i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Os "formadores de opinião" e as tetas estatais

  • PorRodrigo Constantino
  • 15/01/2015 23:07
Os "formadores de opinião" e as tetas estatais
| Foto:

Uma das leituras nessas férias foi Facial Justice, que já comentei aqui. Outra foi o pequeno livro da estratégia de como derrotar o PT, também já comentado aqui. Mas o melhor, do ponto de vista do prazer literário, foi mesmo Amsterdam, de Ian McEwan. O romance do escritor inglês mescla humor com temas ligados à amizade, à moral e à natureza humana.

Tudo começa no enterro de Molly, quando dois amigos e ex-amantes da falecida se encontram e travam uma conversa. O que se segue é uma espécie de disputa masculina ligada à sexualidade e à virilidade, testando ao limite a velha amizade. Mas esse não é o meu foco aqui. Gostaria apenas de destacar duas passagens do livro, aparentemente desconexas, mas que atacam, pela voz do narrador, o estrago causado pelo welfare state britânico:

Quão prósperos, quão influentes, como tinham todos florescido sob um governo que desprezavam havia quase dezessete anos! Falando da minha geração. Tanta energia, tanta sorte. Amamentados pelo Estado no imediato pós-guerra e depois sustentados pela prosperidade inocente e incerta de seus pais, até chegar à maturidade numa era de pleno emprego, novas universidades, belos livros de bolso, a idade de ouro do rock & roll, ideais passíveis de serem concretizados. Quando a escada desabou sob seus pés, quando o Estado parou de lhes dar de mamar e se tornou esta mãe rabugenta, eles já estavam s salvo, consolidados, prontos a se transformarem em formadores de opinião, de gostos ou de fortunas. (pag. 19)

[…]

Ao cruzar a ponte, se recordou de como Amsterdam era uma cidade calma e civilizada. Fez um longo desvio para oeste a fim de caminhar pela Brouwergracht. Sua mala era bem leve. Que reconfortante, ter um canal correndo pelo meio da rua! Que lugar tolerante, liberal e maduro: os belos armazéns de tijolos e vigas de madeira esculpida convertidos em apartamentos de bom gosto, as modestas pontes de Van Gogh, a discreta mobília urbana, os holandeses inteligentes e de aparência amigável montados nas bicicletas com seus prudentes filhos sentados atrás. Até os lojistas pareciam professores e os varredores de rua, músicos de jazz. Nunca existiu uma cidade organizada mais racionalmente. (pag. 162)

Exageros à parte, até porque já estive em Amsterdam e, apesar de ser realmente um charme, tem lá seus graves problemas, e levando em conta a ironia, proposital ou não, de que tanta racionalidade foi palco do desfecho bastante irracional da trama (não vou estragar a surpresa de quem não leu ainda), o fato é que fica no ar uma crítica velada ao modelo inglês e à geração mimada do pós-guerra, que teve de tudo e não aprendeu a valorizar nada, gozando das benesses “gratuitas” do Estado “papai”.

Artistas e jornalistas “formadores de opinião” paridos diretamente da afluência possível pelo trabalho duro de seus antecessores, mas que desprezam justamente aquilo que torna suas vidas fáceis viáveis. São como crianças mimadas que aprenderam a bater o pé no chão e demandar, como direitos inalienáveis, o pronto atendimento de seus desejos. Parece ou não com a nossa classe artística, acostumada a mamar nas tetas estatais e depois cuspir no capitalismo e na burguesia que os sustenta?

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.