partes. (Veja a íntegra da nota no final do texto).

Ele frisou que não há intenção de compra de vacinas chinesas e que o medicamento em desenvolvimento pelo Butantan é uma vacina brasileira. A possível aquisição segue as premissas de segurança e eficácia, conforme autorizações da Anvisa, e preço justo para compor o programa de imunização.

Franco frisou mais de uma vez que a vacina é brasileira e que a vacinação, no que depender do Ministério da Saúde, não será obrigatória, ainda que o objetivo da pasta seja disponibilizar o mais brevemente possível as opções de imunização segura para os brasileiros.

Vacina chinesa no centro da discussão política

A Coronavac está no centro de uma discussão política que envolve vários atores. Ela tanto evidencia as rusgas entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, quanto mostra os primeiros desentendimentos entre o capitão e o ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello.

Pazuello assumiu o cargo interinamente após dois ministros pedirem demissão do cargo – os médicos Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich deixaram o comando da pasta alegando divergências com o presidente em relação à condução das ações de enfrentamento à pandemia. Depois de quatro meses, foi efetivado na função em setembro.

A expectativa era de um gestor alinhado e que aceitasse as ordens do presidente. Mas a questão da vacina colocou ambos em lados opostos. De acordo com a coluna Radar, da revista Veja, ao anunciar a compra das doses da CoronaVac, Pazuello ignorou ordens diretas do Planalto. A informação é de que já no final de semana, Bolsonaro teria vetado a aquisição das vacinas chinesas.

Nas redes sociais, um apoiador de Bolsonaro afirmou que Pazuello os traiu ao comprar a vacina chinesa e disse que o presidente "se enganou mais uma vez", em referência aos dois ex-ministros da pasta. Bolsonaro respondeu que "qualquer coisa publicada, sem qualquer comprovação, vira TRAIÇÃO".

O mal estar causado pelo anúncio de aquisição da CoronaVac tem relação com a briga entre Bolsonaro e Doria. Desenvolvida pelo Butantan, a CoronaVac será disponibilizada pelo estado de São Paulo aos moradores. Doria disse que a vacinação seria obrigatória no estado, contrariando declarações anteriores de Bolsonaro. O presidente respondeu afirmando que a vacinação contra a Covid não será obrigatória no Brasil.

Esse foi mais um capítulo do histórico de discussões públicas entre o presidente e o governador de São Paulo, que romperam relações pouco após o início de ambos os mandatos. Doria se coloca como presidenciável em 2022, o que também incomoda Bolsonaro.

Brasil e os acordos para a vacina contra a Covid-19

O Brasil possui dois acordos vigentes para o fornecimento de doses da vacina contra a Covid-19. Um deles é com a farmacêutica AstraZeneca, cujos estudos para a vacina são conduzidos pela Universidade de Oxford, com participação da Fiocruz no Brasil. Ele prevê a produção de 100 milhões de doses da vacina no país.

Outro é com a iniciativa Covax, da Organização Mundial da Saúde (OMS), que tem a adesão de mais de 170 países. A iniciativa visa impulsionar as pesquisas para as vacinas e disponibilizar doses aos países que participarem do convênio. Neste caso, são mais 40 milhões de doses.

O anúncio de aquisição de mais 46 milhões de doses da Coronavac, desenvolvida pela biofarmacêutica chinesa Life Science Sinovac, complementaria a estratégias de vacinação brasileira. Com 186 milhões de doses, seria possível 93 milhões de brasileiros ao menos, uma vez que devem ser necessárias duas aplicações para a imunização.

As principais apostas para vacina contra a Covid-19 se encontram na última fase de testes, que avalia a eficácia do medicamento em pessoas. A vacina de Oxford, por exemplo, já sofreu uma paralisação por causa de reações adversas em um paciente. Os testes já foram retomados.

O desenvolvimento de vacinas geralmente toma anos de pesquisas, mas a busca por uma imunização contra o novo coronavírus está acelerada e vários cientistas acreditam que será possível obtê-la em prazo menor que o usual e com segurança.

Nota de esclarecimento do Ministério da Saúde

Sobre a reunião de ontem, realizada no Ministério da Saúde, por meio de vídeo conferência com governadores, esclarece-se o seguinte:

Houve uma interpretação equivocada da fala do Ministro da Saúde. Em momento nenhum a vacina foi aprovada pela pasta, pois qualquer vacina depende de análise técnica e aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) e pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec).

Destaca-se que o governo Federal, por intermédio do Ministério da Saúde, tem envidado esforços na direção de proteger a população por intermédio de várias ações, como:

  • a adesão na iniciativa Covax Facility, com a opção de compra de vacinas;
  • o contrato de encomenda tecnológica AztraZeneca/Oxford com insumos estrangeiros em um primeiro momento para o escalonamento de 100,4 milhões de doses e transferência tecnológica para produção própria de insumos. O que possibilitará que a Fiocruz produza mais 110 milhões de doses no segundo semestre de 2021.

Não houve qualquer compromisso com o governo do estado de São Paulo ou seu governador, no sentido de aquisição de vacinas contra Covid-19.

Tratou-se de um protocolo de intenção entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan, sem caráter vinculante, grande parceiro do MS na produção de vacinas para o Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Mais uma iniciativa para tentar proporcionar vacina segura e eficaz para a nossa população, neste caso com uma vacina brasileira, caso fiquem disponíveis antes das outras possibilidades. Não há intenção de compra de vacinas chinesas.

A premissa para aquisição de qualquer vacina prima pela segurança, eficácia (ambos conforme aprovação da Anvisa), produção em escala, e preço justo. Quando qualquer vacina estiver disponível, certificada pela Anvisa e adquirida pelo Ministério da Saúde, ela será oferecida aos brasileiros por meio do PNI e, no que depender desta Pasta, não será obrigatória.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]