Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Judoca israelense vence medalha de ouro em Abu Dhabi, mas organizadores se recusam a tocar hino e levantar bandeira

Um judoca israelense, Tal Flicker, venceu a medalha de ouro nesta quinta no torneio Abu Dhabi Grand Slam, mas os organizadores se recusaram a tocar o hino de seu país e levantar a bandeira de Israel. Do lado feminino, Gili Cohen venceu o bronze, mas também não teve o hino de Israel tocado, tampouco a bandeira do país exposta.

A equipe toda de Israel teve que lutar sem qualquer símbolo nacional, e soube que haveria uma política discriminatória caso vencesse. “Israel é meu país e tenho orgulho dele”, disse o judoca, para quem o hino da federação que colocaram no lugar do seu hino era “apenas barulho”.

O antissemitismo, como podemos ver, continua em alta, mas não esperem condenação por parte da esquerda. Historicamente, mesmo durante o nacional-socialismo, foi a esquerda que sempre fomentou o “ódio ao judeu”, que era associado ao capitalismo, especialmente em sua vertente financeira.

Recomendo aos interessados o livro novo de Dinesh D’Souza, The Big Lie, em que ele mostra esse elo entre esquerda democrata “progressista” e nazistas. Hoje também vemos que esse ódio vem quase sempre da esquerda, daqueles que adoram odiar os Estados Unidos e Israel, e relativizar as atrocidades cometidas por muçulmanos.

É por isso que não vemos uma chiadeira geral na esquerda com esse ato escancarado de preconceito. Pois o alvo foi um israelense, então pode, então é permitido. Os esportes deveriam colocar essas diferenças para escanteio, seu grande papel é justamente lembrar que o humano está acima das disputas religiosas ou nacionais, e que o melhor deve vencer. É uma simulação de conflito para justamente fugir de um confronto real.

Israel, por meio de seu atleta, levou a melhor, mostrou-se superior. Mas isso não pode ser reconhecido ali, pois o antissemitismo é disseminado demais em países sob o domínio do Islã. Por isso o judoca virou um “apátrida” no momento do pódio. Mas o vergonhoso ato não é capaz de esconder a verdade: o israelense foi melhor.

E a maioria dos judeus vai continuar fazendo o que sabe fazer bem: superar essas barreiras preconceituosas e vencer na vida, destacar-se em suas diferentes atividades. É isso que desperta tanto ódio nos antissemitas: não suportam as vitórias frequentes do povo judeu. É pura inveja.

Rodrigo Constantino

8 recomendações para você

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos