Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Prefeito francês diz que 91% de alunos muçulmanos é um “problema” e sofre forte reação
| Foto:

 

Robert Ménard, prefeito de Béziers no sul da França, constatou que crianças muçulmanas estão tomando conta das escolas em sua cidade, afirmando que pode ver a “grande substituição” acontecendo bem diante de seus olhos. A BBC News caracterizou sua fala como “divisiva” e “usada para descrever a alegada substituição da população branca cristã por muçulmanos”. Mas Ménard não parou por aí.

Alguns dias depois, em um programa de televisão, ele disse que numa sala de aula do centro de sua cidade, 91% dos alunos são muçulmanos, e que, “obviamente, isso é um problema”. Para ele, deve haver um limite para a tolerância. Segundo a BBC, a lei francesa proíbe a divisão de dados com base na religião ou etnia (mas não é a esquerda que adora perguntar a “raça” das pessoas?).

O prefeito não viu nada demais em sua fala. Ele apenas relatou uma estatística, não um julgamento de valor, disse. “É o que posso ver”, acrescentou. Mas não foi uma defesa suficiente. Ele acabou sendo multado em dois mil euros por “incitar a violência”. Ménard é chamado de “extrema-direita” pela emissora, e de “aliado da Frente Nacional”, que quer endurecer as medidas de imigração no país.

Além da multa, a corte francesa decidiu pagar mil euros para os grupos “anti-racistas” que trouxeram a acusação. Ménard disse que vai apelar ainda. O prefeito já tinha sido alvo de duros ataques por tentar manter estatísticas sobre muçulmanos nas escolas:

Enquanto a esquerda “tolerante” agir assim, punindo quem simplesmente chama a atenção para os fatos, mostrando como tem ocorrido uma verdadeira invasão islâmica no país, a “extrema-direita” nacionalista vai continuar crescendo, como reação compreensível a esse multiculturalismo covarde. Marine Le Pen foi ao segundo turno como comprovação disso.

Um prefeito não pode mais constatar que mais de 90% dos alunos de uma escola em sua cidade são muçulmanos, pois isso é “racismo”. Não importa que o Islã seja uma religião, não uma “raça”, e que muitos imigrantes dessa religião em particular se recusem a assimilar os valores culturais que formam a França, inclusive a tolerância tão propagada pela esquerda. O alvo é o prefeito que ousa revelar quantos muçulmanos existem na sala de aula.

Leiam o livro Submissão e entendam o que se passa com o país, com a Europa. Apesar de se tratar de obra de ficção, ele revela que o surreal mesmo tem sido o mundo real, incapaz de lidar de forma minimamente adulta com o problema do choque cultural no continente. E o fluxo imigratório vai continuar, até que a situação fique insustentável, e a esquerda sinta saudades de Le Pen…

Rodrigo Constantino

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]